Exercícios e imunidade: qual a relação?

Jose Costa, 30 de Maio, 2020

Entenda como a atividade física pode ajudá-lo a ter um sistema imunológico mais forte, minimizando os riscos de doenças como Covid-19 e reduzindo suas consequências.

 

Quantas vezes, ao consultar um médico, você já não saiu com a prescrição de “faça exercícios”? Pois é: atividade física sempre foi um ótimo “remédio”. Não só para a prevenção e combate a doenças – problemas cardiovasculares, hipertensão, diabetes, câncer, depressão – como para o ganho de qualidade de vida de forma geral. E, se você segue a recomendação e adotou como estilo de vida, digamos que também tenha tomado uma espécie de “vacina”. Isso porque a atividade física fortalece o sistema imunológico – o que é uma ótima notícia em tempos de pandemia da Covid-19.

 

“Vários trabalhos se aprofundam na relação entre exercício e sistema imunológico. E cada vez mais se comprova que a prática regular, em intensidade moderada, reduz a frequência e a incidência de infecções”, diz o biólogo André Luis Lacerda Bachi, pesquisador e docente do programa de pós-graduação da Universidade Santo Amaro (Unisa) e professor visitante na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Estudos preliminares também sugerem que a pessoa que mantinha um nível razoável de atividade antes da pandemia, tende a ter menores complicações, mesmo que venha a contrair o vírus. “Não é que não vá pegar a doença. Mas as complicações tendem a ser menores. Isso porque o novo coronavírus ataca o sistema respiratório e, quem tem esse sistema funcionando bem, graças ao bom condicionamento físico desenvolvido ao longo do tempo, talvez não sofra tanto”, explica Rafa Lund, personal trainer do Rio de Janeiro, criador do Método Lund e treinador de atrizes como Deborah Secco e Flávia Alessandra.

 

“Em se tratando de Covid-19 há muito o que se aprender ainda. Porém, se sua capacidade pulmonar estiver perfeita, suas chances tendem a ser melhores do que quem não a tem”, reforça Suzete Motta, médica e triatleta, nutróloga especializada em nutrição esportiva e performance pela Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

 

Como a imunidade é fortalecida

Quando a gente começa a se exercitar, a circulação sanguínea logo sente o efeito, sendo que a primeira reação é potencializar a entrega de suprimentos (entre oxigênio e nutrientes) para todas as partes do corpo. “Acontece ainda o aumento dos linfócitos (responsáveis pela resposta imune e pela defesa do corpo) e também das células ‘natural killers’, que combatem células tumorais e vírus”, diz a médica. Ou seja, com a prática esportiva regular, as células de defesa caçam e destroem os inimigos com maior facilidade. Por fim, suar a camisa ajuda a melhorar a comunicação entre os diversos setores do sistema imunológico, tornando-o mais eficiente.

 “Em nossas pesquisas, comparando praticantes de atividades físicas com não praticantes, notamos significativa redução de problemas respiratórios no grupo mais ativo. E vemos que o exercício tem a capacidade de potencializar respostas imunológicas já na mucosa respiratória, porque produz anticorpos na primeira linha de defesa. Então, se eu melhoro a segurança na porta de entrada, dificulto que o inimigo avance e faça maiores estragos”, explica o biólogo Luis Bachi.

Outro fator importante é que o exercício – com sua liberação de endorfinas – diminui o estresse, o que ajuda muito nesta fase de incertezas que passamos. “Acredito que quanto mais fortes somos física e emocionalmente, maiores nossas chances de vencer a guerra”, aponta Suzete.

 

Quando começa a fazer efeito

Como tudo na vida, a boa imunidade não surge da noite para o dia. “Não é fazer exercício um dia que já melhorou tudo”, alerta Lund. O professor Bachi explica: “O exercício é um agente estressor, que leva o corpo a sair da zona de conforto, reagir e gerar uma adaptação ao estresse. Uma sessão faz bem para aquele momento, traz uma resposta imediata. Com a regularidade, o organismo vai criando uma adaptação que é mantida por mais tempo.”

Depois de dois ou três meses, quem saiu do zero já pode sentir melhora na imunidade. E mesmo quem nunca fez atividade física ou estava sedentário antes da pandemia, pode começar agora. Sempre é tempo.

 

Exercícios e imunidade: dose certa

A diferença entre o remédio e o veneno é justamente a dose. “A atividade física deve ser feita frequentemente e com intensidade moderada. Se for de alta intensidade, não deve ser prolongada e requer um tempo maior de descanso depois”, recomenta Bachi. A orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é atividade física leve a moderada com duração de 30 minutos por dia ou 150 minutos por semana ou 75 minutos semanais de maior intensidade.

Vale lembrar que a intensidade do treino não está relacionada exclusivamente ao tempo, mas ao esforço que se faz – ao quanto você gasta de energia e exige do seu corpo. “Vai além de tempo e de uma atividade em si. Uma pessoa com sobrepeso, por exemplo, se fizer 20 agachamentos talvez tenha uma demanda muscular muito grande. Para um sedentário, um treino muito intenso pode significar 10 ou 15 minutos; para um atleta isso pode ser apenas o aquecimento”, alerta Lund.

É preciso cuidado porque passar do ponto pode justamente prejudicar a imunidade. “Trabalhos mostram que o exercício de maneira prolongada e extenuante pode ter efeito contrário, aumentando as chances de sintomas de infecções das vias aéreas superiores”, diz o biólogo.

 

Exercícios e imunidade: quais fazer

O personal Rafa Lund explica que não existe uma “planilha de exercícios bons”. “Eu diria que reforçar o sistema cardiorrespiratório parece ser uma boa estratégia”. Entre os exercícios que trabalham a capacidade cardiorrespiratória e pulmonar estão os aeróbios, como corrida, bike, hiit.

Vale apostar ainda no treino de força, como a musculação, para controle e prevenção de doenças inflamatórias – a Covid-19 é uma doença também caracterizada por muita inflamação. “Se você tem uma boa estrutura para reduzir a inflamação – e o treino de força faz isso – pode ser interessante”.

A real é que todo mundo deve se manter ativo, se possível combinando as duas formas de atividades. Quem está habituado pode seguir fazendo (muitas vezes com adaptações); quem está sedentário, pode aproveitar a oportunidade para começar. “Talvez a lição mais importante seja que devemos cuidar de nossa saúde e que a prevenção de infecções por meio de um sistema imunológico saudável é, não muito diferente das doenças crônicas e do comprometimento físico, fortemente associada a um estilo de vida saudável”, resume o treinador.

 

Outros fatores para imunidade

As grandes referências em saúde (Ministério da Saúde, Organização Mundial de Saúde, Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos – CDC, New England Journal of Medicine, Nature, The Lancet), em suas orientações para o controle do novo coronavírus, apontam que além do exercício, a imunidade depende de boa alimentação e sono de qualidade. “Mais do que nunca você deve manter uma alimentação saudável e bem colorida e verificar suas necessidades de vitaminas e minerais – D (muito ligada hoje a imunidade), C, A, zinco, entre outros”, diz a nutróloga Suzete Motta. E não esqueça de relaxar e descansar. Nós vamos passar por tudo isso – e podemos sair mais fortes!

 

Fonte: https://boaforma.abril.com.br/especiais/exercicios-e-imunidade-qual-a-relacao/ - Por Yara Achôa

O que você está buscando?