Nossa herança africana

Carlos Braz, 12 de Novembro, 2018

 

 

Nossa história africana

Por Carlos Braz

 

Dengo, farofa, moleque, neném, samba....Quer palavras mais brasileiras do que estas?

De fato, são brasileiras – mas nasceram na África. Foram trazidas da vasta região costeira central do continente, onde se encontram hoje em dia Angola e Congo. São apenas alguns exemplos entre as muitas palavras do nosso vocabulário que tem origem no tronco linguístico banto, que engloba línguas como o quimbundo, o umbundo e o quicongo. Elas substituíram vocábulos portugueses utilizados para o mesmo fim. Como a língua é algo vivo, algumas palavras mudaram um pouco, outras adquiriram significados diferentes, mas não muito distantes do original.

A linguagem é um dos aspectos mais evidentes da contribuição cultural dos africanos trazidos para o Novo Mundo. Mas nem de longe é o único. Foram diversos os aportes civilizatórios da África para o Brasil, e algumas regiões tiveram especial relevância nesse processo, como é o caso de Angola. Práticas religiosas, conhecimentos técnicos, agrícolas e de mineração, valores sociais, costumes na vida cotidiana e hábitos de alimentação fizeram parte da bagagem cultural que os escravizados trouxeram para a formação do nosso país.

Texto extraído do dossiê Angola-Brasil, publicado na Revista de História da Biblioteca Nacional, ano 4, nº 39.

O que você está buscando?