O destino (por Antônio Samarone)

Antonio Samarone, 27 de Janeiro, 2020

O manuscrito de Zeca Cego questiona o determinismo calvinista, mas desconfia do livre arbítrio: a deusa fortuna (o destino) faz o que quer e bem entende com a vida gente. Põe e tira. Torna o sofrimento uma contingência autônoma.

A felicidade é uma dádiva divina, distribuída a conta-gotas.
Essa lenda que colhemos o que plantamos e que a vida pode ser planejada é falsa. A maioria nada colhe, tendo ou não plantado.

O iluminismo prometeu e não cumpriu!

A natureza não tem compromisso com a nossa felicidade, escreveu Zeca Cego.

Não sou eu quem me navega/ Quem me navega é o mar... Paulinho da Viola.

Lembrei de Gonzaguinha:
“E a vida/ E a vida o que é?/ Diga lá, meu irmão/ Ela é a batida de um coração/ Ela é uma doce ilusão...”

Antônio Samarone.

O que você está buscando?