Um Grande Médico. (Por Antônio Samarone)

Antonio Samarone, 03 de Agosto, 2020

Leiam essa história contada por Dr, Edesio Vieira Filho, médico itabaianense, radicado em São Paulo.
Edesio, você renovou a minha esperança na humanidade.
Gente, o Brasil tem jeito!

A SAGRADA CONFIANÇA E O RETORNO A DEUS!
(Por Edésio Vieira Filho)

Ela mandou me chamar pela médica plantonista da uti. Precisava ser entubada e tinha medo e não queria.
Fomos eu e o outro colega Cirurgião Dr William Nogueira a quem ela como a todos nós, também amava.
Era mais de 22h e às 19h a tínhamos visitado na uti. Naquela hora eu a encontrei deitada de lado com as mãozinhas unidas em oração. E eu perguntei:

“Está orando Marli”?

E ela sorriu e me respondeu:
“Falando com meus mentores espirituais ( Ela era espírita e eu Cristão católico e nós dois irmãos em Cristo) e eles vão me ajudar. Ontem quase fui entubada mas melhorei.”

Naquele momento, três horas depois não havia como evitar. Aproximemo-nos e ela olhou para mim e eu lhe disse:
“Marli, precisa ser entubada”

Ela simplesmente responde:

“Está certo”

Levantou as duas mãozinhas com os polegares para cima.
O colega William brincou: “Daqui há pouco estaremos rindo com você”.

O que posso dizer?

Foram mais de duas décadas de convivo com a pessoa e auxiliar de enfermagem. E ela uma vida inteira de trabalho e luta pela vida do nosso povo.
Heroína anônima como milhares de toda categoria

Faltou alguma coisa?
NÃO

Nem assistência,nem medicação, nem amor de todos os colegas desde o diretor ao mais simples funcionário.
Ontem o diretor técnico da UTi, Dr Renato Tardelli, veio vê-la e ajudar na condição dela.
Tudo impecável , a coordenadora da Uti Dra Katia Aparecida Pessoa Conde, zelosa e competente como sempre a acompanhava e todos os colegas.

Mas...
Mas quem eu sou para ela confiar em mim, para não murmurar uma palavra sobre a necessidade de entuba-lá?

Eu expliquei que o respirador não só fornece oxigênio como trata o pulmão e é salvador e não um problema. Nada de questionar.

No entanto há o medo, há a angústia de ser sedada e não voltar.

Quantos pacientes já entubei em uti?
Centenas de centenas.
Quantos já vi morrer?
Muitos, até aprender que se possível, se houve como e sem riscos, devemos chamar a família para conversar antes, não como despedida mas como um gesto de amor que pode sim se transformar em uma despedida.
E se não for uma despedida, como na maioria não é - significa conforto dos dois lados, humanidade, amor mesmo.

Como aprendi isto que não aprendemos nas escolas?

Com as famílias, com os pacientes.
Médicos aprendem com tudo e com todos, somos eternos aprendizes e quem não o é - já morreu vivo.

Podem os “Doutores Protocolos” de hoje contestarem, criarem polêmicas? Claro! Eu diria até que os “cientistas” que não sabem o que é “ beira de leito” - sempre.

Lembro...
Há mais de 15 anos um caso em que comuniquei ao filho que eu havia entubado seu pai e ele morreu horas depois de entuba-lo me perguntou entre lágrimas:

O que disse meu pai antes?
Como ele estava?
Por que não me chamou para eu falar com ele?
Por que o senhor não me falou antes?
Por que eu não pude me despedir dele?
Por que Doutor?

Eu expliquei que não dava tempo e que era naquela hora e que foi súbito. Expliquei que ele estava cansado eu lhe falei que iria sedar e entubar e ele assentiu com a cabeça.
Pedi que ele confiasse em Deus que se entregasse a ele. E o paciente entre cansaço me disse, que pensava no filho, só isto. E sorriu e disse que acreditava e confiava em Deus. Horas depois estava morto.

É possível esperarmos?
Raramente, mas um caso que sim, um apenas, com um familiar que more perto do hospital e haja uma confiança importante no médico para que eles não se desloquem com risco e que seja possível fazer dentro de completa segurança dos dois lados eu não tenho a menor dúvida que temos que fazer.

Um paciente não é um ser isolado, e não acolhemos um paciente mas toda uma família e aprendi com meus professores desde quase 30 anos e até hoje que um paciente nosso é nosso até o óbito. É uma relação inquebrável e sagrada.
Lembro de todos eles desde a UFS, passando por Brasília e em Sp- não havia a noção de cuidados paliativos mas éramos ensinados a fazer algo igual ou maior.

E esta doença terrível? Separa as família, não tem como terem contato em vida nem em morte. Este sofrimento diário nós convivemos e tentamos minimizar com as video conferências as vezes com nossos telefones.
E o que vemos?
Lágrimas dos dois lados quando o paciente está sem entubação.
E quando entubado?Colocações de amor de esposos, irmãos, filhos, netos.
Os casos de multiplicam e dariam livros.

Este outro lado eu já estive recentemente e todas as pessoas que mais amo, e fomos acolhidos sempre. AMOR QUE NÃO SE MULTIPLICA COMO OS PÃES POR JESUS, NÃO É AMOR, É EGOÍSMO

Enquanto os políticos se debatem em acusação ou saciam sua abstinência de corrupção, enquanto o STF age como se fosse um partido político sem jamais conhecer ou procurar conhecer estas dores - tratamos nosso povo e ele sofre.
Malditos filhos do mal, pagarão caro no outro lado, e aqui encontrarão brevemente o ostracismo e o julgamento da história como todos eles.

Em Sp não houve e não há um só paciente que não foi devidamente assistido desde os grandes hospitais ao menor hospital público de periferia. Não faltou nada e não falta absolutamente nada.
Então “eles” dizem que tudo foi superdimensionado, e aonde faltou “eles” dizem que foi subdimensionado. Falam dos obitos e não falam do maior índice de cura do mundo.

A nós nunca importou a podre política e sim a luta pela vida contra a destruição da saúde pública há mais de 24 anos e até hoje. Milhares de leitos fechados ( mais de 34.000), bilhões desviados e silêncio das mídias, sindicatos, artistas, filósofos, pseudo intelectuais.

Nossa querida Marli em quase 40 anos, igual a todos nós jamais abandonamos nosso povo, jamais deixamos de fazer tudo que podemos e poderíamos independente de tudo, de condições de trabalho as vezes péssimas e salários sempre imorais. Soubemos e sabemos diferenciar tudo e principalmente o VALOR DA VIDA.

Aonde Marli se encontra eu não sei, mas próximo a Deus sei que está. Tem uma profissão mais sagrada que a nossa?
Tem alguém como um profissional de saúde que todos os dias de sua vida sai de casa para fazer o bem?

A dor da “passagem” de Marli deve lentamente ser substituída pelo amor que permeou toda sua vida e permeia todos nós.

Agora como disse São Paulo eu falo sim dela:

2 Timóteo 4

4 Eu lhe digo solenemente, na presença de Deus e de Cristo Jesus, que um dia julgará os vivos e os mortos quando vier para estabelecer seu reino: 2 pregue a palavra. Esteja preparado, quer a ocasião seja favorável, quer não. Corrija, repreenda e encoraje com paciência e bom ensino.

3 Pois virá o tempo em que as pessoas já não escutarão o ensino verdadeiro. Seguirão os próprios desejos e buscarão mestres que lhes digam apenas aquilo que agrada seus ouvidos. 4 Rejeitarão a verdade e correrão atrás de mitos.

5 Você, porém, deve manter a sobriedade em todas as situações. Não tenha medo de sofrer. Trabalhe para anunciar as boas-novas e realize todo o ministério que lhe foi confiado.

6 Quanto a mim, ( QUANTO A MARLI) minha vida ( A VIDA DELA) já foi derramada como oferta para Deus. O tempo de minha (SUA) morte se aproxima( CHEGOU). 7 Lutei (LUTOU)o bom combate, terminei(TERMINOU) a corrida e permaneci (PERMANECEU)fiel. 8 Agora o prêmio me (JA RECEBEU)espera, a coroa de justiça que o Senhor, o justo Juiz, me dará (JÁ DEU)no dia de sua volta. E o prêmio não será só para mim,(PARA ELA)mas para todos que, com grande expectativa, aguardam a sua vinda.

O que você está buscando?