MARCOS NUNES (Por Jerônimo Peixoto)

DE ESTÂNCIA PRA O MUNDO E DO MUNDO PARA DEUS

Jerônimo Nunes Peixoto, 12 de Fevereiro, 2020 - Atualizado em 12 de Fevereiro, 2020

MARCOS NUNES, DE ESTÂNCIA PARA O MUNDO E DO MUNDO PARA DEUS

 

Não o conheci de muito perto, mas tive longos contatos comerciais com ele. Era uma pessoa alegre, feliz, dando ares de quem se realizava com a quilo que sabia fazer muito bem. O seu programa semanal de sábado, ensaio geral, era um aglomerado de participação dos ouvintes, porque ele sabia se envolver com o público, com uma alegria inconfundível, solidário e extremamente comprometido com o que fazia.

No meio empresarial, tinha excelente trânsito, de forma que conhecia a todos pelo nome, estreitando os laços entre a emissora e o empresariado patrocinador. Sabia se fazer presente entre todos, sempre com um sorriso largo e com um coração acolhedor, marcado pela sinceridade e por um poder enorme de negociação.

Apesar do sucesso no ensaio geral, sabia coadjuvar os colegas, desde os neófitos aos veteranos, sem ares de quem sabia mais, mas com a postura de quem sabe fazer junto, de quem constrói, de quem edifica a vida e a profissão em grupo, em família. Era um amigo de todos, um coração generoso, marcado pelo bem e pela busca de realização profissional de todos os seus colegas. Sabia trabalhar em equipe e ajudava a todos, pois torcia pelo crescimento da emissora e do portal 93, do qual tinha grande orgulho.

Marcos Nunes nasceu na Cidade Jardim de Sergipe e há vinte anos ingressou no rádio sergipano, no qual fez um bem enorme, porque fez de seu programa uma espécie de treino para os que ingressavam no rádio sergipano para brilhar, para fazer a diferença. Dava dica, mostrava a entonação, o envolvimento com o público, o cuidado com a dicção, com o tempo de fala, conjugando voz e respiração, a fim de que a qualidade pudesse imperar e fazer os novatos ingressarem com firmeza e alegria.

De Estância para o mundo, por meio das ondas sonoras, notadamente da 93 FM, momento em que se revelou altamente gabaritado para a locução e para o entretenimento, levando esperança, alento e alegria ao público ouvinte. Do mundo, intensamente vivido por ele, tanto no que atine à profissão, à vida social, quanto aos compromissos familiares, para Deus.

Deus o acolheu e lhe deu o grande prêmio, como recompensa por tudo o que ele fez, ensinou, viveu e testemunhou. Seus familiares e amigos, seus colegas de trabalho, seus patrocinadores sentirão, na pele, a sua passagem prematura – fora do combinado – mas saberão se conduzir pelos bons exemplos por ele deixados. O rádio sergipano, as famílias, os colegas e o seu enorme público seguirão firme, na certeza de que, terminados seus dias entre nós, Marcos Nunes brilha, no Céu, onde a comunicação não é uma profissão, uma arte, uma diversão, mas comunhão divina.

Valeu, Marcos Nunes, pelo seu caráter, pela sua atuação, pela sua capacidade de se envolver com o público, com os colegas e com os familiares. Repouse em paz e leve a Deus uma prece por seu filhinho que vai nascer, já com o papai na Eternidade. Obrigado, Irmão!

O que você está buscando?