Mais de 3 mil veículos foram leiloados

Até julho, o Detran divulgou seis editais para o arremate de veículos; ano passado, foram 10.

Redação, 27 de Agosto, 2019

Em seis meses 3.042 veículos, entre carros, motos recuperáveis e sucata, foram leiloados em Sergipe. Até julho deste ano, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) divulgou seis editais para o arremate de veiculos. Em 2018, 10 editais foram lançados, com o último leilão realizado em dezembro.


O próximo leilão está marcado para os dias 12 e 13 de setembro. Pelo site da empresa responsável pelos leilões do Estado, até o momento 612 lotes estão sendo disponibilizados para o próximo arremate, onde a maior parte se trata de sucata. Segundo informações repassadas por uma atendente da Central de Leilões da empresa, quando somente empresas jurídicas do ramo de peças usadas pode arrematar sucata.


Cada lote dos 612 disponíveis contém de um a cinco veículos sendo leiloados. O site da empresa também divulga imagens e datas para visitação, que ocorrerá entre 10, 11 e 12 de setembro. Todos os veículos leiloados, são aqueles apreendidos ou retidos pelo Detran que já estão há mais de 60 dias sem a regularização da situação por parte do proprietário.


De acordo com o Detran, qualquer pessoa pode participar de leilões, desde que seja penalmente imputável, que aceite as condições e normas de cada leilão e que portem os documentos obrigatórios. Pessoas físicas devem portar RG e CPF, além de comprovante de residência e procuração para arrematar em nome de terceiros; pessoa jurídica tem que obrigatoriamente apresentar cópia autenticada do contrato social, cópia do CNPJ, comprovante de estabelecimento e procuração no caso de não ser o representante legal.


Ainda conforme o órgão, entre as vantagens de comprar carro em leilão está o baixo custo. “Devido ao bem-estar abaixo do valor de venda de mercado, o valor a ser ofertado é de iniciativa do interessado. Você é que faz seu preço para ofertar um lance a partir do mínimo, fazendo-o até um valor conveniente”, ressalta o órgão.


A Assessoria de Comunicação do Detran informa ainda que os valores arrecadados são utilizados para o pagamento de débitos como custos necessários ao ressarcimento com o procedimento licitatório, despesas com remoção e estadia, tributos vinculados ao veículo (taxa de licitação e imposto sobre a propriedade de veículos automotores), aos credores trabalhistas, tributários e titulares de crédito com garantia real, segundo a ordem de preferência estabelecida no artigo 186 da Lei nº 5.172, além de multas trânsito, multas ambientais, etc.

 

O que você está buscando?