Acusado do feminicídio que vitimou a professora em Campo do Brito morre em confronto policial

O confronto aconteceu na tarde desta sexta-feira, 30, em Itabaiana

Redação, 30 de Agosto, 2019 - Atualizado em 30 de Agosto, 2019

Jackson Douglas Passos Carvalho, acusado do feminicídio que vitimou a professora Ivania Santana Souza Oliveira, em Campo do Brito, morreu em um confronto com a Polícia Militar em Itabaiana. O confronto aconteceu na tarde desta sexta-feira, 30, nas imediações do Bairro Oviêdo Teixeira.
Jackson era o ex-namorado da vítima e foi indiciado como mandante do crime. Ivânia tinha 45 anos e foi assassinada no dia 12 de setembro de 2017 dentro do seu próprio veículo no momento em que deixava a instituição de ensino onde trabalhava. Assim com Jackson, ela era natural de Itabaiana.

 

Em 17 de abril de 2018 a Polícia Civil concluiu o inquérito. Confira:
Polícia Civil conclui inquérito sobre morte de professora em Campo do Brito
Dois homens foram presos acusados da autoria e execução do crime; um terceiro ainda é procurado

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Campo do Brito, detalhou na manhã desta terça-feira, 17, em coletiva de imprensa realizada na sede da SSP/SE, o resultado das investigações que culminaram nas prisões dos acusados da autoria do homicídio que vitimou a professora Ivania Santana Souza Oliveira, 45 anos, no dia 12 de setembro de 2017. Foram presos os homens identificados como Antonio Carlos de Jesus Costa, conhecido como "Toninho" ou "Mancha"; e Jackson Douglas Passos Carvalho.

Segundo a delegada Michele Araújo, responsável pelas investigações, a vítima já havia sofrido agressões por parte de Jackson, chegando a comunicar as ameças sofridas a uma das irmãs. "Nós iniciamos as investigações a partir de informações passadas pelos familiares da vítima. Segundo eles, a professora Ivania Santana sempre apresentava alguns hematomas, sinais de agressões físicas pelo corpo, e já havia comentado com uma das irmãs que havia sido ameaçada de morte por Jackson Douglas caso ela terminasse a relação", revelou.


Ainda segundo a delegada, Jackson, que já se encontra preso, foi o mandante do crime. Ela ressalta que a vítima "aparentava estar com medo e em virtude disso, as suspeitas contra Jackson pesavam, como também foi a suspeita inicial da própria família", apontou. De acordo com Michele, foi comprovado durante as investigações que a professora havia passado alguns dos seus bens para familiares, pois temia alguma ação por parte do acusado.

No último dia 20 de março, agentes da Polícia Civil, sob o comando da delegada Michele Araujo, cumpriram Mandado de Prisão Temporária em desfavor de Antonio Carlos, segundo envolvido no crime. "Várias pessoas foram ouvidas, fomos até o local do crime, fizemos levantamento com pessoas que estavam no local, levantamos informações com pessoas que conheciam o casal. No início das investigações, tomamos conhecimento de que Jackson estaria em um posto de combustível no município de Itabaiana conversando com alguns indivíduos, e ao lado dele se encontrava uma Moto Honda/Bross de cor preta. O veículo foi utilizado por dois indivíduos que estavam com Jackson (Antônio e um um outro foragido), que se dirigiram em direção à escola onde a professora atuava, em Campo do Brito", salientou a delegada informando que a intenção de Jackson era a de ser visto no posto para desvincular sua imagem do crime.

Com a evolução das investigações, ficou evidente a participação de Antonio Carlos, que foi indiciado como coautor do homicídio, e diante das evidências o Poder Judiciário converteu a prisão temporária em preventiva. "Um dos indivíduos que saiu pilotando a moto foi identificado como Antonio Carlos de Jesus Costa, sendo motorista do próprio Jackson. Foi comprovado que ele estava no mesmo local da professora no momento do crime". A delegada afirmou que, em depoimento, Antonio confessou que estava no município no momento do crime, entretanto, apenas foi ao local para levar um veículo a pedido de Jackson.

A delegada esclareceu ainda que durante o crime, "Toninho" dirigiu-se até o colégio, momento em que o garupa da motocicleta, terceiro envolvido no caso, chamou a professora pelo nome e efetuou os disparos, fugindo em direção ao município de Lagarto. A delegada explicou ainda que as investigações continuam a fim de identificar o paradeiro da terceira pessoa, responsável por efetuar os disparos, e que diligências estão sendo realizadas para que se prenda o último envolvido. Confira o vídeo.

Por: SSP

O que você está buscando?