Empresa sergipana democratiza os meios de pagamento entre pequenos e microempreendedores

Taxa de desemprego cresce, mas iniciativa de empresa nordestina se propõe a facilitar vendas e movimentar empreendedorismo sem burocracias em todo país.

Aparecido Santana, 09 de Otubro, 2019 - Atualizado em 09 de Otubro, 2019

O ano de 2019 vem sendo marcado pelo crescimento no mercado de microempreendedores e pequenos empreendedores. O mês de março desse ano se encerrou com impressionantes 8.154.678 cadastros de Microempreendedores individuais (MEIs), segundo dados do Portal do Empreendedor do governo federal. Esse grande crescimento foi o resultado da busca por saídas para o grande problema de desemprego no país. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem hoje no Brasil cerca de 12,6 milhões de pessoas que ainda estão buscando emprego ou tentando, de forma independente, gerar a sua própria renda.

Tela do App na Play Store

 Com o intuito de abraçar essa grande quantidade de pessoas e as possibilitar que busquem no empreendedorismo sua renda, aumentar seu leque de possibilidades e seu acesso aos meios de pagamento, a Serveloja, empresa sergipana de soluções de pagamento, desenvolveu um aplicativo de vendas que permite o cadastro de novos clientes sem que seja necessário um grande processo burocrático ou se quer uma ligação para a empresa. O foco é tornar o celular hábil a realizar transações como as maquininhas de cartão. Foi percebido um mercado que tem a necessidade desse tipo de solução e possui cada vez mais acesso a smartphones, uma vez que essas soluções são oferecidos por meio de um aplicativo que pode ser baixado sem custos em lojas online como Play Store e App Store. A empresa também dribla os preços altos de maquininhas de cartão, que se tornam desnecessárias para o processo de venda utilizando o aplicativo. Seu conceito soma a liberdade, a praticidade de vender e taxas muito competitivas com relação ao mercado. 

O aplicativo possui uma grande variedade de formas de vender, sem que seja necessário o uso de uma maquininha de cartão. As opções incluem o link de venda que pode ser enviado por qualquer rede social ou e-mail. Também é possível realizar transações entre cliente e vendedor utilizando a tecnologia QR code. 

Outra opção, e a principal dos usuários, que integra a ideia de qualquer pessoa ter a facilidade de vender no crédito em qualquer lugar é a venda digitada no aplicativo. Nela, o vendedor só precisa digitar os dados do cartão do cliente e realizar a venda ou, se preferir, usar o leitor da câmera de seu tablet ou celular para isso. Por mais benéfica e simples que seja, essa modalidade costuma nutrir desconfiança em consumidores desavisados a respeito de sua segurança, porque nela é necessário inserir todos os dados do cartão manualmente e não existe um terminal de venda (maquininha). O que eles precisam saber é que a venda digitada funciona como qualquer transação financeira comercial e, por tanto, também possui seus métodos de segurança. Normalmente, dar a opção para o cliente preencher os próprios dados em tempo real diminui as chances de erros e aumenta a confiança na realização da compra. Outra medida que também surte efeito é a explicação ao cliente de que o leitor digital não tira fotos do cartão do cliente, apenas registra os dados no momento da compra e depois os descarta, não permitindo que ninguém fique em posse daqueles dados, a não ser o possuidor do cartão.

Basicamente, para utilizar as soluções, o usuário precisa fazer o download do aplicativo da empresa, fazer o cadastro e enviar os documentos; uma equipe se encarregará de checar a validade desses documentos e em até 1 dia útil o usuário pode realizar vendas e receber em sua conta bancária de escolha ou no cartão pré-pago da empresa.

Idealizador da ideia, Luciano Maynard

“As taxas das grandes empresas no mercado de meios de pagamento não são justas, tanto quanto o preço por equipamentos utilizados para vender, as maquininhas. A ideia sempre foi garantir as chances de competitividade entre quem já tem seu pequeno negócio e os grandes empreendedores. Todos devem ter a chance de acompanhar a evolução da tecnologia e a utilizar ao seu favor. É a melhor forma de driblar a crise.” explica Luciano Maynard, sócio-diretor da Serveloja.

 Dessa forma, a empresa sergipana continua trabalhando para garantir as chances de protagonismo a pequenos comerciantes no ramo do empreendedorismo nacional. Atualmente possuem clientes em 16 estados do país, com planos de se expandir para os 27 estados até o final do primeiro semestre de 2020.

Por ascom.

O que você está buscando?