De onde vem os conflitos nos relacionamentos?

Por Douglas Nascimento

Redação, 18 de Otubro, 2019

De onde vem os conflitos nos relacionamentos?

Hoje em dia existem um conjunto de demandas emocionais que antes não eram tão marcantes, instalou-se uma ideia de que o parceiro(a) amoroso deve obedecer alguns papéis: De amigos, esposos, companheiros, amantes e as vezes até pai ou mãe. Todas essas personalidades em uma só pessoa. Isso supõe corresponder às expectativas emocionais, sexuais, sociais e até filosóficas, podendo gerar uma sobrecarga.


Os conflitos mais comuns nos relacionamentos amorosos hoje em dia podem ser diferentes dos casais de gerações passadas, como os nossos avós. As relações amorosas ganharam novas formas, com isso, surgiram novas fontes de desarmonia já que os papéis de gênero e as estruturas familiares também sofreram transformações.


Por isso, os conflitos mais comuns nos casais estão relacionados aos limites e projeções inadequadas. Já parou para pensar que podem existir barreiras “invisíveis e inconscientes” aos nossos olhos que bloqueiam a sua permanência e felicidade nos relacionamentos?

Para entendermos e buscarmos ajustes nos nossos relacionamentos o ponto de partida é analisar a qualidade da relação com os nossos pais. Tudo começa com a nossa mãe, a primeira relação.

Precisamos compreender o desejo de ser amado, acarinhado, acolhido, caso contrário, você pode acabar indo com muita “sede ao pote”, ou seja, para cima do parceiro com reivindicações que remotam da relação com nossos pais, lá na infância e que precisam ser resolvidas, acolhidas e integradas.

Quando me refiro a reivindicações infantis quero trazer a consciência de que alguns adultos não conseguiram amadurecer questões que aconteceram durante a infância. Na minha experiência de consultório, vejo muito nos relacionamentos, duas crianças feridas e carentes se relacionando, ao invés de serem dois adultos crescidos e amadurecidos em outras áreas.

Desta maneira, um espera que o outro saiba suprimir essa “fome de afeto” interna e isso geralmente sobrecarrega o outro com essas demandas e expectativas, tornando as relações difíceis. E como resolver? Cada caso é um caso e deve ser analisado individualmente. Não tem uma fórmula geral instantânea para resolver estes bloqueios, pois, cada pessoa tem um sistema familiar que carrega suas histórias, dores, energias e qualidades.

Para conseguir quebrar essas falsas crenças, bloqueios e mágoas é necessário se auto conhecer. Somente conhecendo a si próprio será possível se relacionar bem com os outros, tanto homem, como mulher. Vale ressaltar que a ajuda profissional pode facilitar todo esse processo do auto conhecimento, desbloqueios e harmonização.

O que você está buscando?