Viagem de ministros 'flamenguistas' para o Catar causa revolta entre servidores do TCU

Redação, 08 de Dezembro, 2019 - Atualizado em 08 de Dezembro, 2019


Dupla irá participar de conferência sobre combate à corrupção no mesmo período em que o Rubro-Negro disputará o Mundial de Clubes, sediado no mesmo país. Diárias custarão R$ 60 mil

A viagem de dois ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) para o Catar, neste mês, tem causado revolta entre os servidores do órgão. As informações são da Revista Veja. De acordo com a publicação, Benjamin Zymler e Augusto Sherman irão até o país asiático para participar da 8ª Conferência dos Estados Partes da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, marcada para ser realizada entre os dias 16 e 21.

No entanto, a revolta dos servidores se deu pelas coincidências que envolvem a viagem. Os magistrados são torcedores do Flamengo, e a aprovação para viagem ocorreu três dias após a equipe carioca vencer a Copa Libertadores da América e garantir vaga no Mundial de Clubes, que será disputada no Catar, no mesmo período da conferência.

A segunda questão é que, Zymler e Sherman, acompanhados de um auxiliar do TCU , decidiram antecipar a partida e postergar o retorno ao Brasil. Segundo publicado pela Veja, Sherman viaja no dia 13, mesma data do embarque do Rubro-Negro para Mundial, e só retorna dia 23 de dezembro, dois dias depois do jogo da final. Zymler sai dia 9 e volta dia 22. O Flamengo estreia no dia 17, e disputa a final ou o terceiro lugar no torneio, no dia 21.

O terceiro fator apontado pela revista é o custo da excursão dos ministros. Serão R$ 60 mil somente em diárias, bancadas com público, além dos custos com passagem e hospedagem. No evento das Nações Unidas, eles estarão a poucas horas de carro do Estádio Internacional Khalifa, onde o time carioca fará a estreia na competição.

Por: Revista Veja 

 

O que você está buscando?