Orquestra Jovem e Filarmônica Nossa Senhora da Conceição de Itabaiana são contempladas com recursos para programas culturais em 2020

Redação, 07 de Fevereiro, 2020 - Atualizado em 07 de Fevereiro, 2020

Por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet, a Energisa Sergipe está patrocinando dois importantes projetos musicais sergipanos - Orquestra Jovem de Sergipe (ORSE) e a Sociedade Filarmônica Nossa Senhora da Conceição (SFNSC) - garantiram recursos para a manutenção de seus programas culturais, em 2020. Através da música, os projetos contribuem para o desenvolvimento educacional e cultural de crianças e jovens da periferia da zona Sul de Aracaju e do município de Itabaiana, respectivamente.

Para o diretor-presidente da Energisa Sergipe, Roberto Carlos Currais, poder contribuir com projetos que atendem a mais de 800 alunos do Estado é algo transformador. “Estamos buscando democratizar e ampliar o acesso dos sergipanos à cultura por acreditarmos no poder do conhecimento. Além de beneficiar os alunos, esse apoio reflete diretamente nas famílias, que também passam a ter acesso à música no seu cotidiano, e na população sergipana de uma forma geral, que poderá contemplar os diversos concertos que serão realizados ao longo do ano”, destaca. 

Sociedade Filarmônica Nossa Senhora da Conceição (SFNSC)

Em atividade há 274 anos, a Sociedade Filarmônica Nossa Senhora da Conceição, recebe pela primeira vez o incentivo da Energisa Sergipe. Para o presidente e maestro da instituição, Valtênio Alves de Souza, o patrocínio assegura a continuidade do projeto que, atualmente, conta com 500 alunos. “Essa nossa conquista com a Energisa foi fundamental para a viabilização de todas as nossas atividades pedagógicas e para a ampliação do projeto. Afinal, os recursos possibilitaram a abertura de mais 200 vagas para novos alunos”, celebra.

A SFNSC tem construído uma vitoriosa história na criação de diversos grupos musicais, e, através do processo de musicalização, os alunos têm aulas de vários instrumentos como flauta doce, percussão, violino, violoncelo, contrabaixo, trompete, clarinete, saxofone, tuba, entre outros. Priorizando a matrícula de alunos na faixa etária de 7 a 14 anos, a Filarmônica oferece três etapas de aprendizado até chegar aos grupos com maior desenvolvimento musical da Instituição: Orquestra Sinfônica de Itabaiana e Banda Sinfônica. Atualmente, as suas instalações são: Instituto de Música M° João de Matos, sede administrativa com um cinema e o Museu da Música de Itabaiana.

Orquestra Jovem de Sergipe (OJSE)

Fundada em 2014, a Orquestra Jovem possui 160 alunos e conta com o apoio da Energisa desde o início do projeto. Em 2019, por exemplo, com os recursos disponibilizados através da distribuidora de energia, a OJSE conseguiu incluir instrumentos de sopro e abrir novas vagas. Para este ano, com a renovação da parceria, o objetivo da OJSE é aprofundar os estudos dos alunos em instrumentos de sopro e adquirir novos equipamentos.

“A Energisa é a nossa principal parceira. A única empresa que permanece investindo no projeto e, para nós, essa renovação é motivo de festejar. Isso nos dá perspectiva de longevidade e de um ano positivo e de muita solidez. A Energisa tem contribuído significativamente para a mudança de perspectiva de muitos jovens da região do 17 de Março e Santa Maria. Este ano, iremos dar sequência aos investimentos, buscando levar a orquestra a tornar-se, muito em breve, uma Orquestra Sinfônica Jovem”, ressalta o coordenador-geral da Orquestra, Eder Getirana.

O projeto da OJSE oferece aulas de canto coral, violino, violoncelo, viola, contrabaixo, percussão, flautas e teoria musical, com aulas individuais e em grupo, de segunda a sábado, em três núcleos diferentes: Centro de Referência de Assistência Social (Cras), no Espaço Cuidar e no Instituto Rahamim, todos localizados no bairro Santa Maria. Além de proporcionar formação em música clássica, o projeto conta também com um Programa Extracurricular de Incentivo à leitura e empréstimo de livros.

Os dois projetos musicais têm o desempenho escolar dos alunos como um critério decisivo para continuar participando. A Orquestra Jovem avalia o boletim dos integrantes e o maestro Valtênio explica que a instituição possui um contato direto entre os monitores e os pais dos alunos. “Realizamos reuniões e pedimos a contribuição deles nesse processo de acompanhamento escolar. O fato é que percebemos o quanto a atividade musical melhora o rendimento deles por impulsionar o raciocínio lógico”, assegura o maestro.

O que você está buscando?