Conar abre representação ética contra Gusttavo Lima por live com bebidas alcoólicas e cantor responde, confira

Redação, 16 de Abril, 2020

Entre uma música e outra, Gusttavo Lima tomou todas durante a live "Buteco em casa" e exibiu a cerveja patrocinadora do evento. Por isso, o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) abriu uma representação ética contra ações publicitárias de responsabilidade da Ambev (cervejaria patrocinadora) e do cantor.

"A representação foi aberta a partir de denúncias recebidas de dezenas de consumidores, que consideraram que as ações publicitárias carecem de cuidados recomendados pelo Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária para a publicidade de bebidas alcoólicas. A denúncia cita a falta de mecanismo de restrição de acesso ao conteúdo das lives a menores de idade e a repetida apresentação de ingestão de cerveja, em potencial estímulo ao consumo irresponsável do produto", diz a nota.

 O investimento dos cantores em lives, repleta de patrocínios, é um reflexo do momento em que a sociedade vive, como forma de prevenção contra o coronavírus. O Conar destaca os formatos inovadores de se fazer propaganda, mas considera que "ela deve ser conciliada com os princípios fundamentais da comunicação comercial do segmento, com a divulgação responsável de bebidas alcoólicas e sem fragilizar os cuidado para que não seja difundida ao crianças e adolescentes".

Não há uma data para julgamento. "Ambev e Gusttavo Lima têm prazo regimental para enviar, se assim o desejarem, defesa ao Conselho de Ética ou adaptarem de imediato o conteúdo publicitário das lives às regras éticas". Procurada, a Ambev reconheceu que em algumas lives as recomendações não foram seguidas, mas está reforçando todas as normas com os artistas patrocinados.

"Nesse momento de quarentena, sabemos que as lives de cantores e artistas assumiram um papel relevante e inovador para manter as pessoas dentro de casa e levar um pouco de entretenimento. Para promover a iniciativa, patrocinamos alguns desses eventos, sempre com o cuidado de assegurar as medidas de higiene e distanciamento social e com a devida orientação prévia aos artistas sobre as regras do CONAR de publicidade de bebidas. Além disso, enviamos um guia reforçando as regras do Conar e treinamos as pessoas envolvidas. Sabemos que em algumas lives, de forma totalmente espontânea, algumas orientações não foram seguidas. Estamos reforçando as regras dado esse novo contexto de entretenimento virtual e estamos mais do que nunca comprometidos com o consumo responsável de nossos produtos. Vale lembrar que a live é de propriedade do artista, muitas vezes realizada em sua casa, o que representa um desafio"

Pelo Twitter, Gusttavo Lima não falou abertamente sobre o assunto, mas preferiu dizer que existem pessoas que preferem criticar, em vez de observarem o que ele, e outros colegas, têm arrecadado para boas ações.

"Os artistas estão procurando uma forma de interagir com os fãs e com o público em quarentena por meio das lives. Estamos prestando um grande serviço social por meio dessas lives. Além de shows ao vivo, estamos arrecadando e fazendo doações para entidades e pessoas carentes que neste momento passam por extrema necessidade. Estamos dividindo as nossas intimidades, mostrando ao público como é nossa vida fora dos palcos, compartilhando momentos únicos! Àqueles que só criticam e não ajudam em NADA, vai um conselho: não precisam ajudar, mas não atrapalhem quem está procurando ajudar nossos irmãos necessitado", escreveu o cantor.

 

A reportagem questionou a assessoria de imprensa de Gusttavo Lima se o cantor irá acatar as recomendações do Conar e fazer algumas alterações na live disponível, como colocar aviso de que há conteúdos para maiores de 18 anos, ou se as partes que não seguem as normas de propaganda seriam editadas. A resposta veio em nota:

"Sobre a veiculação de que o cantor Gusttavo Lima está sendo processado pelo Conar, a assessoria informa que o departamento jurídico já está acompanhando o caso, tratando-se, portanto, de uma citação de processo administrativo (representação ética – confidencial) em trâmite perante Conar e não se trata de processo judicial. A citação é para prestar esclarecimentos sobre as lives realizadas pelo artista. Sendo assim, os esclarecimentos necessários serão prestados conforme determinado na referida citação. Em razão da confidencialidade, citada na intimação do Conar, o escritório Balada eventos não comentará o caso e manifestará perante o órgão no prazo legal".

Por extra.globo

O que você está buscando?