150 agentes de Saúde e de combate às endemias concluem capacitação em Nossa Senhora do Socorro

Sergipe
Compartilhe

Curso é resultado de acordo judicial entre o MPT-SE e a Funesa, em parceria com a UFS

Foram 45 dias de aprendizado, orientações e prática. Em maio, 150 agentes de Saúde e de combate às endemias começaram o curso de capacitação em Saúde no Trabalho, em Nossa Senhora do Socorro. Na última quinta-feira (27), um encontro marcou o encerramento do curso, no auditório do Centro de Excelência Profissionalizante Professora Neuzice Barreto.

As equipes de Saúde, representantes do CEREST Estadual e do município de Nossa Senhora do Socorro, além de representantes da Fundação Estadual de Saúde (Funesa) e do Ministério Público do Trabalho em Sergipe (MPT-SE) participaram da cerimônia de encerramento. O procurador do Trabalho Adroaldo Bispo destacou a grande adesão dos agentes e explicou que esta foi uma iniciativa discutida desde 2009, a partir de estudos sobre os casos de trabalho análogo ao de escravo, as atividades laborais relacionadas e uma pesquisa de campo, onde a população apontou o trabalho dos agentes de Saúde como um serviço público presente e eficaz. “Tenho certeza de que o curso permitiu que eles passassem a perceber os agentes de risco nas atividades desenvolvidas junto às comunidades. São profissionais que se expõem a diversos riscos biológicos, físicos, químicos e até políticos. O objetivo é que, além de identificar os riscos, eles possam compreender que o trabalho também pode ser um fator de adoecimento e, dessa forma, atuem na prevenção”, explicou o procurador.   

Em 2014, através de uma parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), a ideia de capacitar esses profissionais ganhou corpo, com a elaboração de um projeto pedagógico. “A partir da experiência com alunos que fazem estágio, pensamos em algo relacionado ao agente de saúde, para que ele pudesse, efetivamente, conhecer as dificuldades do trabalhador e identificar, nos diversos campos, o que está acontecendo, para obter um diagnóstico, um olhar mais atento em relação aos ambientes de trabalho”, comentou a professora do Departamento de Fonoaudiologia da UFS, Tereza Raquel de Sena.

Em um acordo judicial firmado entre o MPT-SE e a Funesa, as capacitações começaram em 2023. De lá para cá, mais de 400 agentes dos municípios de Lagarto, Canindé de São Francisco, Poço Redondo, Carmópolis, Maruim, Capela e General Maynard participaram do curso. Agora, Nossa Senhora do Socorro também integra essa lista. “Agradecemos ao MPT-SE a confiança depositada na Funesa para a realização desse curso. As capacitações promovem o enriquecimento profissional e, quando visitamos os municípios, recebemos o agradecimento dos agentes”, destacou a diretora da Funesa, Carla Fontes.

Maria Gildete dos Santos é um exemplo disso. Agente de Saúde há 25 anos, ela diz que o curso proporcionou um novo olhar para a atividade que conhece tão bem. “Mudou na minha forma de avaliar as estatísticas e o desenvolvimento do meu trabalho. Eram coisas que estavam adormecidas. Agora, já no final, apresentei um trabalho de inspeção muito importante e já percebi diferença em nossos atendimentos”, comentou.

A expectativa é ampliar a capacitação e, nos próximos meses, proporcionar o curso a agentes de outros municípios sergipanos. 


Compartilhe