Há 100 anos nascia Josias Costa

Jose Costa, 09 de Junho, 2021 - Atualizado em 09 de Junho, 2021

    

Hoje, 09 de junho de 2021, se meu pai, Josias Costa, estivesse vivo, estaria completando 100 anos de vida. Josias Costa, filho de Maria Zulmira e João Costa, nasceu e morou na Rua General José Calazans, ao lado do Grupo Escolar Guilhermino Bezerra, em Itabaiana, sendo o mais novo entre 7 irmãos: Lilia, Rosa, Zezé, Costinha, Olegária e Maria das Graças (tia Moça).

 

     Quando criança, vendia pelas ruas doces feitos por sua mãe. Na adolescência, aprendeu a profissão de pintor de casa, tornando-se, na época, um dos melhores, se não o melhor de Itabaiana. Além de pintar casas residenciais, pintou também o Colégio Dom Bosco e o Cine Santo Antônio por diversas vezes.

 

     Aos Domingos, ia à Igreja de Santo Antônio para assistir à missa e foi numa dessas que conheceu Maria da Graça Santiago.  Namorou, noivou e casou em 20 de julho de 1956, aos 35 anos, na Paróquia Santo Antônio e Almas de Itabaiana.

 

     O casal foi morar na Rua 7 de Setembro onde teve seu primeiro filho, José Antônio Costa que morreu prematuramente. Posteriormente, Josias Costa comprou uma casa na Praça João Pessoa onde nasceram os outros 6 filhos: Antônio Costa, Maria Aparecida Costa, José Costa, Maria Bernadete Costa, Maria de Lourdes Costa e Maria Luzia Costa que morreu com menos de 1 ano de vida.

 

     No início da profissão de pintor, pela carência de materiais para pintura na nossa cidade, pai viajava a Aracaju para comprá-los e preparava as tintas em casa. Naquele momento, teve a ideia de comprar grandes quantidades e vender na garagem no fundo da casa que ficava a Rua 7 de setembro. Também passou a vender cal, tabatinga, roxo terra e as brochas que fazia com as palhas de milho seco, tornando-se um comerciante. Enquanto ele trabalhava como pintor, mãe vendia as tintas.

 

     Pai era um empreendedor. Na década de 60, a falta de água em Itabaiana era enorme, por isso ele fez uma carroça de mão e em latas de zinco, antes de ir trabalhar, nós carregávamos água do chafariz, que ficava na Praça João Pessoa, quase em frente a nossa casa, e também comprava água de Teixeirinha que trazia no burro. Ele, não contente com a situação, construiu uma cisterna de 20 palmos de altura por 3 metros de largura em nossa casa para armazenar água da chuva, sendo coletada por meio das bicas de zinco.

 

     Em meados da década de 60, ele teve a ideia de construir um conjunto de 10 barcas para as festas de Natal. Ele fez diversas viagens a Aracaju para a compra das ferragens e contratou o Senhor Agenor, que tinha uma oficina vizinha à Indústria Nova Aurora, na Avenida Engenheiro Carlos Reis. Aos poucos, as barcas foram construídas até que em 1968, elas ficaram prontas. Pai pediu autorização à Prefeitura e armou as barcas em frente à oficina para ter a certeza de que estavam prontas para serem armadas na festa de Natal daquele ano, na Praça João Pessoa, aproximadamente em frente à casa do Prefeito Vicente Machado. Em 1969, armou as barcas próximas ao chafariz da Praça, e a partir de 1970, na Praça Etelvino Mendonça, onde ainda hoje acontecem as festas de Natal. Ele pintou as barcas das cores do Itabaiana: azul, branco e vermelho, para que as pessoas soubessem que eram de Itabaiana, pois pai armava as barcas em outros municípios após as festas de nossa cidade, a exemplo de Candeias, povoado de Moita Bonita e na sede, Ribeirópolis, Feira Nova, Macambira.  Ele fez algumas mudanças nas barcas em relação às já existentes, como: extremidades mais arredondadas para evitar acidentes, freio manual, bancos acolchoados, orifícios no piso para facilitar a limpeza com água e colocou barras de ferro cruzando as bases para reforçar a segurança. Com o dinheiro extra que pai arrecadava com as festas de Natal, ele fazia uma poupança, emprestando para alguns empresários de Itabaiana. No início de 1972, já doente, ele resolveu vender as barcas a Zeca Bagaço contra a vontade de mãe que queria continuar com a atividade, já que nas últimas festas foi ela quem ficou à frente dos negócios da família.

 

     Em 22 de Outubro de 1972, após quatro internações no Hospital Santa Isabel em Aracaju, ele morreu de pancreatite aguda e nos deixou para morar com Deus na eternidade. Em decorrência da morte dele, mãe parou de negociar com as tintas, mas continuou seu trabalho de costureira e com a pensão deixada por ele, criou e educou os 5 filhos.

 

     Apesar de pai ter morrido cedo, com apenas 51 anos e eu na época tinha 11 anos, tenho boas recordações com ele: pai era muito trabalhador, mas quando chegava os Domingos, a sua atividade de lazer era jogar sinuca no bar de Dedé de Casimira, na esquina da Praça João Pessoa com a Travessa Arthur Góis, e quando dava meio dia, mãe me mandava chamá-lo para almoçar. Se ele estivesse ganhando, mandava eu sentar e esperar, mas se estivesse perdendo, mandava eu ir embora. Também aos Domingos, ele levava eu e meu irmão Tonho à casa do seu amigo Santinho Moura e enquanto eles ficavam proseando durante à tarde, nós íamos assistir ao jogo do Itabaiana no Estádio Etelvino Mendonça, atualmente, o Ginásio Poliesportivo Chico do Cantagalo, que ficava a uns 50 metros da casa. Às vezes, no Sábado à noite, ele me levava à missa e ao sair passava na casa do amigo e líder político Chico de Miguel para prosear. Quando pai ia comprar as ferragens para a construção das barcas, tintas ou artigos de costura para minha mãe, já que ela era costureira, as vezes ele me levava para Aracaju na marinete da Bomfim, e como saíamos muito cedo, íamos ao Café Aragipe no centro da capital para tomar o café com pão e manteiga ou com queijo. Também recordo que nós estudávamos pela manhã e à tarde ajudava nosso pai no trabalho, lixando parede e pintando o rodapé, mas quando terminávamos as tarefas, ele permitia que nós fôssemos assisti ao treino do Itabaiana. Antes de sair para trabalhar, pai levava os filhos para tomar sol na Praça e assim que chegava em casa ele dava a cada um, uma colher de Emulsão Scott com gosto de peixe, que era para nos proteger de gripes e resfriados, e para não sentirmos o sabor, mandava-nos tapar o nariz. Meu pai não era fumante, mas gostava de brincar com os familiares, fumando um charuto e soltando a fumaça em nós. Quando pai chegava para o almoço, uma das primeiras coisas que ele fazia era ligar o seu rádio Philips para assistir ao Informativo Cinzano de Silva Lima, pois gostava de ficar informado sobre as notícias do dia a dia. Em 1972, uma música da cantora Diana fazia muito sucesso, “Ainda queima a esperança”, e sempre que a escuto, lembro-me de pai, saudades eternas.

 

     Josias Costa, sempre foi um homem de família, um pai presente, trabalhador, um exemplo de cidadão. Acredito que se ele não tivesse morrido tão cedo, talvez eu e meus irmãos tivéssemos seguido seu caminho de pintor, comerciante ou empresário itabaianense.

 

     Pai, com orgulho e admiração, faço essa singela homenagem contando um pouco de sua vida.

 

Professor José Costa

O que você está buscando?