O QUE PROCURAMOS NAS ACADEMIAS DE GINÁSTICA

Carlos Eloy, 31 de Julho, 2018 - Atualizado em 01 de Agosto, 2018

O QUE PROCURAMOS NAS ACADEMIAS DE GINÁSTICA?

 

Estudos mostram que 70% dos frequentadores de academias de ginástica apontam à estética como principal justificativa para a prática de exercícios físicos. Isto nos faz acreditar que um elevado número de pessoas pelo Brasil e pelo mundo afora pratica exercício físico em busca de um corpo belo, ou seja, um corpo adequado ao padrão de beleza corporal vigente.

Presenciamos diariamente no contexto das sociedades ocidentais a obsessiva importância dada ao corpo dentro dos padrões de beleza disseminados pela mídia, o que propicia uma corrida crescente ao consumo de novidades estéticas.

Analisar o corpo elaborando uma crítica aos modos como ele vem sendo concebido e tratado tornou-se tarefa de diversas especialidades disciplinares, tais como a psiquiatria, a psicologia, a pedagogia, a educação física, entre outras.As redes sociais, a televisão, o cinema, a publicidade, a moda, os esportes colocam a aparência corporal como núcleo fundamental para o sucesso, para a prosperidade e felicidade humana.

Nesse sentido, o culto ao corpo vem ganhando espaços cada vez mais significativos nos meios de comunicação e na sociedade em geral. O assunto é pauta constante na internet, nos jornais, revistas e anúncios publicitários. Além disso, ocorre um grande crescimento de áreas profissionais ligadas à estética corporal, que abrange desde cursos técnicos, ensino superior e especializações.

Nutricionistas, esteticistas, personaltrainers, dermatologistas, cirurgiões plásticos, massagistas, personalstylist, terapeutas corporais, entre outros formam um rol de especialistas em rejuvenescimento e em embelezamento.

De acordo com os dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a cada ano, cerca de 500 mil pessoas se submetem a cirurgias plásticas no Brasil. O país fica atrás apenas dos EUA, líder em número de cirurgias estéticas. E, o mais preocupante é que o número de cirurgias plásticas em adolescentes entre 14 e 18 anos, mais do que dobrou em quatro anos, 141% a mais, segundo dados da SBPC. Ou seja, estamos falando de uma parcela da sociedade que ainda está em evolução física e psicológica, e que sobretudo é mais vulnerável e suscetível à influência do mercado.

A obsessão com a magreza, com o controle do peso, a adoção às tendências da moda, os exercícios físicos, os alimentos diet e light, o consumo de hormônios, de anabolizantes vem sendo presença constante na vida dos brasileiros.

A busca pelo corpo “perfeito”, ou seja, o corpo dentro dos padrões ditados pela moda, tem sido cada vez mais intensa e causadora de diversos efeitos maléficos à saúde. O número de pessoas doentes, sofrendo com transtornos depressivos, ansiedade, angústia, frustração e também com distúrbios alimentares, tais como a bulimia, a anorexia vem aumentando consideravelmente em virtude de uma não aceitação do próprio corpo.

As pessoas não conseguem mais se perceber, não enxergam seu próprio corpo, não entendem que ele possui especificidades, que ele não é igual ao corpo de ninguém, e que por isso precisa de tratamentos, exercícios e orientações diferenciadas e não de receitas de bolo ditadas pela mídia que tem a finalidade maior de vender seus produtos.

A saúde e o bem-estar devem ser os principais motivos para que você se exercite. Não deixe que a moda dite como seu corpo deve ser. Seu corpo é seu, de mais ninguém, não deixe virar mercadoria.

Procure manter um relacionamento saudável com seu corpo, respeite sua individualidade biológica, esteja acompanhado de bons profissionais e, independente dos padrões de beleza, se aceite e se ame acima de tudo.

O que você está buscando?