O Desastre Gerencial da Pandemia, em Sergipe. (por Antonio Samarone)

Antonio Samarone, 26 de Junho, 2020

Sergipe chegou a 21 mil casos notificados (menos de 10% da realidade, segundo o IBGE) e 554 óbitos (também sub notificados, segundo o registro civil).

30 óbitos só nas últimas 24 horas.

O boletim epidemiológico de ontem, dia 25/06, apresentou informações inconsistentes. Oficialmente, o SUS possui 166 leitos de UTI disponíveis para a covid, e 114 estavam ocupados e 52 vazios, com uma taxa de ocupação de 68,7%.

O mesmo boletim informou que dos óbitos nas últimas 24 horas, 7 ocorreram em enfermarias do SUS. O que houve, se existiam leitos de UTI desocupados, por que essas pessoas que faleceram não tiveram acesso?

Duas possibilidades: ou esses leitos de UTI não existem, estão só no papel, ou, existem leitos ociosos e os pacientes não foram transferidos por incompetência gerencial.

Essas mortes nas enfermaria do SUS em Sergipe, não são eventuais, tem sido uma regra. Somente nos últimos oito dias (entre 17 e 24/06), 28 pessoas morreram de covid nas enfermarias do SUS, sem acesso as UTI. Um colapso ocultado na maquiagem dos dados.

Quem vai apurar?

Na rede privada existem 99 leitos de UTI em Sergipe e, ontem (25/06), 114 estavam ocupados, ou seja, uma taxa de ocupação de 114%. Tem mais doentes do que leitos disponíveis. Mas ninguém morreu, ontem (25/06), nas enfermarias privadas. O colapso da rede privada está informado. A sociedade tem conhecimento.

Nos últimos oito dias (entre 17 e 24/06), morreram 11 pessoas nas enfermarias privadas. Não sei se pessoas cujo planos de saúde não cobriam UTI, se não tiveram dinheiro para a caução, ou falta de vagas mesmo.

Os 15% que possuem planos de saúde em Sergipe, ou que podem pagar seis mil reais de diária num hospital privado, fique em casa, pois mesmo assim, não existem vagas nas UTI.

Em Sergipe, a Peste está correndo solta. O Poder Público é parte do problema, atrapalha mais do que ajuda, erra mais do que acerta. Não se enfrenta uma Pandemia só com decretos e propaganda!

A morte por covid em enfermarias, salvo em circunstancias especiais, é uma forma mascarada de colapso. Os responsáveis por essa indignidade precisam ser punidos e, providencias tomadas, para que esse absurdo não continue acontecendo.

De quem é a competência para fiscalizar?

Pessoas morrendo nas enfermarias do SUS, por falta acesso a leitos de UTI, também atesta a estupidez de ter se torrado uma fortuna na construção de um “hospital” da campanha, com 152 leitos, e nenhum leito de UTI.

O tal “hospital” de campanha meia boca, feito de improviso, sem planejamento, sem organização dos recursos humanos, sem licitação, sem isso e sem aquilo, é só uma carcaça de plástico numa avenida movimentada.

Foi dinheiro jogado fora? Ainda é cedo...

Esse “hospital’ de campanha pode virar a assombração de muita gente!

Antonio Samarone. (médico sanitarista)

O que você está buscando?