Um isolamento social sem fim. (por Antonio Samarone)

Antonio Samarone, 05 de Julho, 2020

“As Pestes minam permanente, sorrateira e progressivamente a coletividade, corrompem o sangue e o caráter, abatem o organismo e obliteram a inteligência e a consciência.” Belisário Penna – 1918.

Fugi em 17 de março. Estou me escondendo de um vírus. Sou um foragido da morte. O medo atávico dos horrores das Pestes, me empurrou para o confinamento voluntário.

A prevenção da covid-19 deve ser feita pelo distanciamento físico, evitando-se aglomerações. Decretaram o isolamento social, que são coisas distintas, e aceitamos. As autoridades assumiram o arbítrio.

A vida cotidiana passou a ser regrada pelo poder político!

A rotina, o medo e o isolamento social naturalizaram a virtualidade da vida. Perdi a noção histórica do tempo, que está andando muito rápido. A tábua de vida do IBGE me informou que terei mais 18 anos de vida. Tecnicamente, é a expectativa de vida aos 65 anos.

A certeza da finitude está datada, 18 anos.

O que fazer com 18 anos?

Cometemos um erro, por falta de experiencia. Delegamos poderes absolutos as autoridades, para conduzirem a travessia na Peste. Isso não podia dar certo, como não deu.

Renunciamos à liberdade, e ela começa a fazer falta.

O isolamento social começou a mostrar as suas mazelas, e não sabemos como superá-las.

O confinamento teve um ponto positivo: senti pela primeira vez o vazio dos livros. Por que eu comprei tantos livros inúteis, sem novidades, repetitivos? Por puro exibicionismo consumista.

Ressalvando-se uma meia dúzia de clássicos, que concentram a nata do espírito humano, o resto é lixo.

O livro é um caminho fácil para a imortalidade, mesmos relativa, por poucos tempo. Evitando-se que o esquecimento anteceda ao luto. Nem para isso servem.

O que sobrou da biblioteca da Alexandria? Talvez mereça ser reeditado.

Para quem só conta com 18 anos (e olhe lá), é tempo de relê os mesmos livros. Nada de novo!

A medicina já disse tudo o que pensava sobre a prevenção das doenças, no poema: “REGIME SANITATIS SALERNITANUM”, da escola de medicina de Salerno (século IX, d.C.).

Em tempos de cólera, além do distanciamento físico.

“Se quereis conservar-vos incólume e sadio,
evitai os cuidados ansiosos, guardai-vos da ira.
Poupai o vinho, sede parco na ceia; não julgueis inútil
o levantar-vos após a refeição e fugi da sesta ao meio dia.
Reter as urinas ou a defecação seja-vos interdito.
Guardando estes conselhos, longo tempo hei de viver.
Caso vos faltem médicos, três coisas suprirão suas vezes:
hilaridade, repouso e dieta moderada.”

Antonio Samarone (médico sanitarista).

O que você está buscando?