A Primeira Vacinação em Massa, em Sergipe. (por Antonio Samarone)

Antonio Samarone, 03 de Janeiro, 2021

Há poucos dias, postei um relato, “A Vacina contra a Paralisia”, contando a luta de minha mãe para me vacinar contra a Paralisia Infantil. A minha frágil memória acreditava ter sido no final de 1961.

O competente historiador José de Almeida Bispo me alertou: a campanha foi em 1962, e anexou documentos. Os historiadores são zelosos com as datas. Eles estão certo.

Resolvi fuçar os arquivos e acrescer dados a essa primeira Campanha de Vacinação, em Sergipe. Aguardo as reservas dos historiadores e demais interessados.

Diante de um surto de paralisia infantil no Estado, no final de Março de 1962, compareceu ao Estado de Sergipe, o Dr. Getúlio Moura Lima, Diretor do Departamento Nacional da Criança, ligado ao Ministério da Saúde, visando fornecer as condições para que o Estado realizasse sua primeira campanha de massa, para vacinação contra a paralisia infantil.

Em abril de 1962, foi organizada uma comissão, formada pelas autoridades sanitárias do Estado, para iniciar uma ampla campanha de combate à paralisia infantil.

A Comissão Organizadora foi composta pelos Secretário da Educação e Saúde, Dr. Antonio Garcia; Delegado do Departamento Nacional da Criança, Dr. João Cardoso; Diretor do Departamento de Saúde Pública, Dr. Juliano Simões; representante da Saúde do Município de Aracaju, Dr. Adel Nunes; da LBA, Dr. Sílvio Santana; do DNERU, Alexandre Menezes, do Parreiras Horta, Teotonilo Mesquita e do Dr. João Batista, do Serviço Cooperativo do Estado (SESP).

A previsão era a de aplicar-se 25 mil doses da vacina Sabin, num período de seis dias. As vacinas foram fornecidas pelo Ministério da Saúde.

Foi criada uma Comissão de Mobilização, formada pelos médicos Paulo Carvalho, José Machado de Souza, Gileno Lima, Walter Cardoso e dois acadêmicos de medicina (quem?).

Ficou definido que entre os dias 24 a 29 de abril de 1962, todas a crianças de Sergipe entre quatro e seis anos de idade, deveriam ser vacinadas em Aracaju. Houve uma grande mobilização em todo o Estado.

A campanha foi coordenada pelo Dr. João Cardoso.

Os locais de vacinação foram descentralizados pelas unidades de Saúde existentes em Aracaju naquele momento.

Foram escolhidos 22 locais: Postos de Saúde do Palácio Serygi, Dona Jove (B. Industrial), Dona Sinhazinha (B. Grageru), Carlos Menezes (B. Santo Antonio), Antonio Alves (Atalaia), LBA, Centro Professor Martagão Gesteira (Hospital de Cirurgia), Posto Médico do Mosqueiro.

Os demais locais de vacinação foram instalados em Escolas e outros prédios públicos.

Exatamente na data prevista, 24 de abril, as 07 horas da manhã, o Governador Luiz Garcia abriu a campanha, colocando as gotinhas na boca da primeira criança.

No primeiro dia foram imanizadas mais de oito mil crianças. Somente de Itabaiana, o Prefeito Euclides Paes Mendonça trouxe mais de mil crianças, em 40 veículos. Eu estava nessa caravana, como já contei.

No final, faltaram vacinas.

Das 30 mil doses enviadas pelo Ministério, até penúltimo dia, já tinham sido aplicadas 29.854 doses. Na sexta-feira, dia 29 de abril, dois ônibus com crianças de Campo do Brito e Itabaiana voltaram sem ter conseguido vacinar as crianças.

A vacina acabou!

Antonio Samarone (médico sanitarista)

O que você está buscando?