Na Bacia das Almas. (por Antonio Samarone)

Antonio Samarone, 14 de Janeiro, 2022

Ezequiel Carvalho, natural da Sambaíba, 57 anos, viveu até hoje de uma bodega de esquina, na Rua Nova, próximo à feira. A bodega quebrou! Montaram um mercadinho na vizinhança.

Bateu o desespero!

Ezequiel começou a passar necessidades. Trabalhar para os outros, nessa idade, não arruma serviço. Nunca pagou o Instituto, ou seja, nenhuma esperança de aposentadoria. Entrar no bolsa família ou pedir esmola?

Ezequiel sempre foi um herege, nunca se aproximou das coisas do espírito. Mas, começou a pensar besteira: “quem sabe, oferecer a minha alma ao diabo. Não deve valer muito, mas qualquer coisa serve.”

Consultou Dona Mariana, a esposa, sobre a ideia. Ela deu uma bronca: “você não dizia que o Satanás não existe.” “Pois é! Eu estava enganado.” O Satanás vive rondando pela Terra, andando a esmo. (jó, I, 6-7)

“Soube que ele atentou até Jesus Cristo, oferecendo-lhe vantagens materiais.”

Não custa tentar, se convenceu Ezequiel. O diabo é o Satanás atender o telefone. Depois de muita insistência, o Satanás atendeu.

Ezequiel não perdeu tempo:

“Mestre Satanás, estou vendendo a minha alma, dou por qualquer preço.” O Satanás deu uma risada, e respondeu de forma ríspida: “para que diabos eu quero a sua alma. O inferno está lotado. A fila de almas sebosas está dobrando o quarteirão.”

Outra coisa, disse o Satanás: “com essa história do neoliberalismo, nós privatizamos esse Departamento. Vendemos o setor de compras de almas a uns pastores da teologia da prosperidade. A coisa deu certo. Eles compram as almas e pagam aí mesmo.”

O Satanás continuou com a sua eloquência:

“A gente já recebe os magotes de almas cevadas, tudo de graça. Estamos construindo novas alas, aqui no inferno. O Papa acabou com o Limbo, a demanda aumentou.”

“Aqui no inferno as coisas eram muito burocratizadas. As pessoas cobravam muito caro pela alma, muito acima do que valia. Existia até um sindicato das almas. Faziam greves, passeatas, era um inferno. Imagine, queriam boa vida. Agora, com a terceirização, as coisas andam bem”

Ezequiel insistiu, “Mestre Satanás, eu vendo por qualquer preço, estou precisando muito”. Mesmo assim, Satanás enjeitou: “Procure esses pastores da teologia da prosperidade, eles compram.”

Ezequiel é orgulhoso, “prefiro morrer de fome!”. O Satanás deu outra dica; procure Belzebu ou Lúcifer, talvez eles precisem.

Ezequiel Carvalho perdeu as esperanças! Entrou na bacia das almas.

Ezequiel chegou a extremos: “se existir uma nova chance, uma reencarnação, eu quero vir como “Pets”. Renuncio à condição humana.”

Quem quiser ajudá-lo, ele aceita até cestas básicas. Para facilitar, Ezequiel colocou o número do PIX nas redes sociais. Qualquer coisa serve.

Antonio Samarone (médico sanitarista)

O que você está buscando?