Governo do Estado inicia programa de melhoramento genético de caprinos e ovinos

A meta é inseminar e obter 300 prenhezes por ano, durante quatro anos

Os pequenos produtores de ovinos e caprinos que estejam em plena atividade pecuária e residam no mesmo município da propriedade já podem contar com o Programa Mais Genética no Sertão. O programa, lançado pelo Governo do Estado nesta sexta-feira, 5, no município de Porto da Folha, no alto sertão sergipano, tem como meta inseminar e obter 300 prenhezes por ano, durante quatro anos.

A ação é realizado por meio de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) e a Confederação Nacional de Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais (Conafer) e visa facilitar a chegadas da biotecnologia reprodutiva para melhoramento do rebanho de caprinos e ovinos, por meio da Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF).

De acordo com o secretário de Estado da Agricultura, Zeca Ramos da Silva, esse programa em parceria com a Conafer é considerado a maior iniciativa gratuita de melhoramento genético do Brasil. “Nos últimos anos, temos alcançado um resultado muito bom na melhoria genética do rebanho bovino de corte e leite. Agora, ampliamos essa possibilidade para os criadores de ovinos e caprinos que vão melhorar a qualidade do rebanho e alcançar melhoria econômica familiar”, pontua o secretário.

A Emdagro, empresa de assistência técnica executora do programa, estima que existe em Sergipe um rebanho de 56 mil caprinos e 493 mil ovinos concentrados no semiárido sergipano. O presidente da empresa, Gilson dos Anjos, destaca que o programa vai ampliar o rebanho desses animais. “Nossa expectativa é ampliar em quantidade e qualidade, como vem acontecendo com os bovinos. A técnica de inseminação IATF é levada por nossa equipe técnica do governo estadual gratuitamente”, ratifica o presidente.

O criador de caprinos do povoado Junco, município de Porto da Folha, José Paulo Vasconcelos do Santos, conhecido como Paulo Capela, é um dos beneficiados pelo programa de inseminação. Paulo conta que trabalha com criação de caprinos há muitos anos, tem quarenta animais e trabalha com a venda de leite e queijo de cabra, mas nunca utilizou a inseminação artificial para reprodução dos animais. “Vamos começar agora com esse programa do governo que para a gente é fundamental. Vamos melhorar o rebanho que vem de uma genética boa e aumentar na produção de leite”, disse.

Outro criador bastante otimista é José ìtalo Cassiano, da propriedade Chaparral. Ele tem 16 animais adultos e 13 cabritos, e também trabalha na produção de leite de caprinos. “Minha esperança é de melhoramento, crescimento da produção com a qualidade e muito mais”, apontou.

Como participar

Para se cadastrar no Mais Genética no Sertão, os produtores devem procurar o escritório da Emdagro de sua região e atender alguns requisitos na propriedade. De acordo com a coordenadora de pecuária da Emdagro, Izildinha Dantas, os requisitos mínimos são a estrada de acesso para veículos, instalações em condições mínimas de uso, local para contenção adequada dos animais e pastos que supram a necessidade nutricional deles e planejamento para a época de seca, serão alguns itens exigidos. 

Também no local deverão haver cochos em quantidade e tamanho adequado para mineralização. “Após o cadastro, o produtor deverá aguardar o agendamento da visita do veterinário para iniciar o protocolo de inseminação artificial”, afirmou Izildinha, ao observar que 30 dias antes disso o produtor deve retirar os reprodutores, se houver.

O produtor também precisa comprovar que o rebanho está em dia com os órgãos de defesa sanitária estadual e municipal, que está vermifugado e vacinado contra Clostridiose, e apresentar os animais identificados com colar ou brinco. “Também é imprescindível, no dia do início do protocolo, que os animais apresentem o Escore de Condição Corporal (ECC) mínimo de 2,5, numa escala de 1 a 5”, destacou a coordenadora de pecuária.

Para participar do programa, o pequeno produtor deve procurar as unidades da Emdagro para manifestar interesse, preencher cadastros e juntar os documentos necessários, como comprovante de residência e ficha de controle sanitário emitida pelo órgão de defesa agropecuária do Estado. Os interessados podem entrar em contato com a Emdagro pelo telefone (79) 99849-6742, pelo e-mail coopec@emdagro.se.gov.br ou no escritório da Emdagro mais próximo.

Foto: Ascom Emdagro

REDES SOCIAIS

Mais Lidas

CATEGORIAS

Notícias Relacionadas