Aulas presenciais: escolas estaduais do interior retomam atividades

Até o momento, 11 escolas que compõem a região Agreste retornaram às atividades presenciais

Redação, 25 de Novembro , 2020

Passados oito meses com as salas de aula fechadas, as escolas da rede estadual continuam com o processo de retorno gradual, parcial e seguro, para os alunos dos terceiros anos do ensino médio e etapas conclusivas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e Educação Profissional. No interior do estado, esse movimento tem engajado as equipes das diretorias regionais de educação (DREs) e comunidades escolares que, de forma centralizada, decidiram pelo retorno, cumprindo todas as recomendações de segurança sanitária.

A diretora da DRE 3, professora Daniela Silva Santana, que tem visitado as unidades de ensino e dialogado com alunos e servidores, informa que até o momento, 11 escolas que compõem a região Agreste retornaram às atividades presenciais. "Esperávamos esse retorno com grande expectativa. Foi um processo de muito trabalho para a equipe gestora, todos que fazem a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura e para a nossa Regional. Tivemos muitas reuniões de alinhamento para adequar a escola e receber todos com segurança”, disse a gestora, destacando a confiança que as famílias têm nas escolas.

Entusiasmados com a volta, os alunos do Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, em Moita Bonita, foram pontuais ao chegar à escola nesta segunda-feira, 23. Ao portão, os jovens do ensino médio foram recepcionados pela equipe diretiva, sob o comando da professora Roniela de Carvalho Góis, que aferia temperatura e transmitia algumas orientações relacionadas à proteção. “Diante do atual panorama com esse novo normal, o nosso trabalho foi pautado no cumprimento de todas as recomendações dos órgãos de saúde e da Seduc, para que os alunos cheguem à nossa escola e sejam protegidos também dentro dela. Para isso, a gente colocou despensas de álcool em gel em todas as salas, totens, tapetes sanitizantes na entrada, entre outros materiais que garantem a segurança para esse retorno”.

Para a professora Luna Clayane Meneses Silva Costa, que leciona as disciplinas Geografia e Sociologia no Djenal, apesar do momento delicado, a retomada presencial garante uma segurança aos alunos que vão prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Pelos aplicativos e outras ferramentas não tínhamos o contato e resposta direta; então, o momento agora é intensificar os estudos, e nesses poucos meses que antecedem o exame vamos fazer algumas revisões para preparar o aluno”, afirmou ela, destacando a importância da estrutura da escola para receber os estudantes.

Outra unidade da DRE 3 que recebeu os alunos no início desta semana foi o Colégio Estadual João XXIII, situado no município de Ribeirópolis. De acordo com a diretora dessa unidade de ensino, Deidiane de Jesus Andrade, a criação do comitê escolar foi importante para o acompanhamento das ações, bem como para os esclarecimentos a respeito da adequação da escola. Ela informa que a relação das famílias com a escola foi crucial para esse retorno, um diálogo que continua sendo feito pelo WhatsApp e no perfil do Instagram, que conta com um fluxo significativo de interações.

A aluna do João XIII, Gabriely Santana de Farias, que reside no povoado Boa Vista, em Ribeirópolis, aguardava com muita ansiedade a volta, “principalmente para nossa turma porque a maioria não tinha condição de acompanhar as aulas remotas. Isso por questão de internet e até mesmo por não ter um celular que suporte os aplicativos como o zoom e meet que são os mais utilizados”, relatou.

Ainda em Ribeirópolis, o Colégio Estadual Abdias Bezerra, unidade que oferta o ensino médio em tempo integral, também se preparou para receber os estudantes, como descreve o protocolo expedido pela Seduc. “O medo perpassa por todos, mas é preciso enfrentar, tomando todos os cuidados de higienização e distanciamento social. A escola se alegra com o retorno ao vermos professores e alunos no ambiente escolar”, disse o coordenador pedagógico, professor Gladston dos Santos.

DRE 5

Na região do Médio Sertão Sergipano, todas as oito escolas que ofertam o ensino médio e compõem a DRE 5 retornaram presencialmente. Uma verdadeira força-tarefa foi montada para que as equipes se inteirassem das medidas a serem adotadas para o retorno. Com o acompanhamento efetivo da Regional, as escolas puderam estudar todos os documentos e guias disponibilizados pela Seduc.

Segundo o professor João Luiz Andrade Dória, diretor da DRE 5, foram montadas duas frentes de trabalho. “Para a área administrativa, cuidamos da logística de merenda, transporte, organizando tudo para podermos receber nossos alunos. E também trabalhamos na frente pedagógica: na preparação das turmas, no sentido de verificar quais os alunos eram prioritários, organizar os horários dos professores com base nas disciplinas importantes para o Enem, e diante disso, definimos as datas de retorno. Tudo tem sido muito tranquilo e dentro do esperado”, frisou.

DRE 8

Em Nossa Senhora do Socorro, a equipe do Colégio Estadual Professor Leão Magno Brasil arregaçou as mangas para garantir que a escola estivesse pronta para receber os alunos. Foi o que ressaltou a gestora, professora Ana Sílvio Bomfim Melo. Segundo ela, tudo foi pensado de forma coletiva a fim de ampliar o diálogo entre os segmentos envolvidos com o retorno, reiterando a participação da DRE 8 na condução e orientação do plano de retomada. "Esperávamos com muita ansiedade por essa volta. E essa empolgação é perceptível também nos nossos alunos”, concluiu.

Outras escolas como o Centro de Excelência Deputado Jonas Amaral, no conjunto Marcos Freire, e o Colégio Estadual Poeta José Sampaio, no Conjunto Jardim, também retornaram nesta segunda-feira, 23.

O que você está buscando?