A Solidão dos Idosos. (por Antonio Samarone)

Redação, 15 de Dezembro , 2020

 

Encontrei um amigo, que me parabenizou pelo 15 de dezembro. Não foi o único!

“Parabéns pelo aniversário, quantos anos?” E sem esperar a resposta, desembuchou: “impressionante, como você não envelhece! Nem parece.

Não pareço com o quê, eu pensei.

Uma reação preconceituosa de quem esperava me ver um cadáver empalhado, em estágio de decomposição pública. Esperava um depósito de doenças, senil, dependente, com sinais de demência, caminhando para a completa perda de autonomia.

Ele esticou a conversa, onde será a festa? Eu retruquei de mau humor, que festa, aniversário em minha idade se lamenta, passa a ser um ano a menos. O horizonte do fim se aproxima velozmente.

Quis dizer ao mancebo que a perda de poder e status dos idosos, em geral, é anterior a perda do vigor físico e da saúde. A primeira desgraça dos idosos é o isolamento, intensificado no momento pela Pandemia.

O processo do desapego é doloroso. Talvez o esquecimento demencial seja um alívio necessário.

Ocorre, que envelhecer é o único meio de se viver muito tempo. A longevidade ainda é um privilégio dos abastados. Os pobres morrem cedo.

A velhice é uma covardia, um massacre. O que fazer para torná-la mais leve? Pensei em abrir esse diálogo com o amigo que me parabenizou. Desisti! Esse amigo é daqueles que deseja “Descanse em paz” a todos os que morrem. Vá á merda, diria o defunto, se pudesse.

Segundo Hipócrates a velhice começa aos 56 anos. Ele comparou a vida as estações do ano e a velhice era o inverno.

O Pai da Medicina deixou escrito que os idosos sofrem de dificuldades respiratórias, catarros, acesso de tosse, disúria, dores nas articulações, doenças nos rins, vertigens, apoplexia, caquexia, prurido generalizado, sonolência; expelem água pelos intestinos, pelos olhos, pelas narinas; frequentemente têm catarata, a vista é fraca e ouvem mal.

O Velho Hipócrates de Cós sabia das coisas.

Galeno aconselhava que os Velhos deveriam tomar banhos quentes e beber vinho para manter seu corpo aquecido e hidratado.

O século XX aliviou algumas dessas dificuldades encontradas na velhice. Com os avanços da medicina e da farmacologia, muitos desconfortos próprios do envelhecimento do organismo foram suavizados.

Por outro lado, a exclusão dos idosos da sociedade de consumo foi acentuada.

Com a hegemonia neoliberal, o velho se tornou um peso para a Sociedade. Nenhuma novidade, os povos nômades também abandonavam os mais velhos nas florestas por onde caminhavam.

Atualmente, o envelhecimento é visto como um problema a ser resolvido.

“Além de ser um destino do indivíduo, a velhice é uma categoria social. Tem um estatuto contingente, pois cada sociedade vive de forma diferente o declínio biológico do homem.” – Alfredo Bosi.

Isso é fato!

Antonio Samarone (médico sanitarista)

O que você está buscando?