Caso Neto Fonseca: medicações para tratamento de câncer permanecem em falta no HUSE

Das quatro medicações necessárias, duas estão em falta

redacao93noticias, 08 de Abril , 2021 - Atualizado em 08 de Abril, 2021

Foto: reprodução redes sociais 

O Educador Físico Neto Fonseca é paciente do setor de oncologia do Hospital Governador João Alves Filho, em Aracaju, e sofre com a falta das medicações necessárias para o tratamento com quimioterapia. Ele fez a primeira denúncia em 28 de fevereiro e, até o momento, as medicações ainda não foram disponibilizadas. 


De acordo com Neto, as medicações em falta são a Bleomicina e Decarbazina. “Das quatro medicações que eu necessito para realizar a minha quimioterapia completa, duas estão em falta no hospital. Consegui comprar metade das doses que necessito, por meio de doação, e fiz três sessões, mas agora só me resta mais uma”, explica. 


Ele foi acometido por um linfoma de Hodgkin, uma espécie de câncer na parte do sistema imunológico. No dia 1º de março, o Portal 93 Notícias entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e uma nota foi enviada explicando que uma força tarefa estava sendo realizada para regularizar o abastecimento das medicações.


A NOTA 


 “A Secretaria de Estado da Saúde (SES) esclarece que 2020 foi um ano atípico por conta da pandemia. Algumas empresas atrasaram a entrega de medicamentos e insumos em virtude da logística de distribuição em meio a crise do novo Coronavírus, bem como a falta de matéria prima para fabricação de alguns medicamentos.


A SES está fazendo uma força tarefa para agilizar o processo de compra dos medicamentos oncológicos e regularizar o abastecimento para que não haja danos maiores aos pacientes”. 


No entanto, quase 40 dias passaram e a medicação permanece em falta. 

O que você está buscando?