Canal de Xingó: “Não adianta discutir qual a melhor alternativa, agora é unir as bancadas de Sergipe e Bahia pra cobrarem agilidade no início das obras” diz Machado

Redação, 22 de Abril , 2021 - Atualizado em 22 de Abril, 2021


O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, vem a Sergipe, nesta sexta-feira (23) e, na sede da Codevasf, em Aracaju, assina a ordem de serviço para as obras do Canal de Xingó, que sequer havia projeto concluído e há anos não saiu do lugar.

O ex-deputado federal José Carlos Machado (DEM), que acompanha o projeto para o Canal de Xingo, admite que deve haver algum engano nessa solenidade de Ordem de Serviços, alegando que “pelo que me consta, o projeto final de engenharia da primeira etapa do canal ainda não foi concluído e é possível que tenha sido contratado recentemente.

Machado imagina que o ministro vai anunciar a contratação do projeto final de engenharia, prazo para conclusão do projeto e um prazo para a licitação das obras da primeira etapa: “Tomara que ocorra dentro do esperado e ouçamos do ministro que essas obras poderão começar ainda esse ano.

O ex-deputado disse ainda que fica preocupado com tudo que se fala sobre o Projeto Xingó, “porque já participei de várias reuniões, muitas delas na associação dos engenheiros agrônomos e em todas elas se anunciava o início das obras do canal”, disse.

– Perguntaram-me qual a maior obra que o ex-governador João Alves Filho construiu em Sergipe. Respondi: uma concebida e pensada por ele e que lamentavelmente ele não viu começar : o Canal de Xingo, disse Machado e admitiu que “nada mais importante para o nosso desenvolvimento do que essa obra. Se concluída poderá transformar a realidade do semi árido sergipano”, disse

Projeto concebido – No projeto concebido pelo ex-governador. a captação era na barragem de Xingo, mas na execução da obra foram construídas duas captações: uma para atender o projeto Califórnia e outra pra atender o canal de Xingo. “João Alves lutou por essa ideia por muitos anos e ela não prosperou e chegou a ser abandonada depois da posse de Marcelo Déda”, disse.

Segundo Machado, no projeto hoje a captação é em Paulo Afonso IV e corta os municípios de Paulo Afonso e Santa Brígida, na Bahia, e entra em Sergipe no município de Canindé do São Francisco: “Não adianta discutir qual a melhor alternativa,  agora é unir as bancadas de Sergipe e Bahia Bahia pra cobrarem agilidade no início das obras”.

Machado vê uma pequena preocupação: a obra é muito mais importante para Sergipe do que para a Bahia? “É fundamental para Sergipe, além de transformar o nosso semiárido representaria uma segurança hídrica para os próximos 60 anos ou mais”, conclui.

 

Por: assessoria 

O que você está buscando?