Orquestra Sinfônica de Sergipe retoma apresentações com público presencial

O espetáculo seguiu todos os protocolos específicos de medidas sanitárias

Redação, 22 de Agosto , 2021


A Orquestra Sinfônica de Sergipe, um dos mais importantes grupos orquestrais da região Nordeste, retomou as atividades presenciais nessa quinta-feira(19), no Teatro Tobias Barreto, em noite que entra para a história da música em Sergipe. Desde julho de 2020, o grupo teve suas apresentações presenciais interrompidas devido à pandemia do Covid-19, mas manteve as apresentações virtuais, a partir da Temporada Digital de Concertos, exibidos pelos canais de transmissão da TV Aperipê. 

O espetáculo - realizado seguindo todos os protocolos específicos de medidas sanitárias, que inclui capacidade de público reduzida em 50%, o uso obrigatório de máscaras, distanciamento entre as poltronas e pontos de higienização das mãos com álcool – empolgou e emocionou o público presente que aplaudido, de pé, a belíssima performance da Orsse. 

A Sinfônica de Sergipe, sob a direção de Guilherme Mannis, apresentou um repertório contemporâneo e diversificado, com obras como as Danças Húngaras, de Johannes Brahms, peças brasileiras como Batuque e Garatuja, de Alberto Nepomuceno, e Dança Brasileira, de Camargo Guarnieri, além de excertos da ópera “Carmen”, de Geroges Bizet, e o Danzón nº2, do mexicano Arturo Márquez.

A presidente da Fundação de Cultura e Arte Aperipê (Funcap), a professora Conceição Vieira, também esteve presente na plateia para prestigiar o concerto. “É um momento muito esperado. A nossa ORSSE esteve a tantos meses se apresentando apenas virtualmente, mas o calor humano é muito importante neste momento”, afirmou a presidente. 

“É uma emoção muito grande estarmos com nosso querido público, que prestigiou com muito entusiasmo nosso concerto. Retornar aos concertos presenciais é um grande alívio para todos nós, é reviver a música no seu aspecto mais especial, na transmissão viva da maior beleza possível que a nossa arte tem a oferecer”, declarou o Maestro Guilherme Mannis.

Na plateia, a estudante Bruna Moura exaltou o retorno das apresentações no teatro: “acompanhei as transmissões virtuais desde o início, mas estar aqui e assistir de perto é muito emocionante. Superou as expectativas”, pontuou. 

Lei Aldir Blanc

A Lei Aldir Blanc é uma realidade através de recursos da Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal, destinada ao Governo do Estado de Sergipe.

O que você está buscando?