Pré-candidato, senador Alessandro Vieira defende a união por uma 'terceira via', sem responsabilizar o eleitor que votou em 2018

Redação, 13 de Setembro , 2021

Em ato pró-impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), domingo (12), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirmou que, ”nesse momento em que se busca um nome viável para a 'terceira via' a Bolsonaro e Lula, não se deve julgar como os brasileiros votaram em 2018, mas unir todos os eleitores descontentes em torno de um nome novo e honrado, fora dos extremos que hoje lideram as pesquisas eleitorais”. No alto de um carro de som na Avenida Paulista, em São Paulo, - eventos como esse se repetiram por todo o país -, Alessandro Vieira, que acabou de ter seu nome indicado pelo partido como pré-candidato à Presidência da República, pediu que cada um faça a sua parte. "Contra o populismo, a corrupção e a ausência total de um projeto que reduza desigualdades e nos direcione para o futuro sonhado. Hoje demos o primeiro passo na luta por um país forte, unido e democrático".

"O Brasil vive uma ameaça muito grande e um retrocesso significativo em áreas essenciais: desigualdade aumentando, educação destruída e vamos ficar esperando sentados?", questionou o senador. Ele lembrou, ainda, que a corrupção está enraizada no Brasil há muito tempo, herança dos últimos presidentes. "O Brasil merece mais!". Os eventos Fora Bolsonaro ocorreram cinco dias depois dos atos de raiz golpista encabeçados pelo presidente no dia 7 de Setembro. O protesto, apartidário, que segundo o senador Alessandro, "não vetou ninguém, teve adesão de grupos de protestos como o MBL (Movimento Brasil Livre) e pelo VPR (Vem Pra Rua), e não contaram com o PT, nem PSOL, por opção dos partidos.

Outros pré-candidatos também estiveram presentes. Além do senador Alessandro Vieira, estiveram pela Paulista, a maioria vestidos de branco, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), o ex-governador do Ceará e candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT), o candidato à presidência em 2018 João Amoedo (Novo), o ex-ministro da Saúde do governo Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta e a senadora Simone Tebet, vista como candidata pelo MDB. O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), participou de Porto Alegre.

O que você está buscando?