Operação Cavalo de Troia: Polícia Civil desarticula grupo criminoso responsável por furto de animais no interior de SE

Integrantes da associação criminosa atuavam em diversos municípios do interior sergipano

Redação, 16 de Setembro , 2021

 

Equipes da Delegacia de Repressão a Crimes Rurais (Dercra), com apoio da Divisão de Inteligência (Dipol) e da Delegacia de Tobias Barreto, deflagraram a Operação Cavalo de Tróia para o cumprimento de mandados de busca e apreensão na região Sul do Estado. A ação policial, deflagrada na manhã desta quinta-feira (16), tem como objetivo desarticular um grupo criminoso responsável pela prática de furto de gado e de outros animais. Quatro suspeitos foram presos.

A investigação, que culminou na ação policial realizada hoje, foi iniciada pela Delegacia de Frei Paulo, em outubro de 2019, quando nove cabeças de gado foram furtadas de uma fazenda na zona rural daquele município. O mesmo grupo criminoso seguiu praticando outros furtos de animais em diferentes regiões de Sergipe, como Itabaianinha e Nossa Senhora da Glória.

Após um longo período de investigação, com a atuação do grupo criminoso já sendo monitorada por agentes policiais da Dercra e da Dipol, o Juízo de Direito de Frei Paulo expediu mandados de prisão para os principais membros da associação criminosa, que, atualmente, havia se especializado no furto de cavalos e jumentos em Cristinápolis e cidades circunvizinhas.

O delegado Fernando Melo explicou que, após a criação da Dercra, as investigações foram repassadas à unidade especializada. “Nos aprofundamos e descobrimos que se tratava de um grande grupo especializado em roubos e furtos de diversos animais. Identificamos todos os participantes, desde o mentor até os principais executores. Um desses executores, o principal, dono do caminhão boiadeiro apreendido, faleceu de Covid-19 ainda no ano passado”, detalhou.


Fernando Melo revelou que o grupo atuava em diversas partes do estado e que também havia denúncias da prática na Bahia. “Na calada da noite, eles pegavam os animais e embarcavam nesse caminhão. Depois eram repassados para o mentor conhecido como Jaiminho, que também tinha um açougue em Cristinápolis e revendia parte da carne para a população de lá”, complementou.

De acordo com as investigações, um funcionário da prefeitura de Cristinápolis e um servidor público do Estado estão entre os integrantes da organização criminosa.

 

Fonte: SSP/SE

O que você está buscando?