Mais de R$ 100 mil em notas falsas são apreendidas em Sergipe

Redação, 31 de Outubro , 2021


Com a aproximação das festas de fim de ano, a movimentação do comércio tende a aumentar em número de vendas e, infelizmente, os golpes com notas falsas também se tornam mais recorrentes, causando prejuízos tantos aos consumidores como aos comerciantes. Portanto, mais do que nunca, a atenção deve ser redobrada.

Segundo informações do Banco Central, os momentos de queima de estoque e movimentação maior do comércio são sempre comuns para a circulação de cédulas falsas, que é um crime caracterizado como estelionato. Uma das principais táticas usadas pelos criminosos, de acordo com o BC, é usar notas de valores altos para adquirir itens baratos, em busca de troco.

De acordo com a Polícia Federal de Sergipe, esse ano foram realizadas três ações voltadas para a apreensão de cédulas falsas e um montante no valor de R$ 104.856,00 em notas falsificadas foram tiradas de circulação. Ainda conforme a PF, além da capital sergipana, os municípios de Nossa Senhora do Socorro e Tobias Barreto são os de maior incidência de golpes com notas falsas.

As notas de R$ 100 respondem a mais de 40% das falsificações, segundo a PF, enquanto as notas de R$ 50 ficam pouco atrás, com 37%. Portanto, é importante que a comunidade denuncie casos de repasse de dinheiro falso para que o golpista seja localizado e encaminhado ao órgão competente. O crime de falsificação de moeda está previsto no Código Penal, artigo 289, e a pena pode variar de três anos a 12 anos de reclusão, além de multa.

O Banco Central, inclusive, lançou em 2018 o aplicativo Dinheiro no Bolso, disponível para Android e iOS, que permite identificar em poucos minutos se uma nota é verdadeira. O aplicativo é gratuito e ocupa pouco espaço, sendo uma forma eficiente de não cair em golpes. Além disso, há no mercado máquinas, canetas e outros itens que ajudam neste procedimento.

Por Laís de Melo / Jornal da Cidade

O que você está buscando?