Um Esclarecimento. (por Antonio Samarone)

Redação, 01 de Dezembro , 2021



O cronista é o narrador da história. Há uma profunda diferença entre quem escreve a história e quem narra.

Não sou nem historiador nem jornalista. O que tento escrever são narrativas abreviadas, adaptadas as redes sociais. Me criei ouvindo estórias de Trancoso. Mamãe era eximia nesta arte.

A narrativa é uma pré literatura que foi extinta com o fim das raízes coletivas, das comunidades e das rodas de ouvintes. Com a impossibilidade das narrativas orais (acentuada com a quarentena), tento improvisá-las nas redes sociais.

Peço paciência, quando a minha memória não coincidir com a de quem está lendo. Sou fraquíssimo em telepatia. Muita coisa não falo por ciência própria, mas por ouvir dizer. O que escutei ao longo da vida.

A memória é uma faculdade épica, a musa da narrativa. A reminiscência era uma deusa, para os gregos.

“A narrativa não está interessada em transmitir “o puro em si” da coisa narrada, como se fosse uma informação ou um relatório. O narrador imprime a sua marca na narrativa, como a mão do oleiro na argila do vaso. A narrativa é um ofício manual.” Walter Benjamim

“A arte de narrar está definhando porque a sabedoria – o lado épico da verdade – está em extinção.” - WB

Antonio Samarone (médico sanitarista).

O que você está buscando?