“Da parte de lá não tem político nenhum que tenha voto”, disse Prefeito Adailton Sousa

Em entrevista a Itabaiana FM, o gestor explicou sobre polêmica com construtora

Redação, 14 de Janeiro , 2022

Nesta sexta-feira, 14, o prefeito de Itabaiana, Adailton Sousa, concedeu entrevista ao programa Jornal da Manhã, da 93.1 FM, onde além de destacar várias obras importantes que vêm sendo realizadas na cidade serrana, também explicou sobre a polêmica envolvendo construtora, onde espalhou-se que o prefeito Adailton estava impedindo o crescimento da cidade e desempregando mais de mil pessoas. 

“O loteamento Marcela, lá do bairro Bananeira, as pessoas cobram muito no meu instagram. Existem dois loteamentos Marcela, um perto do loteamento São João e outro lá no bairro Bananeira. O bairro loteamento Marcela onde a rede de esgoto está toda destruída por conta de serviços mal executados dos seus empreendedores, dos seus incorporadores, dos seus construtores, nós vamos amanhã sábado fazer toda a rede de esgoto do loteamento Marcela (...) alguns meios de comunicação levantam algumas bandeiras e alguns profissionais de empresas também levantam algumas bandeiras de alguns empresários (...) e aí levanta-se uma polêmica onde prefeito Adailton impede crescimento da cidade e desemprega mais de mil pessoas”, disse.

O prefeito explicou que a incorporadora responsável pelo serviço foi notificada em março e recebeu o alvará de construção do loteamento e nele constava algumas condicionantes, onde a principal delas seria haver um sistema de esgoto no loteamento para que pudesse ser feita essa construção. “Não estou  impedindo que Itabaiana cresça, mas querendo que cresça, avance, com qualidade de vida, a gente sabe que a licença ambiental que a incorporadora conseguiu, ela dizia que é obrigação da construtora realizar o serviço de despejo sanitário dos lotes dentro do sistema de esgotamento sanitário, nós sabemos que ali não tem sistema de esgotamento sanitário, a Deso não chegou até ali, e se não tem sistema de esgotamento sanitário você tem que construir fossa séptica com filtro sumidouro individual para cada casa (...) você imagine esse esgoto, essas fezes que desce no esgoto vai ser jogada na rede de esgoto do município, nas águas pluviais de chuvas, nas águas de lavanderia e vai escorrer no rio Jacarecica e isso vai ser um crime ambiental, o que estou querendo é que quem for fazer o loteamento siga as condicionais e o gestor vai responder por isso coletivamente assim como o dono da incorporadora”, explicou ele.

Adailton também disse que na condicionante que foi entregue havia um prazo de até 180 dias para se executar o que está no projeto aprovado e até novembro esperou-se e nada foi realizado pela empresa: “Não estão seguindo corretamente as normas técnicas exigidas pelos nossos engenheiros, então é isso que está acontecendo (...) eu não posso permitir que as pessoas construam um loteamento transformando esse loteamento num crime ambiental e depois o prejuízo é para o próprio município (...) muita gente quer transformar isso em fato político e eu não vejo razão alguma, da parte de lá não tem político nenhum que tenha voto”, concluiu ele.  

 

Por: Portal 93 Notícias

O que você está buscando?