Descaso da DESO em Ribeirópolis vai parar no Ministério Público, mas segue sem solução

Além de ignorar as reivindicações dos moradores, a empresa tem desconsiderado até o Órgão Público

Redação, 25 de Janeiro , 2022 - Atualizado em 25 de Janeiro, 2022

Desde pequenos aprendemos nas escolas que o corpo humano é formado por em média 70% de água e que esta é essencial para sobrevivência humana. Precisamos de água para beber, lavar, cozinhar, banhar-se, dentre inúmeras atividades que todos têm conhecimento.

Em nosso belo estado, Sergipe, a DESO é a empresa responsável por realizar estudos, projetos e execução de serviços de abastecimento de água, esgotos e obras de saneamento em 71 dos 75 municípios sergipanos (com exceção de Carmópolis, São Cristóvão, Capela e Estância). O principal acionista desta empresa é o Governo do Estado, que detém 99% do total de suas ações.

Acontece que a DESO que já atua em nosso estado há 52 anos, não é considerada “idosa” ainda, mas já apresenta “sinais de Alzheimer”, pois nos últimos anos tem se esquecido do seu principal compromisso que é a prontidão pela melhoria de abastecimento de água e de esgotamento no estado, além de esquecer-se também dos seus prezáveis valores como os de responsabilidade social, eficiência e eficácia.

E as consequências desse esquecimento tem sido notória em diversos municípios, mas o caso que mais tem causado indignação é o que vem acontecendo no município de Ribeirópolis, especificamente na Rua 3 do povoado Queimadas. Desde outubro de 2020, ou seja, há 1 ano e 3 meses, que os moradores desta rua padecem pela falta de água. A maioria tem idade entre 60 e 90 anos, são idosos que não têm condições de “carregar água”, como é dito. O interessante é que mesmo não usufruindo da água, todos os meses as contas de consumo chegam nas casas dos idosos. E mesmo quando pagavam todas as faturas em dia, o fornecimento da água prosseguia inadequado em suas residências.

As dificuldades sem a água no povoado são grandes. De acordo com os moradores, a água que ali chega é rara e nunca é suficiente para encher as caixas d´água das casas daquela rua. Eles só conseguem ter as caixas cheias quando chove ou quando a prefeitura envia um carro pipa para abastecer os depósitos de água. Os idosos que ali residem, juntamente com outros moradores já fizeram inúmeras denúncias à DESO e há também os números dos registros destas reclamações, porém nunca foram atendidos. Inclusive, em uma das ocasiões fizeram até chacota com um dos idosos falando para ele procurar a Telemar (antiga empresa de telefonia) para resolver o problema dele.

                 (Caminhão Pipa da prefeitura abastecendo os reservatórios dos moradores)

Como se já não bastasse a falta de competência, de compromisso e de responsabilidade, ainda faltam com respeito a um idoso que reivindica o seu direito essencial de sobrevivência que é a água. Onde ficam os direitos essenciais? Onde fica o Estatuto do Idoso frente a tanta negligência e nenhuma providência tomada? Onde está o Governo de Sergipe, o principal acionista da DESO?

Os moradores já fizeram várias denúncias. Há mais de dez processos contra a empresa na Comarca de Ribeirópolis, desde o primeiro semestre do ano passado e nada foi resolvido até agora. Por não ter sido resolvido de forma judicial, os moradores fizeram denúncias públicas ao Ministério Público de Sergipe, que por sua vez notificou a DESO para que se manifestasse no prazo de dez dias, mas a empresa ignorou até o Órgão Público, não respondendo a notificação até o presente momento.

A Notícia de Fato de nº 33.21.01.0068, registrada no Ministério Público, pode ser consultada. O acompanhamento pode ser realizado por meio do Portal do Ministério Público (www.mpse.mp.br), clicando em Consulta Processual [Procedimentos Extrajudiciais] e informando o nº do procedimento 33.21.01.0068, inserindo logo após o código de verificação gerado automaticamente e depois clicando em “filtrar”. Nessa consulta é possível ter acesso aos vídeos das casas dos idosos sem água, o que causa uma grande indignação.

Os idosos residentes no povoado já perderam as esperanças de que essa situação seja resolvida e pensam que não há mais nada a ser feito, uma vez que mesmo com as ações judiciais em andamento nada mudou e até mesmo a notificação do Ministério Público foi ignorada pela DESO. Mas como diz o ditado “a esperança é a última que morre,” então, enquanto não morre, espera-se que as autoridades competentes desse estado tomem as devidas providências em relação a esta empresa e ao reabastecimento de água no local.

 

Por: Marielle Rocha/Portal 93 Notícias

O que você está buscando?