COVID: 5 sinais de que você pode ter tido a doença sem saber

Jose Costa, 21 de Maio , 2022

Em alguns casos o paciente infectado não manifesta qualquer sintoma, o que pode dificultar o diagnóstico

 

Atualmente, no Brasil, mais de 30 milhões de casos de COVID-19 foram confirmados de acordo com os dados do Ministério da Saúde. Geralmente, estes casos costumam apresentar sintomas característicos, como febre, tosse seca e falta de ar. Já outros casos são assintomáticos, ou seja, o paciente não manifesta sintomas.

 

Com isso, muitos indivíduos são infectados pelo coronavírus sem ao menos saberem que estão com a doença, podendo até contaminar outras pessoas. Pensando nisso, listamos cinco sinais de que você pode ter tido COVID-19 sem saber.

 

1. Sintomas gripais fracos

Em alguns casos, o paciente pode apresentar sintomas gripais fracos, como dor de garganta, coriza e fadiga, e acaba se recuperando da doença sem ao menos realizar o teste de COVID-19.

Por isso, é essencial que os sinais sejam cuidadosamente observados e, caso o paciente tenha contato com outra pessoa infectada, é muito importante realizar o exame para receber o diagnóstico correto.

 

2. Pessoas próximas infectadas

A COVID-19 é uma doença transmitida através das vias respiratórias. Portanto, se a família, amigos próximos ou colegas de trabalho foram infectados pelo coronavírus, é possível que essa pessoa esteja infectada também, mas não saiba por não apresentar sintomas.

De acordo com Carla Kobayashi, infectologista do Hospital Sírio-Libanês, alguns sinais podem surgir algumas semanas após a infecção. “Quando a pessoa fizer algum exame de rotina ela pode apresentar sintomas crônicos, que podem surgir depois dessa fase, entre quatro a seis semanas depois da infecção”, explica a especialista.

 

3. Queda de cabelo

A queda de cabelo é um sinal que chamou a atenção dos especialistas desde o início da pandemia e que pode acontecer de quatro a seis semanas após a infecção, segundo Carla. Por isso, pode ser que o paciente não perceba o sintoma e, consequentemente, não realize um teste de COVID-19.

“É uma queda de cabelo que já ocorria por outros fatores, mas o próprio estresse da doença gera esse sintoma mais evidente, mais intenso. E é um sintoma que persiste, ou seja, ele é crônico, porque acaba durando uns meses”, afirma a infectologista.

 

4. Erupções cutâneas

Um estudo realizado pela Universidade de Trieste, na Itália, e publicado no portal PubMed revelou que erupções e lesões na pele podem surgir em pacientes com COVID-19. Estes sintomas podem ser acompanhados de inchaço, sensação de queimação e uma coloração arroxeada nos dedos dos pés.

Em alguns casos, as lesões surgem como o único sintoma da infecção e, por isso, o paciente pode não perceber que está com a doença. Outros tipos de alteração na pele podem aparecer, como:

 

Palidez

Brotoejas

Ressecamento

Pápula e vesícula

Urticária

Eczema

PUBLICIDADE

 

5. Sintomas gastrointestinais

Nos primeiros dias da infecção o paciente pode manifestar alguns sinais gastrointestinais, como diarreia, náusea e vômitos. “Em relação aos sintomas que podem persistir, a gente tem a dispepsia (indigestão), que é a dor no estômago”, detalha Carla.

Dependendo do caso, os sintomas gastrointestinais podem ser os únicos da infeção a se manifestarem, dificultando a procura por um teste e, consequentemente, o diagnóstico.

 

Quando realizar o teste de COVID-19?

É muito importante que o paciente, caso apresente sintomas gripais, gastrointestinais ou lesões na pele, realize um teste de COVID-19. Dessa forma o diagnóstico precoce pode evitar a propagação do vírus e até o surgimento de outros sintomas mais graves.

Caso a pessoa não apresente qualquer sintoma, mas teve contato com outro indivíduo infectado pelo coronavírus, é recomendado que ela preste atenção no possível surgimento de sintomas.

 

Fonte: https://www.minhavida.com.br/materias/materia-22092 - Escrito por Murilo Feijó - Redação Minha Vida - Foto: Maskot/gettyimages

O que você está buscando?