Vacina bivalente: o que é, características e como funciona

Jose Costa, 24 de Fevereiro , 2023

A vacina bivalente, que é produzida pela Pfizer, foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, onde o seu uso seria para combater a COVID-19.

 

Esses imunizantes foram criados com o intuito de oferecer uma proteção extra contra a ômicron e as suas sub variantes, onde a autorização da agência reguladora é apenas para o uso emergencial.

 

Dessa forma, todas as pessoas podem estar seguras, onde assim como um laudo pcmso ppra ltcat, as vacinas possuem a função de proteger aqueles que a utilizam, entretanto atuam aumentando a sua imunidade.

 

Continue lendo este artigo e compreenda um pouco mais sobre o que são as vacinas bivalentes, como elas funcionam e entre muitos outros fatores.

 

O que são vacinas bivalentes?

As vacinas bivalentes são nada menos do que novas medicações que foram aprovadas pela Anvisa, onde estão atualizadas para serem utilizadas no combate às novas variantes de coronavírus, protegendo assim aqueles que o utilizam.

 

Essa vacina é extremamente necessária, uma vez que desde o começo da pandemia, em 2020, o vírus vem sofrendo inúmeras mutações, sendo esse um fator muito comum, entretanto, também bastante perigoso para os seres humanos.

 

As variantes atuam com pequenas mudanças entre si, mas também com algumas semelhanças, prejudicando o bem-estar.

 

Dessa forma, assim como empresas de mão de obra terceirizada, existem também a CLT, PJ, MEI e entre muitos outros, onde todos possuem a mesma função, entretanto com algumas variações entre si que a diferem.

 

Da mesma forma se dá as variações do coronavírus, onde eles atuam de formas muito semelhantes, mas também com as suas particularidades, ameaçando a saúde de quem a possui.

 

Atualmente, a mutação que está dominando o mundo é a ômicron, sendo esse bem diferente do vírus original.

 

Por esse motivo, as vacinas que são chamadas de “monovalentes” acabam fornecendo menos proteção para a variante dominante, todavia continuam ainda sendo muito eficazes para casos mais graves, óbitos e também hospitalizações.

 

Como você pode perceber, devido às mutações, as suas diferenças dificultaram a proteção de algumas vacinas contra o vírus, entretanto os casos mais graves continuam sendo ainda muito eficientes, diminuindo um pouco os riscos dessa pandemia.

 

De acordo com Meiruze Freitas, diretora da Anvisa, o principal objetivo do reforço com a vacina bivalente é o de expandir a resposta imune, sendo ela específica à variante ômicron, melhorando assim a proteção da população.

 

Todavia, a diretora alerta que as pessoas não atrasem com a sua vacinação de dose de reforço, que já é planejada para esperar o acesso à vacina bivalente.

 

Esse fator é essencial porque todas as vacinas de reforço que foram aprovadas ajudam a melhorar a proteção contra casos graves e também por COVID-19.

 

Além disso, principalmente os grupos de maior risco devem se atentar a tomar as vacinas, já que com as doenças e idade vem muitas limitações, como de mobilidade, precisando utilizar guincho hospitalar, mas também de imunidade, precisando do uso de vacinas.

 

Os imunizantes que foram indicados para o Brasil são da farmacêutica Pfizer, onde existe a “bivalente BA.1", protegendo contra a cepa original e a sub variante “ômicron BA.1”.

 

Além disso, também existe a “bivalente BA.4/BA.5”, protegendo contra a cepa original e contra as sub variantes “ômicron BA.4/BA.5”.

 

A Anvisa, assim como a Pfizer, reforça ainda que a vacina monovalente original ainda é um importante instrumento de combate à COVID-19 e não deve ser jogada fora por uma empresa de coleta de resíduos hospitalares, mas sim continuando sendo utilizada.

 

Como a vacina bivalente funciona?

A vacina da Pfizer funciona utilizando a tecnologia de ácido ribonucleico, ou seja, RNA, mensageiro, também sendo conhecido como mRNA.

 

Entretanto, diferente das imunizações tradicionais, onde é usada uma versão morta do vírus, com a finalidade de que o corpo pudesse produzir anticorpos, as vacinas de mRNA representam uma grande inovação na maneira de fabricar imunizantes.

 

Isso acontece porque o mRNA possui a função de carregar as informações que são necessárias para a síntese proteica.

 

Ela funciona como uma torre de vídeo, onde ela é usada para passar as informações do interior de uma pessoa para fora, entretanto, no caso da vacina, as informações do vírus são inseridas no organismo, transmitindo informações para a síntese proteica.

 

Com isso, esses dados são captados pelos ribossomos, sendo essas organelas que efetuam o trabalho de sintetizar proteínas dentro das células, entre outras funções.

 

A partir desse processo, o corpo possui a capacidade de produzir uma proteína específica, sendo essa conhecida como proteína S, usada pelo vírus para invadir as células que são saudáveis.

 

Assim, os anticorpos e linfócitos T, que fazem parte do sistema imunológico, podem aprender essa informação para então combater a proteína de um vírus real.

 

Dessa forma, assim como um sistema de videoconferência que recebe informações de outro aparelho para funcionar, o seu sistema imunológico também pode possuir essa troca de informação.

 

Com isso, é possível imunizar uma pessoa sem precisar que o corpo tenha um contato com o vírus, utilizando apenas um código genético.

 

Em quais lugares já foi aproveitada?

As vacinas bivalentes foram aprovadas pela Anvisa e são indicadas para a sua utilização na população em crianças a partir de 12 anos de idade.

 

Elas são indicadas como uma dose de reforço, onde devem ser aplicadas a partir de três meses depois da série primária de vacina ou de reforço anterior.

 

Entretanto, elas ainda não estão disponíveis no Brasil, onde em uma nota a Pfizer anunciou que é esperado que as vacinas BA.1 e BA.4/BA.5 cheguem ao país nas próximas semanas.

 

Atualmente, o contrato vigente de fornecimento de vacinas da Pfizer ao Brasil inclui a entrega de potenciais vacinas que são adaptadas a novas variantes ou para diferentes faixas etárias.

 

Com isso, o Ministério da Saúde declarou que vai solicitar à Pfizer o cronograma de envio dos lotes com os novos imunizantes. Já sobre a nova estratégia de imunização, referente quem irá receber a nova vacina, a pasta diz que ainda está definindo.

 

Assim, as orientações para a aplicação da vacina e o cronograma de distribuição serão formalizados em nota técnica aos estados nos dias seguintes.

 

Todavia, alguns países já liberaram o uso dessa vacina, onde a vacina bivalente BA.1 está aprovada em cerca de 35 países.

 

Já em relação à vacina bivalente BA.4/BA.5, essa está aprovada em 33 países em seu total, onde dentre eles, podem-se citar:

 

Canadá;

Japão;

Reino Unido;

Estados Unidos;

Austrália;

Singapura.

 

Esses são dos países onde está aprovada a utilização dessa vacina, ainda sem incluir muitos outros países, além da União Europeia.

 

Infelizmente, as vacinas ainda não podem ser usadas pela internet, em esus online, entrando em contato com outros países para a sua aplicação, por isso basta apenas esperar para a sua aprovação no Brasil e se proteger sempre dos perigos da COVID-19.

 

Qual é a importância da vacina bivalente?

Embora muitas doses diferentes de vacinas já tenham sido aplicadas na população, é muito importante acompanhar a evolução do coronavírus, uma vez que ele está passando por muitas mutações.

 

Como já mencionado, ao alterar algumas características do vírus, algumas proteções podem acabar perdendo um pouco em sua eficiência.

 

Um exemplo para isso é a variante BQ.1 do vírus, que proporcionou uma grande alta nos casos de COVID-19 no mês de novembro. Dessa forma, vários países, como os Estados Unidos, muitos em toda a Europa e no Brasil, sofreram com essa alta.

 

Segundo os dados das Secretarias de Saúde brasileiras, foi possível perceber um aumento de 131% na média móvel de casos de COVID-19 no mês de outubro em comparação com o ano anterior.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, OMS, essa alta pode ser atribuída à circulação dessa nova cepa que é derivada da ômicron.

 

Os dados da OMS também afirmam que, com base no conhecimento atual, a proteção das vacinas que estão disponíveis atualmente pode ser reduzida por se tratar de uma nova variante.

 

Todavia, a vacina bivalente age de forma a orientar o seu organismo com informações do vírus, de maneira que você possua condições de se preparar da melhor maneira possível caso seja contaminado.

 

A pandemia do coronavírus, que se iniciou no ano de 2020, mesmo estando bem mais controlada, ainda não acabou, e por esse motivo é muito importante continuar se protegendo contra ela.

 

Além disso, diferente de uma compra diária, como pesquisar “simulador de escadas preço” no Google para obter os melhores valores, a vacina do coronavírus é totalmente gratuita, sendo apenas mais uma vantagem para a sua saúde e a de toda a sua família.

 

O maior bem que todas as pessoas possuem é a sua saúde, e por esse motivo é muito importante sempre cuidar do seu bem-estar e de quem você ama.

 

Fonte: https://www.sejahojediferente.com/2023/02/vacina-bivalente-o-que-e.html - Gabriel Prado


Siga os canais do Portal 93 Notícias: YouTube, Instagram, Facebook, Threads e TikTok

Participe da comunidade da 93 Notícias no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

O que você está buscando?

google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc