Luciano Bispo é passível de erros, mas sua lealdade não se questiona!

Habacuque, 11 de Fevereiro, 2020 - Atualizado em 11 de Fevereiro, 2020

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Luciano Bispo (MDB), foi questionado por um colunista político amigo que não votou em nenhuma das duas eleições do ex-governador Marcelo Déda (in memoriam) e que chegou ao atual agrupamento só após a interinidade do ex-governador Jackson Barreto (MDB) no comando do Executivo.  Mas, mesmo sem ter sido “eleitor” de Déda, justiça seja feita, Bispo sempre foi muito correto politicamente, por onde passou.

Tem lá seus defeitos, é verdade (e quem não tem?), mas se Luciano Bispo pode ser questionado, seja como gestor público, seja como político, como ser humano ele é quase uma unanimidade. Se tem algo que não se questiona em Sergipe, por exemplo, é a lealdade de Luciano aos agrupamentos que ele compõe, aos líderes políticos com que convive. Que o diga Jackson Barreto com quem o deputado milita, lado a lado, desde a década de 90.

Quando anunciou rompimento com o ex-governador João Alves Filho (DEM) para se aliar a Marcelo Déda, Luciano estava contrariado com algumas questões relacionadas sobre a política de Itabaiana. João foi candidato a governador em 2010 e um dos poucos líderes que lhe apoiaram em Sergipe foi Luciano e seu irmão e ex-deputado Arnaldo Bispo. João e José Carlos Machado não têm o que questionar sobre a fidelidade e compromisso de Bispo, após vários e vários anos que caminharam juntos. Hoje seguem caminhos divergentes...

Já presidente da Alese, Luciano recebeu uma recomendação do Ministério Público para retirar o nome de João do prédio da Assembleia Legislativa. Em um gesto para com os familiares do democrata, Luciano “batizou” aquele espaço de “Construtor João Alves” (in memoriam), em alusão ao pai do ex-governador. Bispo jamais deixou se levar por questões políticas.  Adversário político intransigente, mantém uma relação respeitosa com os deputados Talysson de Valmir (PL) e Maria Mendonça (PSDB).

Em 2014 defendeu o nome de Jackson Barreto para o governo e o de Belivaldo Chagas para vice e seguiu muito próximo do PT; em 2018, Luciano Bispo também acompanhou o “galeguinho” e o nome de Eliane Aquino (PT) como candidata a vice-governadora. Sempre teve uma relação muito respeitosa e de diálogo com a ex-deputada Ana Lúcia (PT), com o atual deputado Iran Barbosa (PT), com o Sintese e com os demais sindicatos. Mesmo diante de fortes tensões administrativas, jamais “perdeu a mão” com essas entidades.

A prova maior de lealdade ao projeto político que representa foi conduzir o deputado Francisco Gualberto (PT), que por anos liderou os governos de Déda, JB e Belivaldo, ao posto de vice-presidente da Alese. Como fora dito no princípio, Luciano Bispo é um gestor público passível de inúmeros questionamentos, mas um ser humano “carregado de qualidades”, apaixonado por Itabaiana, mas com espírito público imenso, se pondo acima de qualquer questão política e com profundo respeito à hierarquia, disciplina e instituições. Sua lealdade ao grupo político que compõe não se questiona...

 

Seduc I

Alguns empresários andam se queixando da forma “rude” e “desatenciosa” com que são tratados pelo diretor administrativo e financeiro da Seduc. Conhecido como “diretor Marcha Avante”, o danadinho já foi monitorado pelo DEOTAP e órgãos fiscalizadores e agora tem recebido os fornecedores do órgão com muito desfeito...

 

Seduc II

Na avaliação deste colunista, ou o “famoso” diretor está fora de controle emocional, até porque já percebeu que “a casa vai cair”, ou ele muda logo a “marcha” até por conveniência própria! Agora precisa ficar atento, porque a depender da velocidade, pode terminar dando um “cavalo de pau” na vida...

 

Clube do Banese

Vez ou outra o Clube do Banese volta a ser pauta para este colunista: funcionários do “Banco dos Sergipanos” denunciam que um vereador de Aracaju, que tem acesso à instituição, participa das reuniões com os trabalhadores e estaria ameaçando a todos de demissão para quem não renunciar ao ticket alimentação, uma conquista via acordo coletivo! Um valor insignificante para a grandeza do Banco! É mole!

 

Exclusiva!

A coluna ainda está apurando o “poder de influência” que esse vereador pode ter em relação ao atual presidente do Clube do Banese para que os trabalhadores sejam assediados desta forma. Já se fala em ação judicial e até na formalização de uma denúncia junto ao Ministério Público Estadual, até porque a falta de respeito está passando dos limites.

 

Bomba!

Um servidor, que pediu reservas para não se perseguido dentro do Banese, denuncia que, além da ameaça de demissões e da ingerência junto à administração do Clube, há ainda a suspeita de “promoção pessoal e política”. Segundo a fonte, esse mesmo vereador participa de festas de sindicatos dizendo que defende as categorias, mas no Clube do Banese ele vai para o “outro lado do balcão”...

 

Falando nisso

Lembram-se dos questionamentos feitos por este colunista sobre o Banese? Que até ameaça de processos foram feitas? Agora a coluna elogia a postura do Conselho de Administração do Banco que determinou o afastamento do auditor chefe, até que sejam apuradas supostas irregularidades em procedimentos internos e sobre sua conduta que chegou a fazer ofensas graves ao denunciante, algo que é vedado por lei.

 

Alô Banese!

Só que ninguém se engane: a decisão para o afastamento veio “de cima”, possivelmente do “galeguinho” Belivaldo Chagas que não é muito de “mimimi”. Por que se dependesse do presidente Fernando Mota, certamente o auditor ainda estaria sentando em sua cadeira...de parabéns o Conselho de Administração pela independência e vem por aí algo ainda mais “podre” dentro das estruturas do “Banco dos Sergipanos”. Aguardem...

 

Veja essa!

Dando muito que falar a denúncia do deputado estadual Gilmar Carvalho e do Sepuma de que a Prefeitura de Aracaju “perdoou” uma dívida da Unimed de mais de R$ 100 milhões e que teria ficado em torno de R$ 3,5 milhões.

 

E essa!

Curioso, este colunista fez uma pesquisa rápida e encontrou uma denúncia do atual presidente da Câmara Municipal de Aracaju (CMA), o vereador Josenito Vitale (PSD), o “Nitinho”, que à época no DEM, defendeu na CMA a “abertura da caixa preta” da Secretaria Municipal de Finanças da PMA.

 

Relembre I

Na época, na primeira passagem de Edvaldo como prefeito de Aracaju, Nitinho queria desvendar um acordo firmado entre Prefeitura Municipal de Aracaju e a Unimed, beneficiando a cooperativa médica com um desconto de R$ 127 milhões em dívidas originárias de ISS junto ao município. 

 

Relembre II

“Quando retornarmos do recesso legislativo, esta Casa precisa ter independência política para abrir a caixa preta da Secretaria Municipal de Finanças e descobrir como se deu esse presente mui amigo, esse ato de camaradagem promovido pelo prefeito Edvaldo Nogueira (ainda PCdoB) à Unimed, renunciando ao dinheiro do povo de Aracaju”, provocou Nitinho, na época.

 

Relembre III

Nitinho ainda disse que “ao renunciar aos R$ 127 milhões, em forma de desconto com validade retroativa a 10 anos, o gestor público pode ter incorrido em ato de Improbidade administrativa”.

 

Olha a Ação!

Naquela época, o Ministério Público de Sergipe, por conduto dos Promotores de Justiça, Dr. Alexandro Sampaio Santana, Dr. Eduardo D’Ávila Fontes e Dr. Paulo Lima de Santana, representantes da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, ajuizaram Ação Civil Pública Anulatória de Negócio Jurídico com pedido de Antecipação de Tutela em face do Município de Aracaju e da Cooperativa de Trabalho Médico – UNIMED-SE.

 

Alô MPE!

À época, o MPE entendeu que PMA e Unimed celebraram Acordo entre si, “descumprindo as regras básicas de tributação insculpidas nas Constituições Federal e Estadual, bem como desobedecendo as posturas descritas no ordenamento jurídico infraconstitucional a exemplo do Código Tributário Nacional e do Código Tributário Municipal”.

 

“Perdão”

Segundo consta dos autos, o entendimento homologado pelo Juízo da 20ª Vara da Fazenda Pública, havia uma dívida de aproximadamente R$ 130.000.000,00, que foi objeto do Acordo, com a possibilidade de ser quitada pelo valor de R$ 3.320.944,47, “em clara redução da receita inscrita em dívida ativa”.

 

Alô Itabaianinha!

Lembram-se das denúncias feitas por este colunista sobre a Câmara de Itabaianinha? Após esse colunista denunciar e comprovar que nada estava disponível no site da Câmara, referente ao processo licitatório, a correria foi grande para regularizar a situação!

 

Sem a rubrica

Só esqueceram que a denuncia também passou por documentos sem a rubrica dos representantes da (s) empresa (s) participante (s), com assinatura forçadas, dentre outros procedimentos praticados e que já são objetos de investigação! Quem faz mal feito e quer consertar às pressas, acaba fazendo o “mal feito” muito bem feito! É aguardar as cenas dos próximos capítulos!

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com

 

 

 

 

O que você está buscando?