ACADEMIA DE LETRAS E ARTES MOITENSE

Instalada no dia 09 de junho de 2024

O presidente da Academia Sergipana de Letras, Dr. José Anderson Nascimento, impossibilitado de atender a um convite do confrade José Ginaldo de Jesus, para comparecer a cidade de Moita Bonita e instalar, no dia nove de junho de dois mil e vinte e quatro a Academia de Letras e Artes Moitense, nomeou o acadêmico Domingos Pascoal de Melo, para em seu lugar, proceder a instalação de mais esta arcádia literária no interior do estado de Sergipe.

O acadêmico Domingos Pascoal, acompanhado das acadêmicas: Maria das Graças Monteiro Melo e Educadora Cris Souza, dirigiram-se à bucólica cidade de Moita Bonita, para cumprir a missão.

A solenidade aconteceu no suntuoso Espaço Celebrar, que esteve lotado durante todo o evento com mais de 350 pessoas.

O cerimonialista foi o já eleito acadêmico vice-presidente da ALAM – Academia de Letras e Artes Moitense, José Ginaldo de Jesus, que de início anunciou o que ia ocorrer durante aquela sessão solene, formou o dispositivo de honra e, passou a palavra ao presidente da Mesa, Domingos Pascoal de Melo, para que fizesse a abertura oficial dos trabalhos, instalasse a Academia de Letras e Artes Moitense e dessa posse ao seu primeiro presidente prof. Wesley Azevedo Costa.

Ato contínuo, e obedecendo o que determina a ritualística de instalação de uma academia literária, Domingos Pascoal de Melo passou o comando dos trabalhos ao recém-empossado presidente, prof. Wesley Azevedo Costa que, a partir de então, presidio a mesa e, deu posse a todos os outros neoacadêmicos que, elegantemente vestidos, se postaram de pé, com a mão direita estendida e repetiram a oração de juramento, lida pelo acadêmico-eleito Jorge Luis Ferraz Santos, prestando assim, o juramento acadêmico. Depois, um a um, assinaram o termo e foram empossados em suas devidas cadeiras.

Cadeira nº 01 prof. Wesley Azevedo Costa – patrona: Maria Souza Costa.

Cadeira nº 02 prof. José Ginaldo de Jesus – patrono: Pedro Joaquim Souza (Pedro Venâncio)

Cadeira nº 03 Maria José Ferreira Lima – patrono: João Ferreira Lima de Souza

Cadeira nº 04 Neuzisse Costa – patrono: Manoel Aristides da Costa

Cadeira nº 05 Maria Lenice de Lima Barreto – patrono: Antônio Barreto de Lima

Cadeira nº 06 Jorge Luís Ferraz Santos – patrono: Roberto Pedro dos Santos (Roberto Eletricista)

Cadeira nº 07 José Roberto Santana Santos – patrono: José Aleixo Barreto

Cadeira nº 08 Jorgevânio Menezes de Lima – patrono: Pedro José de Oliveira (Seu Pedrinho)

Cadeira nº 09 Liliane de Jesus Costa – patrona: Maria de Lourdes Santos de Jesus

Cadeira nº 10 Viviane de Jesus Peixoto – patrona: Maria da Graça dos Santos Lima

Cadeira nº 11 Elielze Santos Sobral – patrono: José Gregório dos Santos

Cadeira nº 12 Eliane Santos Barreto Araújo – patronas: Maria Francisca Santos    (Tia Sinhá)

Cadeira nº 14 Mônica Luzia da Cunha Menezes – patrona: Euflosina Costa da             Cunha

Cadeira nº 15 Viviane Mota de Gois – patrono: José Manoel de Góis (Zé Coqueiro).

Os Hinos, tanto Nacional Brasileiro, na abertura dos trabalhos, como o de Moita Bonita, ao final, foram competentemente interpretados pelo cantor e músico Moitense, Gabriel Araujo que, após toda a solenidade, enquanto os convidados se deliciavam com salgadinhos e outras delícias feitos pela Gil Buffet Itabaiana, ele continuou nos brindando com a sua marcante voz e interpretação da nossa música brasileira.

A charmosa cidadezinha de Moita Bonita fica na região central do Estado de Sergipe a uma distância de 70 quilômetros da capital, Aracaju, sua população é de 11.050 habitante, considerando o censo de 2022, tem como Padroeira Santa Terezinha.

A Academia de Letras e Artes Moitense é o fruto de uma ideia, alimentada desde 2022, a primeira reunião aconteceu no dia 18 de janeiro de 2023, quando foram colocadas as bases para a sua efetiva construção, que veio termo no dia 13 de maio de 2023, data histórica de sua fundação e, no dia 09 de junho de 2024 foi festivamente instalada.

Redes Sociais

Relacionadas

Categorias