Modalidades, presença do Brasil e possíveis medalhas: o guia das Paralimpíadas

Jose Costa, 24 de Agosto , 2021

Depois do primeiro grande evento em meio à pandemia de coronavírus (as Olimpíadas), a partir do dia 24 de agosto até o dia 5 de setembro, o Japão recebe os Jogos Paralímpicos de Tóquio, um evento poliesportivo para atletas com deficiência organizado pelo Comitê Paralímpico Internacional (CPI).

 

Assim como os Jogos Olímpicos, as Paralimpíadas também tiveram de ser adiadas em um ano em virtude da covid-19. Originalmente, os Jogos estavam programados para ocorrer entre 25 de agosto e 6 de setembro de 2020. Será a segunda vez que Tóquio sedia os Jogos Paralímpicos, já que sediaram o evento anteriormente em 1964, na sua segunda edição.

 

As competições que começam na próxima semana também não terão público, como já havia sido visto durante as disputas das Olimpíadas, entre o final de julho e o começo de agosto.

 

A delegação brasileira

Serão 260 atletas, incluindo atletas sem deficiência como guias, calheiros, goleiros e timoneiro — 164 homens e 96 mulheres. Esta será a maior delegação brasileira da história em uma Paralimpíada fora do Brasil (no Rio de Janeiro, o Brasil garantiu vagas em todas as modalidades por ser país-sede e contou 286 atletas no total). A modalidade com o maior número de atletas será o atletismo, com 64 representantes e 18 atletas-guia.

 

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) estabeleceu o top 10 como meta. Nos Jogos do Rio, em 2016, foram 14 medalhas de ouro, 29 de prata e 29 de bronze (72 no total), ficando em oitavo no quadro de medalhas. Pelos cálculos do presidente da entidade, Mizael Conrado, o Brasil deve conquistar entre 60 e 75 medalhas no Japão.

 

Modalidades

Em Tóquio, serão 22 modalidades (o mesmo número que no Rio de Janeiro, em 2016), mas com duas alterações em relação às últimas Paralimpíadas. Duas novas modalidades foram acrescentadas: o parabadminton e o parataekwondo. Elas substituem o futebol de 7 e a vela (ambos foram retirados devido ao alcance internacional insuficiente para justificar a permanência). O Brasil tem participantes em 20 (está fora do basquete de cadeira de rodas e no rúgbi de cadeira de rodas).

 

Atletismo

Os atletas são divididos de acordo com funcionalidade na prática esportiva, para-atletas com deficiência física, e acuidade visual, para-atletas com deficiência visual. Assim, são divididos em diversas classes nas provas.

Provas disputadas: 100m, 200m, 400, revezamento 4x400m, revezamento 4x100m, 800m, 1.500m, 5.000m, salto em distância, salto em altura, salto triplo, maratona, lançamento de disco e club, lançamento de dardo, arremesso de peso

Basquete em cadeira de rodas

Como o próprio nome já diz, os jogadores ficam sentados em uma cadeira de rodas enquanto tentar acertar a cesta adversária e marcar pontos. As dimensões da quadra e a altura da cesta são as mesmas do basquete olímpico.

Bocha

Todos os jogadores atuam também em cadeiras de rodas. Eles são divididos conforme o grau de deficiência e da necessidade de auxílio durante a prática desportiva.

Canoagem

São disputadas apenas três provas de caiaque, que são divididas de acordo com os graus de deficiência de cada atleta em KL1, KL2 e KL3, do maior grau de comprometimento para o menor.

Ciclismo (estrada e pista)

São quatro tipos de classes, conforme as deficiências dos atletas. Isso faz com que exista quatro adaptações nas bicicletas para as disputas nas Paralimpíadas: as convencionas, as handbikes (atletas com paraplegia e tetraplegia), os triciclos (atletas com paralisia cerebral) e as tandem (atletas com deficiência visual e seus guias).

Esgrima em cadeira de rodas

As regras são as mesmas da esgrima olímpica. Os atletas são divididos em três classes, conforme a limitação dos movimentos do tronco (de A a C, do menor para o maior).

Futebol de 5

Os jogadores, cegos ou deficientes visuais,  que jogam vendados, se guiam através do barulho da bola e dos sons feitos por um guia que fica atrás das goleiras. O objetivo, assim como o futebol normal, é assinalar gols.

Goalball

Assim como o futebol de 5, essa modalidade também é para deficientes visuais. As equipes são divididas em três jogadores de cada lado, que precisam marcar gols na baliza do adversário, que tem 9m x 1,30m. Os atletas lançam uma bola com um sino dentro. Dois tempos de 12 minutos, e os arremessos devem ser rasteiros ou tocarem pelo menos uma vez nas áreas obrigatórias.

Hipismo

Diferentemente das Olimpíadas, a única modalidade nos Jogos Paralímpicos é o adestramento. Os atletas podem ter deficiências motoras ou visuais.

Judô

Apenas deficientes visuais participam da modalidade. Eles são divididos em três categorias, conforme o grau de comprometimento da visão (B1, B2 e B3).

Levantamento de peso

Modalidade em que competem atletas que possuem deficiência nos membros inferiores e/ou com paralisia cerebral. Só é preciso completar dois dos três movimentos para o levantamento ser validado.

Natação

A modalidade é disputada por atletas que tem deficiências físico-motoras, visuais ou intelectuais. Eles são divididos em categorias de acordo com o grau e o tipo de deficiência.

Provas: 50m, 100m, 200m e 400m livre; 50m e 100m borboleta; 50m peito; 50m e 100m costas; 150m e 200m medley; revezamentos.

Parabadminton

A modalidade é para atletas que tenham deficiência físico-motora. Eles podem competir em cadeira de rodas ou não.

Parataekwondo

Praticado por atletas com deficiências nos membros superiores. Ao contrário dos Jogos Olímpicos, não é permitido chutes na cabeça do adversário.

Remo

A competição é dividida em três categorias:  PR1, PR2 e PR3. Dos atletas com maior comprometimento motor que precisam ser amarrados aos barcos aos que conseguem deslizar o assento usando os membros inferiores.

Rúgbi em cadeira de rodas

Não existe diferenciação de gênero na disputa da modalidade. Participam pessoas  com tetraplegia ou deficiências nas quais as sequelas sejam parecidas com a de um tetraplégico.  Os jogos são disputados em quadras de 15m de largura por 28m de comprimento e têm quatro períodos de oito minutos.

Tênis de mesa

Disputado por atletas com paralisia cerebral, amputados e cadeirantes. As competições são divididas entre mesa-tenistas andantes e cadeirantes, com jogos individuais, em duplas ou por equipes.

Tênis em cadeira de rodas

São divididos nas classes aberta (deficiências nos membros inferiores) e quad (deficiência em três ou mais membros). A única diferença para o tênis é que a bola pode quicar na quadra por duas vezes antes do atleta devolver para o adversário.

Tiro com arco

Disputado por pessoas com amputações, paraplégicos e tetraplégicos, paralisia cerebral, doenças disfuncionais e progressivas, com disfunções nas articulações, problemas na coluna e múltiplas deficiências. As regras seguem o tiro com arco olímpico.

Tiro esportivo

Dividido em quatro provas: pistola de ar e carabina de 10m, pistola de perfuração de 25m e a pistola de 50m. O tiro é praticado por atletas com deficiência nos membros superiores ou inferiores.

Triatlo

Pode ser praticada por pessoas com variados tipos de deficiência, como cadeirantes, amputados ou cegos. A prova é dividida em 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida.

Vôlei sentado

Disputam a modalidade atletas que possuem deficiências ligadas a locomoção. Seis jogadores de cada lado que necessitam estar em contato com o solo o tempo todo, exceto durante os deslocamentos. A quadra é menor, e a rede mais baixa do que o vôlei olímpico.

 

Os destaques do Brasil

Natação

Daniel tem 24 medalhas paralímpicas

Tóquio ficará marcada para o nadador Daniel Dias: esta será sua última Paralimpíada. Ele é  dono de 24 medalhas paralímpicas (14 de ouro, 7 de prata e 3 de bronze) e é um dos maiores vencedores da história do maior evento poliesportivo. Ele terá novos adversários na sua categoria, pois uma reclassificação na natação paralímpica colocou a S5, de atletas com menor restrição motora, na sua classe.

 

Se Daniel é o papa-medalhas, mais um atleta experiente brasileiro vai em busca de subir ao pódio mais vezes. Phelipe Rodrigues vai para a sua quarta Paralimpíada. Ele é dono de cinco pratas e dois bronzes e vai em busca do seu primeiro ouro.

 

Dois estreantes também aparecem com chances de medalhas. Gabriel Bandeira, de 21 anos, da classe S14, para atletas com deficiência intelectual, fez sua estreia internacional recentemente e surpreendeu com a conquista de seis ouros. Além dele, a paratleta do Grêmio Náutico União Maria Carolina Santiago fez a transição da natação convencional para a paralímpica no fim de 2018 e neste ano bateu o recorde dos 50m livre da classe S12, para atletas com deficiência visual.

 

Atletismo

Petrúcio Ferreira, o homem mais rápido do mundo nos 100m

Os atletas são divididos de acordo com funcionalidade na prática esportiva. Na classe T47, para atletas com deficiência nos membros superiores, o Brasil tem o homem mais rápido do mundo. Trata-se de Petrúcio Ferreira, recordista mundial dos 100m (10s42). Ele ainda ganhou um ouro e duas pratas nas Paralimpíadas do Rio de Janeiro (100m, 400m e revezamento 4x100m). Na mesma categoria e na mesma prova, o país ainda tem Washington Júnior (vice-campeão mundial em 2019).

Ainda nas pistas e nos gramados do Estádio Nacional de Tóquio, os brasileiros têm de ficar atentos com Beth Gomes. Atleta mais velha da delegação, com 56 anos, Beth é a atual recordista mundial do lançamento do disco na classe F52.

 

Futebol de 5

Talvez seja o esporte em que o Brasil entre com maior favoritismo no Japão. A seleção brasileira conquistou o ouro nas quatro vezes em que a modalidade foi disputada nas Paralimpíadas. O país esteve em quadra 22 vezes e nunca perdeu nenhuma partida na história. O time é comandado por Ricardinho, gaúcho de Osório, que já foi eleito o melhor jogador do mundo no esporte.

 

Judô

Em sua sétima Paralimpíada, Antônio Tenório viveu um ciclo complicado com a chegada da covid-19 no Brasil. Nos momentos que antecederam os Jogos, ele teve a doença, ficou 17 dias  e teve 80% do pulmão comprometido, mas conseguiu se recuperar e foi o primeiro atleta brasileiro a ser vacinado no país. Ele é dono de seis medalhas — quatro ouros, uma prata e um bronze.

 

Esgrima

Vanderson Chaves

A modalidade tem três gaúchos em busca de uma medalha no Japão. Jovane Guissone vai para a sua terceira Paralimpíada. Em 2012, ele foi campeão paralímpico ao derrotar Chik Sum Tam, de Hong Kong. Além dele, Vanderson Chaves e Mônica Santos representam o Grêmio Náutico União e tentarão um lugar no pódio.

 

Bocha

As esperanças de medalha na modalidade ficam por conta de Maciel Santos, que já nasceu com paralisia cerebral. Aos 36 anos, ele foi ouro em Londres, em 2012, na prova individual.

 

E nas modalidades estreantes?

Apesar de ter apenas um brasileiro no parabadminton, o país tem chance de trazer uma medalha para casa. Vitor Tavares conquistou três bronzes no Mundial de 2019 e pode beliscar um lugar no pódio no Japão. No parataekwondo está a campeã mundial em 2019, Débora Menezes, na classe K44 (para amputados de braço).

 

E os estrangeiros?

 Dylan Alcott (tênis em cadeira de rodas)

O australiano nasceu com um tumor na medula espinhal. Apesar de conseguir retirá-lo, ficou paraplégico. Isso o obrigou a usar cadeira de rodas. Antes de virar paratenista, Alcoot foi jogador de basquete de cadeira de rodas, tendo participado dos Jogos de Pequim, em 2008, e de Londres, em 2012, quando saiu com um ouro e uma prata, respectivamente.

Em 2014, voltou-se ao tênis de cadeira de rodas e começou sua arrancada para chegar ao topo do ranking mundial (é o atual número 1). Além de dois ouros no Rio de Janeiro (simples e duplas), ele já os quatro Grands Slams (Wimbledon, Roland Garros, Aberto dos EUA e Aberto da Austrália). Chega como favorito ao pódio no Japão.

 

Manasi Joshi (parabadminton)

Na nova modalidade nos Jogos Paralímpicos, a indiana de 32 anos vai em busca da sua primeira medalha. Ela virou para-atleta depois de ter sua perna amputada após uma acidente quando voltava para casa do trabalho em 2011.

Desde 2014, pratica o esporte profissionalmente. Desde então, tem três medalhas em mundiais da categoria (2015, 2017 e 2019, quando foi campeã).

 

Natalia Partyka (mesa-tenista)

A polonesa é uma das estrelas das Paralimpíadas. Dona de sete medalhas paralímpicas (cinco ouros, uma prata e um bronze), ela estreou nos Jogos em Sydney, em 2000, com apenas 11 anos, mas subiu ao pódio pela primeira vez apenas em Atenas, em 2004.

Sem a mão e o antebraço direito, ela também competiu nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, no Rio de Janeiro, em 2016, e também em Tóquio, em 2021. Na Inglaterra, ela chegou à terceira rodada.

 

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/esportes/olimpiada/noticia/2021/08/modalidades-presenca-do-brasil-e-possiveis-medalhas-o-guia-das-paralimpiadas-cksj25v4x003m0193ymv66tpm.html - Philip FONG / AFP - Alexandre Urch / CPB

O que você está buscando?