Edifício Joelma: relembre tragédia que há 50 anos deixava 187 mortos e centenas de feridos em incêndio

Fogo começou em ar-condicionado de escritório e se alastrou por cortinas e carpetes. Vítimas caíram do edifício, no Vale do Anhangabaú, em São Paulo. Bombeiros que trabalharam no combate às chamas serão homenageados nesta quinta (1º) pela Câmara Municipal

Redação, 01 de Fevereiro , 2024 - Atualizado em 01 de Fevereiro, 2024

Há 50 anos, a cidade de São Paulo viveu uma das maiores tragédias registradas no Brasil: o incêndio no Edifício Joelma, no Vale do Anhangabaú, no Centro. Foram 187 mortos e mais de 300 de feridos.
O fogo começou com um curto-circuito no ar-condicionado do escritório de um banco no 12º andar e se alastrou por cortinas e carpetes. A fachada, sem proteção contra as chamas, também foi tomada.
 

Edifício Joelma: bombeiros que salvaram vidas no incêndio guardam objetos usados no resgate
 
Os escritórios estavam cheios quando o fogo começou, por volta das 8h30 da sexta-feira, 1º de fevereiro de 1974. O Joelma foi consumido pelas chamas três anos depois de ficar pronto, em 1971.
 
Naquela época, a capital tinha 5 milhões de habitantes, e o prédio de 25 andares estava entre os mais altos da cidade. As imagens daquela manhã chuvosa estão no Memória Globo.
O fogo durou mais de três horas e destruiu 14 pavimentos. Segundo os registros, os botijões de gás nas copas das empresas explodiram e lançaram blocos de paredes.

Os helicópteros que tentavam fazer o resgate não conseguiam pousar no topo, que era coberto com telhas de amianto e não havia escadas de incêndio ou heliponto na cobertura. Mais de 60 pessoas que fugiram para o terraço morreram carbonizadas. Outras caíram ou se atiraram do prédio.
 
O "Jornal Nacional", na época, mostrou as imagens do incêndio e da ação dos bombeiros. O cinegrafista Reynaldo Cabrera filmou a queda de um homem do último andar do prédio.
Depois de ser tomado pelo fogo, o prédio passou por reforma, e a segurança foi reforçada. A tragédia alertou para a falta de estrutura dentro de edifícios e serviu para criar a primeira legislação de segurança da cidade, regulamentando a prevenção e o combate a incêndios.
A Justiça de São Paulo, um ano depois, considerou que o incêndio no Edifício Joelma foi criminoso devido às instalações elétricas precárias e condenou por imperícia, negligência e omissão o engenheiro, o gerente de uma empresa de ar-condicionado e três eletricistas.
 
 
 

Homenagem aos bombeiros
 
A Câmara Municipal de São Paulo entrega nesta quinta-feira (1) à tarde o Prêmio Coronel Hélio Barbosa Caldas, em memória às vítimas e os sobreviventes do incêndio. O prédio fica ao lado da Câmara.
O evento premiará 11 bombeiros que trabalharam combatendo as chamas e, atualmente, têm entre 70 e 90 anos. Veja abaixo a lista dos profissionais homenageados:
 

Lisias Campos Vieira, 72 anos;
Eduardo Boanerges Soares Barbosa, 77 anos;
Augusto Carlos Cassaniga, 83 anos;
Rufino Rodrigues de Oliveira, 92 anos;
Luiz Alves Grangeiro, 78 anos;
Francisco Assis dos Santos, 77 anos;
Pedro Ortiz Caceres, 74 anos;
Roberto Silva, 81 anos;
João Simão de Souza, 73 anos;
Franclin de Jesus Ferreira, 75 anos;
Celio Moterani, 76 anos.


 
 

 


Siga os canais do Portal 93 Notícias: YouTube, Instagram, Facebook, Threads e TikTok

Participe da comunidade da 93 Notícias no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

O que você está buscando?

google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc api.clevernt.com/3ed9a8eb-1593-11ee-9cb4-cabfa2a5a2de/ google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc UA-190019291-1 google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc