A ingratidão e o perdão

Jose Costa, 20 de Abril, 2024

     Vou relatar duas histórias que presenciei ao longo de minha vida, uma de ingratidão e outra de gratidão:

 

     É comum nas escolas ao final do ano letivo, a turma da 3ª série do ensino médio confeccionar uma placa com o nome dos alunos concludentes. Numa determinada escola, a turma colocou a seguinte frase na placa: “Agradecemos aos professores dos últimos 3 anos que nos levaram a vitória”. Ou seja, para os alunos, apenas os professores do ensino médio tiveram relevância no processo educacional dos mesmos. Como professor, nunca tinha visto tamanha ingratidão aos professores do ensino infantil e fundamental, já que eles tiveram uma grande parcela de contribuição para que ocorresse o ensino-aprendizagem.

   

     Certa vez, uma pessoa de volta à cidade natal resolveu fazer uma visita a um casal amigo que há muito tempo não via, para sua surpresa os dois filhos do casal dormiam na mesma cama por não haver outra; comovido com aquela situação, foi a uma loja, comprou uma cama e deu de presente. Algum tempo depois, o casal encontrou o amigo e mais uma vez agradeceu pelo favor prestado, mas o amigo respondeu que não lembrava do episódio. A atitude do casal foi a de gratidão e a do amigo de humildade, por não esperar receber nada em troca pelo seu ato, e ter memória curta para esquecer o favor oferecido.

 

     Ao contrário da gratidão, a ingratidão é a falta de reconhecimento e agradecimento por uma pessoa, pelo que recebeu de outra, sendo o pior defeito do ser humano. A ingratidão do aluno com os professores que após ter concluído os estudos, não dá a devida importância e reconhecimento, aqueles que o educou do maternal até o ensino superior, e contribuiu na sua formação integral preparando-o para a vida. O aluno se prevalece que o seu sucesso é somente pelo esforço e inteligência própria; a ingratidão do filho que coloca a mãe ou pai no asilo, depois de uma vida de dedicação, amor, educação, carinho, segurança, orientação, e quando os pais mais precisam do apoio dele, que é na velhice, são desprezados, esquecidos e abandonados no asilo, ficando longe dos netos, demais familiares e amigos; a ingratidão do homem ou da mulher em relação ao outro, quando trai no casamento, acabando com o compromisso de fidelidade, cumplicidade e amor no relacionamento a dois, levando a dissolução do casamento e da família.

 

    Deus deu o livre arbítrio ao homem para escolher o caminho a seguir na vida, e infelizmente tem um ou outro que não acredita existir um Ser superior, Criador do mundo e de todas as coisas, inclusive do homem, e afirma ser ateu, mesmo sabendo que Jesus morreu na cruz por todos nós e que assumiu os nossos pecados para nos salvar. Tem maior ingratidão do que esta? Imagine como deve ser grande e misericordioso o amor que Ele sente por nós, que mesmo sofrendo tamanha ingratidão, nos perdoa.

 

     Quando uma pessoa recebe uma ingratidão é possível sentir tristeza, mágoa, dor, rancor e decepção por alguém que se mostrou egoísta, orgulhosa e silenciosa diante do favor recebido, que foi logo esquecido, porque o ingrato não conhece a palavra obrigada. Se você sofrer alguma ingratidão perdoe, como faz Deus todos os dias com os ingratos que não creem Nele.

 

     Não exija gratidão a quem beneficiou, mas a pessoa que foi beneficiada também não deve ser ingrata, e se foi, a perdoe, pois devemos fazer o bem sem olhar a quem.

O que você está buscando?

mgid.com, 539646, DIRECT, d4c29acad76ce94f amxrtb.com, 105199704, DIRECT