Atividade física reduz em até 40% risco de 9 tipos de câncer

Jose Costa, 25 de Agosto, 2023

Estudo analisou dados de recrutas suecos com idades entre 16 e 25 anos

 

Recentemente, um estudo de longa duração foi publicado na edição online da revista científica British Journal of Sports Medicine, o qual revelou que uma sólida condição cardiorrespiratória está relacionada a uma redução de até 40% no risco de desenvolvimento de nove variedades de câncer, principalmente entre o público masculino.

 

A aptidão cardiorrespiratória diz respeito à capacidade de uma pessoa realizar atividades aeróbicas prolongadas, como corrida, ciclismo e natação, ou até mesmo subir escadas. Apesar de já se ter conhecimento da ligação entre essa capacidade e a redução dos riscos de determinados tipos de câncer, a pesquisa nesse campo tem sido limitada em relação a estudos abrangentes e de longo prazo. Porém, isso mudou.

 

Nesse novo estudo, os cientistas utilizaram dados de registros suecos, abrangendo informações até o final de 2019. Esses dados englobavam detalhes fundamentais, diagnósticos médicos e óbitos de jovens recrutas que ingressaram no serviço militar entre 1968 e 2005. No início de seu período de serviço, quando tinham entre 16 e 25 anos, os recrutas passaram por uma bateria padrão de avaliações. Isso incluía medições como altura, peso (IMC), pressão arterial, força muscular e a própria aptidão cardiorrespiratória.

 

Dados do estudo

A avaliação final englobou uma população com mais de 1 milhão de homens, dentre os quais 84.117 (7%) foram diagnosticados posteriormente com câncer em pelo menos um local, durante um período médio de acompanhamento que durou cerca de 33 anos.

 

No total, 365.874 recrutas apresentavam um nível reduzido de aptidão cardiorrespiratória; 519.652 registraram um nível moderado; e 340.952 exibiram um nível elevado.

 

A análise demonstrou que os recrutas com aptidão cardiorrespiratória baixa apresentavam uma inclinação ligeiramente maior para a obesidade, histórico de abuso de álcool e substâncias, além de terem pais com um nível educacional mais baixo quando comparados aos indivíduos com melhor condicionamento físico.

 

Comparativamente aos homens com baixo condicionamento físico no início do recrutamento, constatou-se que uma maior aptidão cardiorrespiratória estava relacionada a um menor risco de desenvolvimento de tipos específicos de câncer, como os que afetam a região da cabeça e pescoço, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, intestino, rim e pulmão.

 

Confira abaixo:

 

Câncer retal: redução de 5% no risco;

Câncer pancreático: redução de 12% no risco;

Câncer de intestino: redução de 18% no risco;

Câncer de cabeça e pescoço: redução de 19% no risco;

Câncer renal: redução de 20% no risco;

Câncer de estômago: redução de 21% no risco;

Câncer de tubo alimentar: redução de 39% no risco;

Câncer de fígado: redução de 40% no risco;

Câncer de pulmão: redução de 42% no risco.

 

Contudo, uma elevada capacidade cardiorrespiratória também demonstrou estar vinculada a um aumento de 7% no risco de câncer de próstata e um incremento de 31% no risco de câncer de pele.

 

Os pesquisadores sugerem que a realização de triagens para detectar câncer de próstata e a exposição à luz solar podem explicar essas descobertas. Importante mencionar as limitações presentes nesse estudo, uma vez que ele se configura como um estudo observacional, não possibilitando o monitoramento das mudanças na aptidão cardiorrespiratória ao longo do tempo ou a coleta de dados genéticos dos participantes.

 

Porém, as conclusões obtidas estão alinhadas com as orientações da Sociedade Americana de Oncologia Clínica em relação ao exercício físico durante o tratamento do câncer.

 

Os autores afirmam que este estudo evidencia que uma melhor aptidão física em homens jovens e saudáveis está correlacionada a uma redução no risco de desenvolvimento de 9 dos 18 tipos específicos de câncer analisados, destacando as taxas de risco clinicamente mais relevantes na região gastrointestinal.

 

Os resultados têm a capacidade de ajudar na formulação de políticas públicas de saúde, ampliando ainda mais o estímulo para a implementação de intervenções que visem aprimorar a capacidade cardiorrespiratória entre os jovens.

 

Fonte: https://saude.ig.com.br/2023-08-16/estudo-aponta-que-atividade-fisica-reduz-ate-40--o-risco-de-9-tipos-de-cancer.html - Por Caciane Sousa - Foto: Reprodução Freepik

O que você está buscando?

google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc