Onda de calor: como as altas temperaturas podem afetar nossa saúde?

Jose Costa, 15 de Novembro, 2023

Especialistas dão dicas de como evitar possíveis doenças que podem ser desencadeadas pelo calor excessivo

 

A última segunda-feira (13) foi marcada pelo alerta de “grande perigo” em sete estados pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Segundo o instituto, o Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rondônia e São Paulo apresentariam condições extremas de alta temperatura que poderiam comprometer a integridade física das pessoas.

 

O Inmet ainda aponta que a onda de calor deverá se estender por mais alguns dias , o que acende um alerta para redobrar os cuidados para não ter problemas de saúde neste momento.

 

A hidratação e a proteção contra a luz solar são fatores cruciais para conseguir manter a saúde durante o período de calor extremo. Mas não são as únicas coisas que se deve ficar de olho. Confira algumas das principais dicas:

 

Cuidado com o que come

Períodos quentes são propícios para a proliferação de bactérias nos alimentos, o que pode gerar sérios problemas relacionados a intoxicação alimentar. Em conversa com o Portal iG , o gastrocirurgião e endoscopista Dr. Eduardo Grecco disse que é vital quando for se alimentar verificar se o alimento estava devidamente guardado em um local refrigerado, tampado e retirado apenas no momento da refeição. Isso evita que o alimento esteja contaminado, gerando problemas intestinais severos.

 

“A vida das pessoas, hoje em dia, é fora de casa. Então, cuidado na rua, no restaurante [que você vai comer]. Às vezes, o ambiente não tem um ar condicionado ou uma ventilação adequada. Principalmente esses restaurantes com buffets, ele tem que ser refrigerado, porque senão você vai acabar tendo uma proliferação excessiva das bactérias, levando à contaminação desses alimentos”, diz o médico.

 

Outro ponto destacado por Grecco é o fator digestão. Durante períodos de calor extremo, o corpo tende a perder bastante líquido, o que afeta na digestão dos alimentos. Para isso, o médico sugere que se façam alimentação mais “frescas” e com comidas mais “leves”. Saladas, verduras e frutas são o foco neste momento, evitando frituras, por ter um tempo de digestão mais prolongado, o que pode gerar mal-estar durante o dia.

 

Sobre as frutas, Grecco pede que se dê preferência a frutas inteiras e com cascas, como maçã e banana, uma vez que você consegue preservá-las e lavá-las, caso necessite levar o alimento para o trabalho, por exemplo.

 

“É claro, a hidratação é fundamental. Você está transpirando mais. Então, é necessário que fique o tempo todo com a sua garrafinha, para se manter hidratado durante o dia”, explica o médico. Ele ainda completa dizendo que a desidratação somada aos problemas gastrointestinais, como a intoxicação alimentar e a gastroenterocolite — infecção da intoxicação que leva o paciente a ter diarreia — podem intensificar o quadro, podendo, em casos extremos, levar a internação para o tratamento.

 

O cuidado deve ser redobrado em crianças e idosos pela baixa imunidade, o que pode agravar os casos de infecção. “Criança e idoso que derem qualquer, como moleza e prostração. Você percebe que a criança não está mais brincando e começa a ter diarreia. O idoso começa a ter uma diarreia violenta, ou fica mais ‘sentadinho’ no sofá. Esses são alguns sintomas que você precisa se atentar e, de repente, correr o mais rápido possível à procura um atendimento médico para tratar desses sintomas antes que se agravem”.

 

Calor e o coração

Já em relação a problemas cardiovasculares, o cardiologista intervencionista e membro da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Dr. Marcelo Cantarelli explica que a questão é bem mais séria. Segundo ele, é de conhecimento da medicina que em temperaturas extremas, seja frio ou calor, há uma maior incidência de mortes por doença cardiovascular, como o infarto e o AVC.

 

Segundo o médico, “a cada grau que se aumenta acima de 21ºC, aumenta entre 6 a 8% a taxa de mortalidade em decorrência de mortes por doença cardiovascular relacionadas à temperatura”. Para isso, é necessário que se tenha um entendimento dos sintomas que essas doenças podem gerar para ficar atento sobre quando há a necessidade de procurar um médico imediatamente.

 

“No infarto, o sintoma clássico é forte dor no peito. Ela pode ocorre no meio do peito, na região da boca do estômago em forma de um aperto ou queimação, pode irradiar para as costas ou para o braço esquerdo até a região do punho, ou pode subir para o pescoço na região da mandíbula. Normalmente, é uma dor forte que não melhora, e vem acompanhada de outros sintomas, como a sudorese, o suor frio inexplicado, enjoo e vômito, tontura, falta de ar e desmaio.”

 

Já o AVC é marcado por uma perda súbita de um dos membros (braços ou pernas), dificuldade de falar, língua enrolando, dor de cabeça, tontura e fraqueza. Independentemente do tipo de sintoma sentido, é crucial a ida imediata ao médico.

 

Novamente, a hidratação e a proteção contra o sol são essenciais para evitar que doenças cardiovasculares aconteçam neste momento. Além disso, para pessoas que possuem uma vida mais ativa, fazendo exercícios físicos regularmente, devem optar por horários mais frescos. “Nessa situação, o melhor é evitar o excesso do calor, porque a alta temperatura leva a uma queda da pressão arterial e aumento da frequência cardíaca, que se soma a desidratação. Isso engrossa mais o sangue, podendo desencadear um evento cardiovascular.”

 

Cantarelli ainda ressalta que no calor é necessário rever algumas medicações para pessoas idosas. “Nessa época de calor, para adaptação do nosso organismo e para manutenção da nossa temperatura interna, os vasos sanguíneos se dilatam, favorecendo a troca de calor. Por isso que a nossa pele fica mais vermelhinha. Essa vasodilatação faz a pressão arterial diminua. Pode ser que, nessa época, haja necessidade nas pessoas que são hipertensas, sejam idosos ou não — mas mais importante nos idosos —, que possa ser necessária redução da dose dos remédios para pressão”, ressaltando que isso deve ser analisado pelo médico da pessoa.

 

Ar quente e a respiração

O sistema respiratório também é um dos pontos que devem sempre estar atentos durante o período de calor extremo. O médico otorrinolaringologista Dr. Marcel Menon Miyake explica quais cuidados devemos ter em tempos de altas temperaturas.

 

O principal problema que aparece é a desidratação da mucosa nasal, uma vez que o corpo perde muita água na transpiração, afetando o corpo inteiro. “Se a mucosa do nariz fica muito seca, ela aumenta bastante a irritação. Então, começa a dar bastante a sensação de irritação e pode exacerbar em pessoas que já tem doenças prévias, como rinite ou mesmo a asma. Além disso, a mucosa seca faz com que a essa barreira de proteção, que é uma coisa do nosso nariz, fique mais vulnerável a infecções”.

 

Miyake explica que é necessária uma hidratação maior do corpo para que problemas do tipo não surjam. Em relação à mucosa nasal, outra opção é a lavagem com soro fisiológico, que ajudará na manutenção da hidratação da região.

 

Outro ponto importante em relação ao calor exacerbado sem a presença de chuva, é o aumento da concentração de poluentes na atmosfera, o que acaba afetando ainda mais às pessoas com doenças como rinite e asma.

 

“Um fator importante é que, consequentemente, temos um aumento da exposição a locais com ar condicionado, o que pode irritar as nossas vias de duas formas: através do choque térmico, com essa mudança brusca de temperatura que pode gerar coriza e aumento de secreção no nariz; mas também a falta de manutenção adequada nos equipamentos, que pode conter um acúmulo de fungos e outros alérgicos que irritem a mucosa respiratória, tanto do nariz quanto do pulmão”.

 

Vale ressaltar que problemas relacionados a insolação e a micose podem ocorrer nesse período, devido à alta exposição da pele ao sol e aumento da sudorese, o que pode gerar locais propenso para a aparição de fungos. Evitar sair no sol forte e manter a higiene pessoal em dia é de extrema importância para evitar a ocorrência.

 

Fonte: https://saude.ig.com.br/2023-11-14/calor-intenso-como-afeta-saude.html - Por Pedro Gabriel - shutterstock

O que você está buscando?

google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc