RUAS DE MÃO ÚNICA: PROCESSO NATURAL E IRREVERSÍVEL.

José de Almeida Bispo, 04 de Julho, 2023 - Atualizado em 05 de Julho, 2023

Estudo de alternativas viárias que, modéstia à parte, fizemos quando em 2002, quando a cidade era a metade do que é agora; e tinha menos dez por cento (1.631) dos atuais 16.828 automóveis, e um total de 4.817 veículos, e 6,8 do total atual frota de veículos, de 70.270(*).

A Prefeitura Municipal de Itabaiana, através de sua Superintendência Municipal de Trânsito – SMTT, mais uma vez atrás de deixar a cidade, digamos, mais transitável.
Dessa vez fará a inevitável reorientação em duas ruas vitais para o trânsito urbano itabaianense, no sentido leste-oeste: as ruas Boanerges Pinheiro e Percílio Andrade.
No momento, a pista de “ida”, sentido oeste-leste, pela Boanerges Pinheiro e somente nesta; porém, futuramente vai ser obrigatório a mesma medida desde a BR-235, pela Florival Oliveira, obviamente, que muda de nome para Boanerges Pinheiro quando cruza com Carlos Reis.
A Rua Percílio Andrade, desde seu início na Rua Francisco Bragança, até o semáforo próximo ao Campus de Universidade Federal de Sergipe terá somente o sentido de “volta”, ou seja, de leste a oeste. E aqui, como é hoje, a sequência pela Olímpio Grande já cai diretamente dentro da BR-235.

Rua Barão do Rio Branco, setembro do ano passado, um dos quase dez estacionamentos exclusivos para motos: uma alternativa à falta de espaço no centro, e problema já presente, mais afastado dele.

A carência de espaço para estacionamento, é outro complicador. Centro regional, Itabaiana tem uma frota flutuante na cidade, entre a segunda e a sexta-feira que em muito eleva o número de veículos da frota doméstica, a segunda municipal no estado, com 70.270 veículos em abril próximo passado, com 16.828 automóveis; 3.738 caminhonetes, 3.595 caminhões, 440 carretas, 713 camionetas. 8.399 ciclomotores (Shinerais), 24.565 motos; 8.802 50cc (Bizz); 145 micro-ônibus, 236 ônibus e outros. Uma proporção maior que da capital, com seus 337 mil, porém com seis vezes e meia a população de Itabaiana.
Ainda por cima outro aspecto: exceto na nova Zona de Expansão, praticamente toda a cidade é também área comercial. Demandando espaço para carga e descarga, além de estacionamento rotativo para a clientela.
Outro agravante na cidade é que, como não o transporte coletivo tradicional, por bonde ou ônibus, a cidade acaba atulhada de veículos particulares, seja de consumidores, de empresários ou funcionários. Domesticamente se ajeita os problemas de espaço com o uso dos biciclos, especialmente motos; porém, mesmo assim o espaço é pouco.
Enfim, com a um traçado urbano feito para meados do século passado, de ruas estreitas e com a explosão no número de veículos das últimas duas décadas, resta ir adaptando até quando possível.

Em vinte anos a frota de automóveis decuplicou na cidade; a de caminhonetes explodiu, assim como a de caminhões, motos, 50 cc... quase 16,5 vezes o total. E as ruas continuaram estreitas como há 50 anos atrás.

(*) Total corrigido. Escusas.

O que você está buscando?

google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc