Após o “Lula Livre”, o PT não ficará mais “refém” de Belivaldo e Edvaldo!

Habacuque, 12 de Novembro, 2019 - Atualizado em 12 de Novembro, 2019

A sabedoria popular engloba um “universo vasto” de grandes ideias e bons conselhos. Uma frase por demais conhecida diz assim: “dê dinheiro, mas não dê ousadia!”. Outra expressão bastante usada é a “quem não te conhece, que te compre”. Essas duas se “encaixam” muito bem para analisar a relação do governador Belivaldo Chagas (PSD) e do prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PCdoB), com o Partido dos Trabalhadores. Beneficiado pelo entendimento da maioria simples do Supremo Tribunal Federal (STF), proibindo a prisão de condenados em 2ª instância, o ex-presidente Lula (PT) está livre e pode interferir diretamente no cenário político sergipano.

E não se trata de rompimento político com o governador ou com o prefeito de Aracaju, mas de “independência”. Sem o ex-governador Marcelo Déda (in memoriam) e com Lula preso, o PT sergipano ficou “órfão”, perdeu seu protagonismo na política local e passou a ser apenas um bom “coadjuvante”, recordando o passado e “chorando” o presente, mas sem perspectivas para o futuro. Nomes como o senador Rogério Carvalho (PT) e a vice-governadora Eliane Aquino (PT) não conseguiram conduzir essa liderança que mobiliza e rege a militância.

Eliane foi vice-prefeita de Aracaju e passou dois anos (2017 e 2018) bem “apagadinha”, sem dizer a que veio. Foi eleita vice-governadora, mas durante a campanha teve que dá um “pito” em Edvaldo Nogueira, cobrando mais “empenho”, mais presença nas ruas. Está no Estado desde janeiro e continua “esquecida”, não se posiciona sobre temas relevantes, como a Reforma da Previdência, e não ajuda o “galeguinho” na difícil relação com o funcionalismo. Rogério Carvalho, então, nem se apresenta! Justiça seja feita, o governador e o prefeito também não o querem “tão perto”...

Mas é inegável que com a saída de Lula da cadeia e com seu anúncio de percorrer o Brasil para fazer política, pela liderança que ele representa na Esquerda, o PT não se contentará em apenas “votar” em Edvaldo Nogueira no próximo ano, por exemplo. Isso porque a “chapa” já estaria praticamente montada com o PSD indicando a vaga de vice-prefeito e que este nome tende a ser a deputada estadual Maísa Mitidieri (PSD). Muitos membros do Partido dos Trabalhadores não se sentem contemplados com a gestão municipal e certamente vão pressionar muito no sentido que a legenda tenha uma candidatura própria para tentar reassumir o comando da capital.

Sobre o governo, o sentimento é praticamente o mesmo. O “galeguinho” chegou e “não resolveu”. Os problemas se acumulam, o Estado está em sérias dificuldades financeiras, os servidores não têm perspectivas e o PT terá que votar, na Assembleia Legislativa, na Reforma da Previdência de Belivaldo Chagas que, provavelmente, estará em completa “sintonia” com a Reforma já aprovada do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O partido terá dificuldades e irá pressionar muito o governador, inclusive para se posicionar politicamente.

Em síntese, o que este colunista avalia é que o Partido dos Trabalhadores pode sim continuar aliado e apoiado as gestões de Edvaldo Nogueira e Belivaldo Chagas, mas o PT não ficará mais “refém” de ambos após o “LULA LIVRE”. A legenda volta a ser protagonista e o cenário político muda completamente. Muitos interesses estarão em jogo, estarão em disputa e vai ser necessário muita habilidade para controlar a “euforia” da militância petista. É aguardar os próximos acontecimentos, sobretudo, a chegada do ex-presidente a Sergipe...

 

Veja essa!

O deputado estadual Francisco Gualberto (PT) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para comentar a decisão do STF que culminou no “LULA LIVRE”. O parlamentar fez uma defesa tão “veemente” do ex-presidente, inclusive dizendo que “Lula foi vítima do sistema”, que houve gente querendo “beatificar” o líder do PT. É mole?

 

E essa!

Gualberto acusou o ex-juiz federal e hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, de “cachorrinho de milícia” e disse que ele estava “a serviço” do presidente Jair Bolsonaro, para “cumprir a missão de tirar Lula da eleição”. Ainda no plenário, o deputado exibiu um vídeo com uma música composta por ele defendendo a liberdade do ex-presidente, condenado pelo Tribunal Regional Federal.

 

Georgeo Passos I

Por sua vez, para o líder da bancada de oposição na Assembleia Legislativa, deputado estadual Georgeo Passos (Cidadania), Lula está em liberdade sim, mas não está apto para disputar eleições. Segundo ele, pelo placar no STF (6x5) não se trata de um tema pacífico. “Mesmo não concordando com alguns pontos, a gente respeita a fala do colega, mas em 2018, mesmo se não estivesse preso, Lula não poderia ser candidato porque ele é ficha suja para a legislação eleitoral”.

 

Georgeo Passos II

“Existem contra ele várias sentenças por corrupção e ele não foi julgado apenas pelo ministro Sérgio Moro, enquanto juiz. Alguns recursos foram mantidos pelo próprio Tribunal Regional Federal”, disse Georgeo, reconhecendo que se trata de um líder político de grande importância para a história do País e que isso não deve ser desconhecido, mas não se pode dizer que Lula não é um condenado e que pode ser candidato.

 

Gualberto

Gualberto não citou o nome na tribuna, mas disse que tomou conhecimento que um advogado criminalista sergipano (possivelmente Evaldo Campos) agrediu e achincalhou Lula de todas as formas, defendendo a tese do “moralista e íntegro”, fazendo “argumentações das mais diversas” contra a soltura. “Trata-se de um advogado criminalista, um dos mais conhecidos de Sergipe”. Evaldo Campos gravou um áudio que se propagou nas redes sociais e concedeu entrevistas em emissoras de rádio.

 

Bomba!

“Eu tenho dúvidas se, nesse Estado, com a força do seu ofício, possa ter outro que tenha soltado mais pistoleiros e homicidas do que ele! Grande e competente advogado. Soltou centenas? duas centenas? É esse tipo de gente, falso moralista e contraditório, que se arvora no direito de criticar a saída de Lula. Se tivesse no Rio de Janeiro não tinha um miliciano preso. Gosta de defender criminoso e o faz com firmeza”, disse Gualberto, possivelmente se dirigindo a Evaldo Campos.

 

Outro lado

Sobre a crítica feita por Gualberto ao advogado criminalista de Sergipe que criticou Lula e o STF, Georgeo Passos disse que “ele emitiu sua opinião sobre a mudança de postura do Supremo. O PT teve a oportunidade de construir algo para o País, mas poderia não ter se envolvido com corrupção e está provado que se envolveu e bem”. O deputado disse que o PT tem em sua marca, hoje em dia, a corrupção, que muitas pessoas já deixaram a legenda e que não se trata de um cenário “tranquilo” como foi colocado por Gualberto.

 

Prisão preventiva

“O nosso senador Alessandro Vieira está defendendo em BSB a mudança na legislação no Congresso. 70% das pessoas reclusas nos presídios sergipanos não têm uma condenação com trânsito em julgado. Estão ali por uma (prisão) preventiva, por exemplo. Por falta de um advogado bom. Ficam a mercê da Justiça e cumprem boa parte da pena na prisão provisória. O recado que o STF passou é que quem tem condições fica solto e quem não tem fica preso”, completou Georgeo.

 

Rodrigo Valadares I

O deputado estadual Rodrigo Valadares (PTB) aprovou o discurso de Georgeo Passos e disse que entende a posição de Gualberto em celebrar o momento positivo para o seu agrupamento político, mas também criticou a decisão do STF. “O ex-presidente Lula disse que não iria para o regime semiaberto porque disse que ia ficar feio e que só queria sair como inocente. Ficou ainda mais feio porque não saiu como inocente e, para ele sair, teve que liberar vários corruptos de plantão”.

 

Rodrigo Valadares II

“Lula Livre é Cunha Livre, Cabral Livre e muitos outros. Por sorte a América Latina assistiu a população e a forças armadas da Bolívia exigirem a renúncia do presidente e ditador Evo Morales. Estamos deixando para trás um passado negro com o socialismo e comunismo”, completou Rodrigo.  

 

Capitão Samuel

Já o deputado Capitão Samuel (PSL) disse que generalizaram no julgamento do STF, mas não foram muitos os condenados que ganharam liberdade. “Falaram que eram 200 mil soltos. Não foram nem cinco mil. Para a pessoa ficar presa basta a decisão do juiz. Não precisa nem ser condenada em 2ª instância. Basta o entendimento que aquela pessoa pode atrapalhar o andamento do processo. Acho que essa decisão irá agora para o Congresso e tem que ser tomada tecnicamente, sem ‘oba oba’”.

 

Coisas da PMA

Vereadores da base aliada do prefeito Edvaldo Nogueira passaram a informação para este colunista de que estão insatisfeitos com o direcionamento da gestão para o também vereador e hoje secretário, Antônio Bittencourt (PCdoB), que em 2020 disputará a reeleição

 

Cooptação

Um dos vereadores denunciou que seus assessores estão sendo cooptados por aliados próximos ao prefeito para assumirem compromisso político com a reeleição de Bittencourt. Isso ainda vai dar muito o que falar...

 

Lara e André I

Os membros do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe, de forma unânime, reformaram a decisão condenatória proferida pelo juízo da 11ª Zona Eleitoral. O Colegiado julgou improcedente a Ação de Investigação Judicial Eleitoral proposta em face da prefeita de Japaratuba,  Lara Moura; de Dogival Monteiro e do ex-deputado federal André Moura.

 

Lara e André II

A ação foi proposta alegando-se que, em comício realizado no Povoado São José, no Município de Japaratuba/SE, no dia 27 de agosto de 2016, André Moura, então deputado federal e líder do governo do presidente Michel Temer no Congresso Nacional, valendo-se de influência política que dizia possuir, teria praticado conduta violadora do princípio da isonomia no processo eleitoral em prol das candidaturas de Lara Moura e Dogival Monteiro.

 

Apenas presunções

A relatora do processo, juíza Sandra Regina Câmara Conceição, salientou que, para a concretização do abuso de poder político, se mostra imprescindível a comprovação da gravidade das circunstâncias do caso concreto que caracterizam a prática abusiva, de modo a macular a lisura da disputa eleitoral, como exige o art. 22, inc. XVI, da LC nº 64/90, não podendo esse ilícito eleitoral, principalmente pelos graves efeitos decorrentes de eventual sanção, ancorar-se em presunções.

 

Voto da relatora

Em trecho de sua decisão, a relatora fundamentou seu voto afirmando que “embora o Juízo de 1º grau entenda presentes nos autos ‘prova segura, incontroversa e escoimada de qualquer dúvida’, a meu ver, não se vislumbra um elemento sequer apto à formação do convencimento de que o discurso proferido pelo então parlamentar teve significativo impacto nas eleições de Japaratuba a ponto de influir na orientação dos votos dos seus eleitores”.

 

Não configura abuso

Ao apresentar seu voto-vista, o juiz Leonardo Souza Santana Almeida ratificou o entendimento apresentado pela relatora. “As palavras proferidas no comício não passaram de vociferações carregadas de certo pedantismo, impregnadas de convencimento pessoal por ocupar, à época, um cargo de destaque no Governo Federal e tentar utilizar-se dessa proeminência para convencer os eleitores presentes no evento. Não passam, portanto, de arroubo retórico. Vale frisar que a causa de pedir repousa apenas nesse fato, inexistindo qualquer outro elemento a ele agregado que possa configurar o abuso do poder político”, finalizou o magistrado.

 

Riachuelo I

Ainda falando no deputado Georgeo Passos, ele questionou a falta de apoio do governo federal e do governo do Estado para o município de Riachuelo, que entrou em Estado de Emergência no mês de Julho, após as enchentes que provocaram a extravasão da barragem Jacarecica II para o Rio Jacarecica, e deste, para o Rio Sergipe.

 

Riachuelo II

“A resposta do governo federal e do governo do Estado foi quase nula e lenta. Recebi informações de moradores de Riachuelo relatando que as obras da ponte principal que dá acesso à cidade foram iniciadas recentemente, após o processo licitatório e a ajuda humanitária do governo federal foi de R$ 200 mil. Já o governo de Sergipe só agora formalizou um convênio de R$ 382 mil. Não deu para resolver o problema daquela comunidade e até hoje 30 famílias permanecem sem ter onde morar”, disse Georgeo, reforçando que as famílias precisam de um lugar digno para morar.

 

MDB I

Dentro do MDB o sentimento é de insatisfação com a presidência de Jackson Barreto no Diretório Municipal de Aracaju. A turma já percebeu que JB só está usando a legenda em um entendimento com Edvaldo Nogueira e, após a eleição, deve se filiar a outro partido.

 

MDB II

Ninguém fala do assunto abertamente, mas a possível ida de JB para o PT, conforme foi ventilado, agradou a muita gente dentro do MDB que o quer como companheiro de partido. A informação é que existem alguns nomes dispostos a se filiarem no partido, desde que Jackson saia.

 

Adriano vem aí!

O PSDB pode apresentar como alternativa para a Prefeitura de Aracaju, em 2020, o ex-vereador da capital, Adriano Taxista. Ele já colocou seu nome à disposição do grupo e tem anunciado que quer surpreender no próximo ano, com seu estilo simples e trabalhador, mas disposto a empreender uma nova política na PMA.

  

Ferrovia

O prefeito Edvaldo Nogueira já determinou a retirada dos trilhos da linha do trem da antiga Avenida Rio de Janeiro. Agora, como perguntar não ofende nunca, todo o ferro que está sendo recolhido, qual a destinação? A PMA tinha autorização do governo federal para remover a ferrovia? Com a palavra a Prefeitura...

 

MST I

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de Sergipe realiza até o dia 15, a 6ª Feira Estadual da Reforma Agrária, no Mercado Dr. Carlos Firpo – Rua Carlos Correia, bairro Siqueira Campos, em Aracaju. A feira reúne cerca de cem famílias assentadas e acampadas das cinco grandes regiões do estado, trazendo em torno de 80 toneladas de alimentos, entre frutas, verduras e seus derivados.

 

MST II

O evento tem o intuito não somente de circular a produção agrícola dessas famílias, como também de conscientizar a população sobre os cuidados com a alimentação e o consumo de alimentos orgânicos, incentivando a produção local. Além disso, há também a produção de derivados da macaxeira e batata doce, como bolos e doces, mel, queijos variados, oriundos das associações e cooperativas familiares ligadas ao movimento.

 

Programação

A feira terá início todos os dias às 8h, e encerramento às 21h. Ao longo da semana, a programação conta também com a apresentação de artistas sergipanos, como Val Santos, Lívia Aquino, Casaca de couro, Nandinho d’aguada, o grupo de dança e poesia, Pérola Negra e o cantador e poeta pernambucano Neudo Oliveira.

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com

 

O que você está buscando?