Ficar sem calcinha faz bem. Por que o novo hábito do confinamento pode favorecer sua saúde íntima

Jose Costa, 14 de Agosto, 2020 - Atualizado em 14 de Agosto, 2020

De acordo com os profissionais consultados por Donna, a orientação tem como objetivo contribuir com a saúde íntima feminina

 

Nas redes sociais e em grupos femininos de WhatsApp, muitas mulheres contam que estão aproveitando o período de confinamento para colocar em prática uma recomendação de muitos ginecologistas: usar menos roupa íntima. De acordo com os profissionais consultados por Donna, a orientação tem como objetivo contribuir com a saúde íntima feminina. Por conta do excesso de roupas (usar a calcinha e mais uma calça jeans, por exemplo), pode haver um aumento do calor e da umidade no local, como explica a ginecologista Clarissa Amaral:

 

— A falta de transpiração faz com que aumente a proliferação de agentes patogênicos como a cândida, que causa as vulvovaginites fúngicas — afirma.

 

Nos consultórios, muitos médicos costumam indicar que as pacientes não usem calcinha na hora de dormir - mas, segundo a médica, só há benefícios em não vestir a peça durante o dia quando você está em casa.

 

— A orientação em relação à noite é muito mais por uma questão de conforto e por ser um momento de maior privacidade, mas não deveria ser somente para dormir — afirma.

 

Respira!

Para o ginecologista Paulo César Giraldo, tão importante quanto deixar a roupa íntima de lado por algumas horas todos dias é estar atenta ao tipo de calcinha que você escolhe. O maior problema, explica o professor titular de Ginecologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), é vestir peças apertadas:

 

— A área genital fica entre as coxas, e isso faz com que fique sob oclusão e fricção. A pele da vulva sofre mais do que a do antebraço ou das costas, por exemplo. Se você usa uma roupa íntima apertada, aumenta essa oclusão — ensina.

 

Ou seja: de nada adianta seguir à risca a orientação de deixar a calcinha de lado para dormir e, durante o dia, usar aquela lingerie justíssima por muitas horas. Vale ficar atenta também às demais peças "de baixo": calças jeans muito apertadas, por exemplo, também podem ser prejudiciais para sua saúde íntima. O médico conta que já atendeu pacientes que ficaram com a pele manchada por conta da tinta.

 

— Pela umidade na área genital, a tinta se impregna na vulva. Quando a peça está apertada, a mulher transpira e a tinta sai — explica.

 

Não quer dizer que você precise aposentar aquela calça mais justa: em seu site, o higienegenitalfeminina.com.br, o médico ensina que o ideal é evitar usar esse tipo de peça por muitas horas seguidas. Se apostou numa roupa mais apertada hoje, o ideal é que amanhã você opte por uma peça mais solta.

 

E o melhor tecido?

Você já deve ter ouvido falar que o ideal é optar por peças íntimas de algodão, não é? De fato, elas favorecem a oxigenação na área, mas não há problema em usar calcinhas de outros materiais se elas não forem justas demais e deixarem a pele transpirar.

 

— Muita gente fala para não usar calcinha de lycra, mas é bobeira. Raramente a mulher terá alergia ao tecido. Os incômodos aparecem se a calcinha ocluir a respiração ou se for muito apertada — pondera o médico, que é membro da Comissão Nacional Especializada em Doenças Infectocontagiosas da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

 

Hora do banho

Mas prevenir possíveis infecções genitais também tem a ver com a higiene íntima adequada, recorda a ginecologista Clarissa. Isso não quer dizer lavar a área diversas vezes por dia - o que pode ser, inclusive, prejudicial.

 

— Higienizar bem não quer dizer demais — pontua Giraldo. — Mas, se a higiene não é feita, a área vulvar vai acumular secreções e detritos orgânicos, e as bactérias se proliferam. Elas produzem substâncias que podem ser nocivas para o tecido e, eventualmente, favorecer infecções.

 

O ideal é lavar a região de uma a, no máximo, três vezes ao dia em tempos de calor, devido à transpiração excessiva. Na época de frio, uma limpeza diária é o suficiente. Não custa lembrar: não se deve introduzir água dentro da vagina (do hímen para dentro, como explica o médico). Duchas vaginais só devem ser utilizadas com prescrição médica.

 

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/donna/noticia/2020/08/ficar-sem-calcinha-faz-bem-por-que-o-novo-habito-do-confinamento-pode-favorecer-sua-saude-intima-ckdkf54s3006k0147tu7qbeu7.html - Thamires Tancredi

O que você está buscando?