O negacionismo médico em Sergipe. (por Antonio Samarone)

Antonio Samarone, 18 de Novembro, 2023

 


José Lourenço de Magalães (1831 – 1905), sergipano de Estância, formado pela Faculdade de Medicina da Bahia, em 1856. Foi um grande leprologista, reconhecido mundialmente, que perdeu fama e o prestígio, ao discordar de que a lepra é causada por uma bactéria.

Lourenço de Magalhães foi Presidente da Academia Nacional de Medicina no bienio 1895/96. Ele foi o único sergipano a presidir essa entidade médica bi centenária. Ele também exerceu a clínica oftalmologica.

Vamos a polêmica bacteriana.

A teoria bacteriana (Pasteur e Koch) encontrou grande resisitência entre os médicos brasileiros. A medicina brasileira é filha dos Mosteiros de Coimbra. Essa descedencia da medicina hipocrática grega é uma pretenção recente, sem fundamentos históricos.

Lourenço de Magalhães acreditava que fontes termais eram eficazes no tratamento da lepra ou mal de Lázaro. Ele defendia uma causa hereditária. Entre as medidas higiênicas para se evitar a lepra, estava previsto o impedimento da procriação.

A polêmica das causas da lepra alternava-se entre a transmissão hereditária e o contágio.

Causas da morfeia – Lourenço de Magalhães – “Dos estudos médicos o que ainda hoje menos satisfaz o espírito, é o concernente a etiologia das moléstias. Realmente, quando se penetra na etiologia das enfermidades, encontram-se tantos desvios, tantas são as sinuosidades, e tão confusamente se cortam e se cruzam as veredas, que afinal a inteligência para indecisa e desalentada.”

Historicamente, os médicos entendia-se mais ou menos, auxiliam-se e condescendem-se. Entretanto, no tocante a etiologia, a relação entre eles mudava de caráter, cada autor, pode-se dizer, seguia o seu Norte.

Citando Lourenço:

“É forçoso confessar que os estudos da etiologia das moléstias, nas circunstâncias em que o podemos fazer, tornar-se desagradável e penoso. A etiologia da lepra foi desde muito tempo, e será durante longos anos ainda, objeto de muitas divergências entre os diversos autores que a estudaram.”

Lourenço atribuía como causas da lepra: clima, umidade, condições telúricas, desenvolvimento espontâneo, contágio, sífilis, parasitismo, regime alimentar e herança. Rejeitava a etiologia bacteriológica como causa única.

O médico noruegues Gerard Hansen, encontrou nos tubérculos leprosos grandes elementos escuros que supõem serem aglomerações de pequenos corpos baciliformes, encerrados nas células, assim como numerosas bactérias. Entretanto, não encontrou bactérias no sangue fresco dos leprosos.

Lourenço conhecia a teoria parasitária, de que um agente específico seria o responsável pela etiologia da lepra. Mas discordava perguntando, basta haver encontrado uma parasita para ter-se o direito de denunciar como causa de qualquer moléstia?

Havia a crença que a causa alimentar era uma das causas lepra, em especial a carne de porco, considerada imunda por Moises, e proibida o seu consumo. Se acreditava que a carne de porco poderia causar a lepra. A proibição bíblica estendia-se a todos que vivem na água e não possuem nem escamas, nem barbatanas.

Lourenço acreditava que as causas da lepra eram o regime alimentar e a transmissão hereditária. Não acreditava nem no contágio, nem na etiologia bacteriana. Não assimilou a revolução bacteriana.

O crescimento da eficácia das medidas de saúde pública no combate as doenças prevalentes, usando estratégias centradas no novo paradigma etiológicos, enfraqueceu as teorias dominantes da causalidade. No caso da lepra, como o tratamento continuou sem eficácia até a segunda metade do século XX, a legitimação da causalidade etiológica ficou prejudicada.

Lourenço Magalhães escreveu sobre a morfeia (lepra) em 1882, quando em 1880, Hansen já havia identificado o bacilo causador da lepra. A doença depois virou Hanseníase.

Gerhard Henrick Armauer Hansen foi um médico bacteriologista e dermatologista norueguês, conhecido pela identificação do Mycobacterium leprae, como o agente causador da lepra (1880).

Foi um golpe mortal na ciência de José Lourenço de Magalhães.

Aliás, a mudança de lepra para hanseníese foi uma homenagem a descoberta por Hansen da Mycobacterium leprae, como a causa da doença. O sergipano Lourenço de Magalhães, morreu negando a causa bacteriana da Lepra.

O negacionismo é uma enfermidade ideológia que também ataca os médicos, mesmo os mais ilustres.

Antonio Samarone (médico sanitarista)

O que você está buscando?

google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc google-site-verification=GspNtrMqzi5tC7KW9MzuhDlp-edzEyK7V92cQfNPgMc