Ars Moriendi. (por Antonio Samarone)

Antonio Samarone, 07 de Fevereiro, 2021

A televisão mostrou o início da vacinação dos idosos como uma carta de alforria. “Vocês agora voltarão a viver, estão libertos da quarentena”, disse o repórter, numa grande mentira.

Um velhinho entrevistado em São Paulo, perguntou ao vacinador se podia tomar cerveja. O profissional disse-lhe que só depois de 24 horas. Não sei de onde ele tirou esse prazo...

Em Sergipe, eles vacinaram apenas os idosos asilados.

Um colega médico desabou emocionalmente vendo o Pai pela televisão, tomando a vacina no Asilo. Com a justificativa de não levar a Covid-19, ele tinha visto o Pai pela última vez em março do ano passado.

Ele hesitou antes de colocar o pai numa Casa de Repouso, mas depois se acostumou, pela conveniência. O doutor justifica como não tendo outra opção: sou filho único, o meu apartamento é pequeno e Rosinha (a esposa) não aceita.

O Pai, 91 anos, tem uma pensão gorda, foi ex procurador do Estado, um homem culto, cabeça boa, mas perdeu a autonomia, devido a uma queda. “Com a morte de mamãe, fiquei sem saber o que fazer. Somos mineiros, não temos outros parentes por aqui”, disse-me ele.

Em Aracaju, mesmo para os idosos ricos, não existem instituições alternativas. Tudo fica ao encargo das famílias ou das Casas de Repousos.

“Meu pai, disse-me ele, nunca aceitou perder o comando da família e não se preparou para a dependência”,

O Pai, na verdade, nunca aceitou perder o controle sobre a sua vida, passando o comando para a medicina ou para a família.

Mas a perda de autonomia sempre chega.

Na última conversa, por telefone, ele ouviu do pai um desabafo: “meu filho, só é possível dar sentido a morte nos enxergando como membros de algo maior, a família, a comunidade, a sociedade. Me tire daqui!”

“Não pude atendê-lo até agora e não sei o que fazer.”

O Pai, indignado, desligou o telefone! A medicalização da velhice e da morte é um castigo para os idosos.

O foco da medicina é estreito, concentra-se na reparação da saúde e não no sustento da alma. A falha é tratarmos as provações das doenças, o envelhecimento e a morte como questões apenas da medicina.

Antes a velhice era tutelada pela religião, com os seus padres e as suas rezas, passamos para a medicina, com os seus médicos e os seus medicamentos. Os idosos são os grandes consumidores dos produtos e serviços do complexo médico industrial.

A solidão é da alma e o uso de psicotrópicos não resolve.

Residências assistidas, com o apoio dos cuidados paliativos, mantendo-se boa parte da autonomia moral e das vontades, como nos Estados Unidos, poderia ser uma alternativa no Brasil?

As casas de repousos foram criadas para liberar os leitos dos hospitais, barateando o enclausuramento dos fisicamente dependentes. O Asilo, geralmente, é uma prisão dos idosos pelo crime da velhice.

A cobertura da vacinação pela TV, criou um paraíso ilusório para os idosos no pós-vacina.

Pensei: é urgente a desmedicalização da velhice. Eu não sei como!

A Sociedade brasileira não colocou esse ponto em pauta. Não está preparada. Imaginem Sergipe...

Precisamos planejar o enfretamento da questão da velhice, futuro certo de todos os que escaparem. O desmonte das políticas públicas e da previdência social são mais graves para os idosos.

Talvez, essa conversa não seja oportuna nesse momento.

Antonio Samarone (médico sanitarista)

O que você está buscando?