A Pandemia dos Velhos. (por Antonio Samarone).

Antonio Samarone, 24 de Abril, 2020


Seu Tutu foi encontrado morto. Artur José do Nascimento, 82 anos, estava isolado, com medo da Peste. Morava só! Ainda mexia com uma pequena bodega, recentemente fechada, por razões óbvias. Foi velado e sepultado com o ritual cristão, no cemitério local.

Depois da morte da esposa, há três anos, os filhos insistiam para seu Tutu vir para Aracaju, morar com eles. Ele sempre reagiu: “a solidão é a minha dignidade. Não quero ser manobrado por filhos”.

Seu Tutu, começou apresentar os sintomas segunda-feira, tosse e falta de ar. Morreu em três dias. Não procurou assistência médica, ele não acreditava. Ele não aceitou ser internado, tinha mais medo da intubação do que da morte.

Ele achava que tinha contraído a Peste na fila do Banco, quando foi receber a aposentadoria. Seu Tutu não merecia ser enterrado numa Vala Comum.

Eu conheci Seu Tuta na histórica reunião no Cinema de Zeca Mesquita, quando da primeira visita de Lula à Itabaiana. Desde o mensalão, Seu Tutu criou desgosto com o PT. Deixou de votar. Em sua bodega tinha um retrato de Luiz Carlos Prestes na parede, presente do amigo Zeca Cego.

A gripe espanhola matou mais jovens saudáveis, a Covid – 19 prefere os idosos. O Coronavírus por enquanto está vencendo e ceifando vidas preciosas.

Uma outra vitória do Coronavírus no Brasil: a epidemia está criando mais desunião e desconfiança. Faltam confiança entre as pessoas, confiança nos especialistas científicos e confiança nas autoridades. É a Torre de Babel.

Tinha lido em uma pesquisa do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública – USP, que “Na capital paulista vivem 1,8 milhão de idosos e quase 300 mil moram sozinhos. Desses, mais de 20 mil estão com mais de 90 anos de idade e mais de 8 mil não têm rede de apoio, ou seja, contatos sociais ou familiares aos quais poderiam pedir ajuda nesse momento crítico.

Me lembrei de Seu Tutu. Ele tinha a quem pedir ajuda, mas preferiu não incomodar. Os velhos aprendem isso, é parte do desapego. “Nasci só e vou morrer só”, dizia ele.

Qual é a realidade dos Idosos em Aracaju, quantos moram sozinhos? Por aqui, eu não conheço estudos sobre o tema.

Em 2019, o IBGE estimou para Aracaju uma população de 657.013 habitantes, com 65.700 idosos, aproximadamente. Usando a proporção de dez por cento. Quantos moram só, e não possuem apoio familiar?

Temos uma autoridade que não saí das mídias, ele é o arauto da Pandemia. Um sujeito que até tem passado, militante do movimento estudantil, mas se diluiu na gosma geral da politicagem.

O poder molda os que a ele se assujeitam!

Pensei em sugerir: cuide dos idosos de Aracaju. Coloque a máquina que você comanda para assistir aos idosos, nesse momento de medo. Ainda deve existir os grupos de idosos nos CRAS e nas Unidades de Saúde.

Mas não tive coragem...

Se nada mudar no pós Pandemia, pelo menos, Eu vou tratar mais da questão do idoso. Quantos somos e como estamos vivendo, os 65.700 idosos do Aracaju?

Antonio Samarone.

O que você está buscando?