A Cloroquina e a Gata da UDN. (por Antonio Samarone)

Antonio Samarone, 15 de Maio, 2020 - Atualizado em 15 de Maio, 2020

 


O atual radicalismo político no Brasil, me lembra Itabaiana na década de 1950, cuja divisão política se dava entre UDN versus PSD.

O Dr. Florisval Oliveira, intelectual e farmacêutico ligado à UDN de Itabaiana, criava uma linda gata persa, que nunca havia engravidado. A gata era virgem. A gata andava de calcinha, para evitar imprevistos.

Certa feita, a gata fugiu. Foi um corre-corre. A gata no cio, cruzou com um gato de rua, desconhecido.

E agora?

Dr. Florisval ficou desesperado e foi apurar: de quem é aquele gato? Disseram-lhe: é o gato de Zeca do Vinagre. O Dr. Florisval caiu em depressão. Logo um gato pessedista (PSD)!

O mundo em Itabaiana era assim, dividido pela política.

Não quero entrar no mérito da Cloroquina ser ou não, indicada no tratamento da Covid – 19. Se possui ou não, eficácia cientificamente comprovada. Essa é outra discussão.

O meu enfoque é outro. A divisão política no Brasil está tão radicalizada, que até o uso de um medicamento passa pelo crivo político. O fato de a Cloroquina ter sido indicada por Bolsonaro, produz de imediato uma legião de críticos e outra de seguidores.

Claro, existe uma meia dúzia que, por outros meios, forma sua convicção sobre a cloroquina. Mas, a imensa maioria, aceita ou rejeita o medicamento pelo viés político. Um horror!

O Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (LQFEx) turbinou sua capacidade de fabricação da cloroquina, mesmo antes da conclusão sobre a eficácia e os riscos da substância no tratamento do coronavírus.

No Brasil, o estudo com a cloroquina está sendo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e, até o momento, não é possível afirmar sua eficácia no tratamento dos infectados pelo novo coronavírus.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) já divulgou nota técnica, com orientações sobre o uso da cloroquina para tratamento da Covid – 19. “O medicamento deve ser administrado sob estrita supervisão médica em ensaios clínicos e por um tempo curto.”

Gente! Essa é a posição dos cientistas e pesquisadores da Fiocruz.

Por outro lado, um colega do Piauí, o médico Sabas Vieira, postou um vídeo jurando ter esvaziado a UTI do Hospital Regional Tibério Nunes, em Floriano, usando a Cloroquina. Foi o maior sucesso, a cura do coronavírus foi descoberta no interior do Piauí.

A Ministra Damares já foi visitar. Deus é grande!

O Presidente Bolsonaro decidiu incluir a cloroquina no protocolo do Ministério da Saúde, para o tratamento da Covid – 19. O Ministro Nelson Teich, tomou mais um susto e pediu demissão. Assim caminha a nossa Pindorama.

Não foi a primeira vez que uma substância caiu no gosto dos políticos.

O químico Gilberto Orivaldo Chierice, Professor aposentado do Instituto de Química da USP, em São Carlos, desenvolveu a fosfoetanolamina sintética, a chamada "pílula do câncer", no final dos anos 1980.

Foi um reboliço!

A ciência nunca encontrou a ação terapêutica da fosfoetanolamina. Mas a substância, criou fama e virou remédio assim mesmo. Terminou o Congresso Nacional aprovando a pílula do câncer.

A Lei nº 13.269, de 13 de abril de 2016, autorizou o uso da fosfoetanolamina sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna. Que se dane a ciência.

Diante do precedente, o Presidente Bolsonaro poderia publicar uma Medida Provisória assegurando a eficácia da cloroquina no tratamento da Covid – 19.

O protocolo da Prefeitura de Aracaju para o tratamento da Covid – 19, em pacientes hospitalizados, já inclui a hidroxicloroquina – 400 mg, e a cloroquina – 150 mg, associado a azitromicina.

Antonio Samarone.

O que você está buscando?